Primeira reacção dos bispos

“Uma ferida aberta que nos dói e nos envergonha”

| 13 Fev 2023

conferencia imprensa jose ornelas sobre relatorio abusos sexuais, foto ecclesiamc

O presidente e os membros do conselho permanente da CEP: “Tolerância zero” para com abusadores, promete o episcopado. Foto Ecclesia/MC

 

Os abusos sexuais cometidos por membros do clero português são “crimes que podem ter estado na origem de dramas e sofrimentos incomensuráveis que marcaram vidas inteiras”, é “uma ferida aberta que nos dói e nos envergonha”, disse o bispo de Leiria-Fátima e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP, José Ornelas, na primeira declaração sobre o relatório da Comissão Independente (CI) para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica em Portugal.

Falando nesta tarde de segunda-feira, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, o presidente da CEP estava acompanhado pelos restantes membros do conselho permanente da CEP, os bispos de Coimbra (vice-presidente), Braga, Évora, Lisboa, Porto e Santarém, além do secretário. Ornelas chegou a emocionar-se quando falou da necessidade de a hierarquia católica se encontrar com as vítimas, escutar as suas histórias e pedir-lhes perdão olhos nos olhos: o perdão “não pode ser simplesmente uma questão de palavras”. Estas “têm o seu lugar, se são autênticas”, disse, respondendo a uma pergunta do 7MARGENS sobre os modos como os bispos podem vir a pedir perdão para além das declarações públicas.

A forma de o fazer está ainda em cima da mesa, para que seja um gesto “comum da Igreja em Portugal”. Na assembleia extraordinária da CEP, de dia 3 de Março, pode ser decidida alguma iniciativa. O bispo confessou já ter falado com várias vítimas: “Sei o que isso significa. São momentos dolorosos mas também libertadores”, quer para a sociedade quer para a Igreja. E acrescentou, dando por instantes lugar à comoção: “Não foram elas [as vítimas] as culpadas disso, não podem viver com essa mácula eterna para a vida.”

Por isso, o bispo Ornelas reafirmou o seu pedido de perdão “a todas as vítimas: às que deram corajosamente o seu testemunho, calado durante tantos anos, e às que ainda convivem com a sua dor no íntimo do coração, sem a partilharem com ninguém”.

Numa declaração inicial lida aos jornalistas, o presidente da CEP assegurou que a CEP irá “analisar detalhadamente o relatório final deste estudo” para depois encontrar “os mecanismos mais eficazes e adequados para fomentar uma maior prevenção e para resolver os possíveis casos que possam ocorrer, com celeridade e respeito pela verdade.” A “tolerância zero” para com os casos de abusos, acrescentou, “tem de ser uma realidade em toda a Igreja e, por isso, não toleraremos abusos nem abusadores” – uma “total contradição” com a identidade e modo de agir da Igreja. E na assembleia de 3 de Março será possível apontar medidas concretas a desenvolver.

 

Agressores serão avaliados

Ilustração do artista TVBoy, sobre os abusos sexuais. Foto: Direitos reservados

 

Já no período de respostas aos jornalistas, o bispo de Leiria-Fátima disse que, depois de analisado o relatório e a lista de nomes que a CI irá ainda entregar à Conferência Episcopal, com os padres agressores que estão ainda no activo. “Temos protocolos” para agir em relação a esses casos, explicou: “Se há denúncia, o bispo deve fazer uma investigação sumária para averiguar a sua plausibilidade. Os casos são depois enviados para a Santa Sé, que tem mecanismos de averiguação”. Ao mesmo tempo, acrescentou, são enviados ao Ministério Público. A mesma lógica será seguida em relação a eventuais casos de encobrimento: “Não antecipo cenários sem saber do que se está a tratar”, afirmou. “Os casos têm de ser confirmados, do ponto de vista de investigação criminal, e este não é um processo acabado, mas apenas iniciado, em boa hora e com competência, pela CI”.

Sobre a próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Lisboa, o presidente da CEP disse que “hoje não se faz nenhum evento para jovens e adolescentes” sem que o tema dos abusos esteja presente. Isso significa que o tema não deixará de ser reflectido na JMJ de Agosto em Portugal.

Na intervenção inicial, o presidente da CEP recordou o processo que levou os bispos a decidir criar a CI, em Novembro de 2021. “Motivou-nos a certeza comum, entre todos os bispos, de que menores e pessoas frágeis têm de sentir protecção e segurança nos ambientes da Igreja Católica, como nos pede insistentemente o Papa Francisco. Hoje, eis-nos chegados à conclusão de uma importante etapa que nos permite conhecer, de forma mais sistematizada, esta dolorosa realidade.”

Ao contrário do que foram as declarações de vários bispos, desvalorizando o fenómeno, o bispo de Leiria-Fátima foi assertivo ao reconhecer que o relatório da CI exprime “uma dura e trágica realidade: “houve, e há, vítimas de abuso sexual provocadas por clérigos e outros agentes pastorais, no âmbito da vida e das atividades da Igreja em Portugal.”

Dirigindo-se às vítimas, o bispo disse ainda: “Nas vossas vidas atravessou-se a perversidade onde não deveria estar. O vosso testemunho é para nós um alerta e um pedido de ajuda a que não queremos nem podemos ficar surdos. Temos consciência de que nada pode reparar o sofrimento e a humilhação que foram provocados, a vós e às vossas famílias, mas estamos disponíveis para vos acolher e acompanhar na superação das feridas que vos foram causadas e na recuperação da vossa dignidade e do vosso futuro.”

Na sua declaração, o bispo falou de “crimes hediondos” e pediu desculpa por a hierarquia da Igreja não ter “sabido criar formas eficazes de escuta e de escrutínio interno” e por nem sempre ter “gerido as situações de forma firme e guiada pela proteção prioritária dos menores”.

José Ornelas agradeceu ainda à CI e ao seu coordenador, Pedro Strecht, mas defendeu que “a vida da Igreja em Portugal não se encerra” na questão dos abusos. “Há muitas pessoas e instituições eclesiais a dedicar-se aos mais frágeis, aos mais necessitados e aos mais pobres, e a realidade dos abusos não pode fazer esquecer o imenso bem, tantas vezes silencioso, de sacerdotes, religiosos/as e leigos/as empenhados em tantas situações, a quem queremos dar uma palavra de conforto e coragem.”

Gostaria, ao terminar, de dirigir uma palavra ao Dr. Pedro Strecht que aceitou o nosso convite e desafio para coordenar este estudo. A ele e à sua equipa, que constituiu de forma totalmente livre e autónoma, agradeço o trabalho desenvolvido ao longo do último ano. A vossa competência, dedicação e profissionalismo permitiram que, dentro do prazo previsto, chegássemos hoje a um conhecimento mais concreto da verdade histórica dos abusos sexuais de menores no seio da Igreja em Portugal.

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This