Uma espiritualidade democrática radical

| 21 Jul 19 | Entre Margens, Últimas

Espiritualidade em tempo de crise (V)

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo. As abstenções, ainda que possam ter igualmente outras causas, são indicação deste problema mais fundo no “iceberg político”. Representação? Os partidos políticos representam-nos realmente, mais além da sua propaganda? Ou não será que representam preferentemente os seus próprios interesses partidários-partidistas ou os interesses de grandes grupos atrás deles? Uma dúvida permanente atrás da orelha do cidadão e cidadã comuns.

Ao mesmo tempo proliferam iniciativas mais de base e radicais (de raiz), mais além da crítica surgida pelo outro lado, a já mencionada da extrema-direita. A ascensão da crítica e prática ecológica, do movimento de mulheres e de género, e até de movimentos infantis e juvenis, mostram espaços participativos criativos e de impacto popular relativamente novos. A política tradicional, o bipartidismo, também parece andar em crise em vários países. “Algo se move”, nesta rápida análise de sociologia política.

Há igualmente uma consciência mais ou menos viva de que este é o sistema político que exprime atrás dele o poder dos grandes meios capitalistas, das grandes corporações e meios financeiros (por exemplo, quem financia os partidos? Será que eles vão propor leis contra os seus financiadores?).

 

As nossas vidas nas nossas mãos

Na nossa opinião, há um desafio urgente para a cidadania dos nossos tempos: superar democraticamente este modelo restringido de democracia formal e representativa. O desafio seria ir para modelos mais participativos e diretos do exercício do seu próprio poder político, por parte dos cidadãos e cidadãs deste planeta.

Sem dúvida que a democracia que temos representou um avanço frente aos sistemas autocráticos que vigoraram num passado não muito distante e que ainda perduram em alguns espaços. Mas não dá mais de si! É importante ser conscientes disto e não colocarmos mais expectativas naquilo que tem pouco mais a dar.

Sem dúvida, isto precisaria de ser mais justificado. Mas não há mais tempo a perder. É urgente a mudança de paradigma político!

Parece-nos que a Espiritualidade, tal como a entendemos, pode apoiar um processo de procura de novos modelos mais democráticos, de base e diretos. Como? Mantendo os valores democráticos de tolerância, respeito, poder do povo, informação crítica, livre debate, participação, etc., mas integrados agora num modelo mais amplo onde a cidadania tenha realmente poder de decisão. Porque a palavra democraciasignifica precisamente poder do povo.

E daí surgem perguntas claras:podemos decidir pessoalmente sobre o tipo de economia que queremos, como gerir os nossos assuntos, participar realmente no nosso bairro, na nossa empresa, no nosso lugar de trabalho, até na nossa vida? De facto, não! Porque têm que ser os institutos políticos coletivos, os partidos, os únicos sujeitos e protagonistas políticos que detêm esse poder? Um poder roubado e que só funciona com a negligência da própria cidadania. Como dizia o filósofo Max Stirner, “existem ricos porque os pobres o permitem”.

Um dos aspetos chaves da nova espiritualidade é a gestão do aqui-e-agora em atenção plena, num processo de maior conscientização e auto-realização pessoal e coletiva. Isto é incompatível com um sistema de minoria de idade política, onde os profissionais decidem sobre o que nos convém, mantendo-nos no infantilismo político.

Não estará a chegar então a hora em que a espiritualidade acompanhe este processo de verdadeira “tomada do poder” por parte da sociedade civil frente à sociedade política formal realmente existente? Ou melhor dito, não estaremos a assistir a um processo em que o poder político volte realmente à própria sociedade civil de onde ele emanou?

Isto exigiria uma cidadania crítica, participativa e ativa disposta a tomar o poder de cada dia nas suas próprias mãos. E isto é um processo multifacetado, paciente e permanente.

Mas será que queremos realmente isto?

Ou preferimos seguir no aburguesamento consumista, alienado e cómodo?

Seria triste que a extrema-direita nos ultrapassasse neste processo de crítica radical do sistema político realmente existente, deixando-nos também infantilizados com pseudo-libertações por meio de espetáculos de nacionalismos irracionais (e anti-históricos), contradições permanentes (tipo Trump) e mentiras cada vez maiores, perante uma cidadania indiferente e apática (fomentado astutamente desde há várias décadas para cá).

Acreditemos nisto: as nossas vidas estão agora nas nossas mãos!

Artigos relacionados

Verão no 7MARGENS

Verão no 7MARGENS

Durante as próximas semanas e até ao início de Setembro o 7MARGENS abrandará ligeiramente o ritmo de publicação. Isto significa, essencialmente, que pode haver dias em que não vai receber a habitual newsletter diária.
Faremos um esforço, de qualquer modo, por manter viva a secção Entre Margens, com opinião de diferentes colaboradores/as, bem como de tentar marcar presença com várias notícias, comentários, reportagens ou entrevistas.

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

A teologia das pedras

A tentação de lançar pedras sobre os outros é sempre maior do que a de nos colocarmos em frente a um espelho. Mas, cada vez que lançamos uma pedra contra alguém, no fundo estamos a magoar-nos a nós mesmos.

Um género de ideologia

Já houve quem escrevesse que a ideologia de género não existe. Já houve quem escrevesse que quem defende a igualdade de género esconde uma ideologia. Falemos, pois, da realidade e avaliemo-la à luz não de uma ideologia, mas de duas: a ideologia da igualdade e a ideologia dos que clamam contra a ideologia de género.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco