No Palácio Galveias, em Lisboa

Uma exposição para conhecer a história da diáspora judaica portuguesa

| 14 Out 2022

cartaz exposicao diaspora judaica portuguesa

Esta é a versão portuguesa da exposição itinerante concebida pela historiadora Livia Parnes para as Éditions Chandeigne, “La Diaspora Juive Portugaise”, e que tem circulado em França com grande sucesso.

Inaugurou esta semana e estará patente até 29 de outubro, na Biblioteca do Palácio Galveias, em Lisboa, a exposição “A Diáspora Judaica Portuguesa”. A iniciativa é da Associação Hagadá e pretende dar visibilidade a um tema desconhecido por muitos, que merecerá destaque no futuro Tikvá Museu Judaico de Lisboa.

A história da diáspora judaica portuguesa no contexto sefardita é contada ao longo de 20 painéis, desde a sua origem, com a conversão forçada dos judeus portugueses em 1497, até ao surgimento de uma forma de pertença coletiva única, designada pelo termo “A Nação”, que perpetua a memória dos vínculos judaicos e portugueses.

Trata-se da versão portuguesa da exposição itinerante concebida pela historiadora Livia Parnes para as Éditions Chandeigne, “La Diaspora Juive Portugaise”, e que tem circulado em França com grande sucesso.

Associado à exposição, cuja entrada e livre, haverá um programa de atividades complementares, sujeitas a inscrição prévia, no qual se incluem um conjunto de visitas orientadas por Margarida Barros, coordenadora do serviço educativo do Tikvá Museu Judaico de Lisboa (nos dias 15, 20, 22, 27, 28 e 29 de outubro),  e a conferência “Judeus de Portugal: uma diáspora fascinante”, pelo investigador José Alberto Tavim (dia 27, pelas 18 horas).

Para mais informações e inscrições, deverá ser utilizado o endereço de e-mail tikva@mjlisboa.com.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This