Uma freira dá voz à metade excluída da Igreja, no meio do Caminho Sinodal católico alemão

| 5 Fev 2021

Philippa Rath, mulheres na IgrejaPara mais uma sessão do “Caminho Sinodal” da Igreja Católica na Alemanha, que decorre desta vez online nestes dias 4 e 5 de fevereiro, muitos dos 230 delegados terão já sobre a mesa o contributo especial de uma das participantes: um livro de Philippa Rath, há mais de 30 anos freira beneditina do convento Santa Hildegard de Bingen, intitulado Weil Gott es so will (“Porque Deus assim quer”) e com o subtítulo “Mulheres falam da sua vocação para diaconisas e sacerdotisas”. O livro foi publicado no início desta semana (segunda, dia 1) na Editorial Herder e tem tudo o necessário para tornar-se um “best-seller”.

Num pequeno vídeo divulgado pela editora, a religiosa, formada em teologia, história e política, conta de onde lhe veio a ideia deste livro. Ao ouvir dois bispos no decurso da primeira assembleia sinodal a comentar entre si que afinal não havia na Igreja mulheres com vocação para os ministérios, encheu-se de vontade de comprovar o contrário. Escreveu a 12 mulheres suas conhecidas e pediu um testemunho. Por sua vez estas contactaram muitas outras. E o resultado é um livro com 150 testemunhos.

“Queria dar voz a todas as mulheres cuja vocação aos ministérios nunca foi sequer sujeita a um discernimento nem muitos menos aceite, mas apenas encarada com desprezo e ironia. Os testemunhos destas mulheres impressionam-me profundamente”, diz a beneditina. “São testemunhos de discriminação e desprezo, e ao mesmo tempo do desejo profundo de participação, corresponsabilidade e igualdade de direitos na Igreja. Mostram também quanta vitalidade, capacidade de proximidade às pessoas e chances de futuro a Igreja teria, se as mulheres tivessem acesso a todos os ministérios na Igreja, também aos ministérios ordenados.”

Philippa Rath afirma-se convencida – assim o afirmava ela no Forum sobre a Mulher, do Caminho Sinodal – de “que a nossa Igreja, tal como ela se apresenta, é uma igreja amputada, porque mais de metade de todos os seus fiéis, nomeadamente as mulheres, estão excluídas dos ministérios ordenados”.

Apesar de algum atraso devido à situação criada pelo vírus SARS-CoV-2, o “Caminho Sinodal” da Igreja alemã prossegue o seu trajecto. Nestes dois dias, a ordem de trabalhos era fazer um ponto de situação, com o relatório dos quatro grupos de trabalho (designados por “Forum”). As decisões são esperadas apenas para a assembleia de setembro próximo, caso seja possível fazer uma sessão com participação presencial.

Os quatro temas deste Caminho Sinodal são o poder e participação na Igreja, sexualidade e amor nas relações humanas, vida sacerdotal e celibato, lugar das mulheres nos serviços e ministérios da Igreja.

SÓ USAR PARA FALAR DO LIVRO - Philppa Rath

A irmã Philppa Rath, autora de “Porque Deus assim quer”. Foto © Verlag Herder

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This