Uma fé nas margens

| 8 Abr 19

A propósito da apresentação do livro Padres do Deserto – Palavras do Silêncio (ed. UCEditora), que decorre na Universidade Católica, em Lisboa, nesta terça-feira, dia 9, às 18h30, o seu autor, frei Isidro Lamelas, escreve no 7MARGENS sobre o cristianismo como uma fé nas margens, evocando os místicos e eremitas cristãos dos primeiros séculos da história cristã.  

 

O cristianismo é uma fé de fronteira que condiz melhor com as periferias do que com os centros urbanos. Nasceu na periferia e não na capital do império nem em nenhuma outra metrópole candidata a “umbigo do mundo” – na Palestina, terra periférica, tanto no plano político, como económico e cultural. A importância da terra de Jesus e dos Apóstolos era, no contexto do grande império romano, insignificante. Geograficamente demarcada por desertos, a Palestina é, ela própria, uma fronteira natural e terra de trânsito desprezada pelos centros de poder do Império.

Também no contexto do judaísmo, uma religião forte e espalhada por todas as grandes cidades do Império, a fé nascida de Jesus era um “grão de mostarda” insignificante. Jesus de Nazaré e os seus discípulos eram membros de um povo dominado e explorado pela máquina colonial e militar romana, que sonhavam, a partir desta realidade, um mundo e sociedade bem diferentes da que predominava em todo o Império. Por isso mesmo, a mensagem que a partir de Jesus foi proclamada apareceu como séria ameaça para a cidade e o status quo político e social.

Por isso o cristianismo nunca se identificou nem com a polis/civitas nem com qualquer populus, raça ou cultura; mesmo quando reutiliza as mesmas designações das instituições politicas, a mundividência é outra: a ekklesia cristã, por exemplo, embora assumindo o nome da velha ekklesia greco-romana, nunca se identificou com o seu modelo político:

«Os cristãos moram em sua pátria, mas como estrangeiros residentes (p£roikoi).

Participam de todos os deveres, Como cidadãos (pol‹tai),

e tudo suportam como estrangeiros (xšnoi).

Toda a terra é para eles uma pátria e toda a pátria é terra estrangeira» (A Diogneto V).

Um leigo do século II, de nome Hermas, descreve nestes termos a cidadania paradoxal de que fala o anónimo A Diogneto:

«Vós os [cristãos] sabeis que habitais em terra estrangeira, pois a vossa cidade está muito longe desta. Se, por conseguinte, tendes conhecimento da vossa cidade em que ides habitar, porque preparais aqui campos, grandes prédios, edifícios e habitações supérfluas? Realmente quem prepara estas coisas nesta cidade, não espera voltar à sua cidade. Ó homem insensato, cético e miserável! Não vês que todas estas coisas são de país estranho e propriedade de outrem? […] Considera que, habitando em terra estrangeira, nada mais prepares para ti, senão quanto te baste e prepara-te, para que, quando o Senhor desta cidade te quiser expulsar, por não cumprires a sua lei, saias da sua cidade e te dirijas à tua e, com alegria e sem afronta, cumpras a tua lei.» (Hermas,O Pastor, 50)

Esta “distância” voluntária da cidade habitada e governada pelos poderes mundanos; esta separação das águas em que tudo se joga precisamente na linha do confim, sofreu o primeiro grande revés com a “conversão” de Constantino (312). E, não por acaso, é precisamente neste momento revolucionário e crítico da história da Igreja que emerge com toda a força a experiência monástica no seio do cristianismo. De novo Jesus diante de Pilatos, um “Pilatos” que, entretanto, ganhou lugar no Credo católico.

A proposta de Jesus, a que desde cedo se chamou cristianismo, veio da fronteira e é ela mesma uma mensagem de fronteira: na sua crítica social, política e religiosa. Não admira, por isso, que o “lugar” de onde partiu a mensagem deva ser revisitado constantemente. Não espanta, por isso, o lugar que teve o deserto e continua a ter na espiritualidade cristã. Não porque o deserto seja o lugar ideal ou alternativo à cidade, mas porque o Evangelho de Cristo é a verdadeira alternativa.

Santo Antão, pai do monaquismo, chegou a ser repreendido pelo demónio porque, com a sua presença no deserto, ameaçava transformar este em cidade (Vita Antonii, 8,1). Esta é, de facto, a finalidade dos que se retiram para o deserto: transformar toda a terra desabitada em “cidade de Deus”. Porque onde houver homens de Deus, acontece a cidade, a verdadeira sociedade.

As Tentações de Santo Antão (1495-1500), de Hieronymus Bosch, pintura no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa: “Santo Antão, pai do monaquismo, chegou a ser repreendido pelo demónio porque, com a sua presença no deserto, ameaçava transformar este em cidade.”

 
“O princípio de todos os males é a desatenção”

É neste contexto que se entende a fuga mundi proposta pelos “Pais do deserto”:

O Pai Poemen disse ainda:

“A primeira vez, foge; a segunda, foge; a terceira, torna-te uma espada”. (CA, Poemen 140).

No mundo dos homens que tendem a levar demasiado a sério seus planos e “projetos urbanos”, o monge aparece como um aviso profético que aconselha ao distanciamento e a não levar demasiado a sério senão o que é realmente sério: 

Um ancião disse:

“Ou foges realmente dos homens ou, então, faz-te louco, jogando com os homens e com o mundo”. (Guy VIII,31; SC 387, 421. 420).

O pai Or disse:

“Ou foges dos homens ou, então, faz dos homens e do mundo um jogo, fazendo-te passar por louco em muitas coisas”. (CA, Or 14).

Mas, atenção, porque não é o deserto que faz o monge, como bem sabem estes mestres do discernimento e da atenção a si:

O pai Poemen dizia:

“O princípio de todos os males é a desatenção” (Guy II,24; SC 387, 138).

A mãe Sinclética disse:

“Há muitos que vivem no deserto, mas comportam-se como se estivessem na cidade; eles estão a perder o seu tempo. É possível estar a sós na própria mente, mesmo no meio de uma multidão e é possível que um solitário viva entre a multidão de seus próprios pensamentos”. (Guy II,27; SC 387, 138).

A solitudo do deserto não é, por isso, um fim em si mesmo, mas um caminho para a universitas, bem representada pela Igreja sem fronteiras.

“O monge é aquele que está separado de todos e unido a todos. É monge aquele que se considera um com todos, pois tem o hábito de se ver em todos”. (Evágrio, Pequena Filocalia, 124-125).

O deserto torna-se assim condição de hospitalidade e de relações sanadas:

A madre Sara disse:

“Se eu rezar a Deus para que todos estejam contentes comigo, acabarei a fazer penitência à porta de cada um deles. Rezarei antes para que o meu coração seja puro com todos”.(Guy X, 108; SC 474, 86).

É um caminho de sabedoria, também ele quase sempre “marginal” quando os humanos andam demasiados “distraídos” com os “negócios da vida”. Os monges chamavam o seu modo de vida como “filosofia” “amor da sabedoria”, sem mais:

Conta-se que uns filósofos quiseram, um dia, pôr os monges à prova. Perguntaram-lhes:

“Afinal, que fazeis a mais do que nós neste deserto? Vós jejuais, nós também; vós sois continentes, nós também. O que vós fazeis, também nós o fazemos. Que fazeis, pois, a mais, vós que viveis no deserto?”

O ancião respondeu-lhes:

“Esperamos na graça de Deus e vigiamos sobre nós.” (Guy XVI,25; SC 747, 408).

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco