Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

| 29 Mar 19 | Sete Partidas, Últimas

O padre Tony Neves junto à estátua de Nelson Mandela, em Londres, durante a manifestação contra o Brexit, sábado, dia 23. Foto: Direitos reservados.

Deixei Manchester Picaddilly sexta, 22 de março, ao fim da tarde, naquela hora que aqui vão designando como ‘rush hour’ só para assustar quem tem de se fazer à estrada! Nada de especial e, duas horas depois, já estava a cheirar ares mais quentes deste sul britânico.

Acolheu-me na estação de Euston o padre Daniel Adayi, espiritano nigeriano que é o capelão católico do enormíssimo aeroporto de Heathrow. Já lá iremos! Dali rumámos de ‘underground’ até Hounslow Central, onde os Espiritanos animam um paróquia enorme. Lá me esperavam os padres Augustin (nigeriano) e David Sandambongo, jovem angolano que foi meu aluno no Huambo e que tanto insistiu nesta minha visita à capital britânica.

Sábado, após missa que muito me impressionou (uma igreja enorme à pinha de gente), eu e o padre David fomos fazer aquela visita inicial que se impõe a quem chega a Londres: Abadia de Westminster, Catedral católica, Big Ben, Parlamento, rio Tamisa… não é bem o ‘passeio dos tristes’, mas é a voltinha sem a qual ninguém acredita que estiveste em Londres. Carimbei!

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas. Também havia muita gente no local, com dizeres e bandeiras a rondar o tom azul estrelado, como afirmação clara de que não queriam deixar de ser ‘europeus unidos’. A multidão foi-se acumulando, bem como as televisões, todas preparadinhas para directos atrás de directos. Devo confessar que nunca estive em nenhuma manifestação deste tamanho e com tanta civilidade à mistura, até porque também apareceram pessoas a mostrar cartazes a favor do Brexit.

Em suma, fiz um refreshdestes dois meses e meio em Manchester, a ouvir dez vezes ao dia o ‘saio, não saio’ da UE, que as televisões e jornais iam divulgando, sempre com excelentes razões para uma e outra posição assumidas. E, claro, saio de Inglaterra com os ouvidos cheios dos gritos do speakerdo Parlamento: order, order, order!.

As comunidades estrangeiras estão muito preocupadas. Vivi dois meses e meio nas periferias de Manchester, onde a maioria das pessoas da nossa paróquia (Espírito Santo) é de origem estrangeira, sejam africanos, asiáticos ou latino-americanos. Ao chegar a Londres, vivi na Paróquia de S. Miguel e S. Martinho, uma enorme comunidade com mais de quatro mil pessoas a participar nas missas dominicais. Aqui, a maioria dos católicos são de origem indiana (muitos goeses), mas há também outros asiáticos, africanos, latino-americanos e europeus de Leste. As muitas pessoas com quem falei expressaram a angústia do dia seguinte ao Brexit. Têm medo de ser expulsas após o primeiro problema legal que surja, desde a perda de emprego a alguma questão mais de foro jurídico.

Além desta grande paróquia, os Espiritanos asseguram a responsabilidade pastoral do aeroporto de Heathrow onde tive a oportunidade de acompanhar o capelão, celebrar na capela e visitar algumas partes dos cinco grandes terminais. É uma experiência que em Portugal pura e simplesmente não existe, mas ficou-me a convicção de que as pessoas, antes de viajar ou nos intervalos das conexões, podem e devem ser apoiadas espiritualmente. Além de que o aeroporto é uma ‘empresa’ com milhares de funcionários que também podem e devem celebrar a sua fé. E, segundo me confidenciou um dos funcionários presentes na eucaristia, o aeroporto tem milhares de pessoas sempre, dia e noite, e muitas são gente de fé que quer celebrá-la ao domingo.

Saio da Grã-Bretanha sem saber se há Brexitou não. Um confrade meu, escocês, mostrava-se muito agastado com este dossier, pois os escoceses votaram para não sair da UE. Ele está convencido que um eventual Brexitvai levar à independência da Escócia em relação ao Reino Unido. Outro confrade, esse irlandês, estava furioso com o Brexitpois acha que a paz entre as duas Irlandas vai ser posta em xeque com o regresso às velhas e conflituosas fronteiras que foram responsáveis por dezenas e dezenas de mortos num passado não muito antigo.

Esta Grã-Bretanha votou sem perceber o alcance do ‘não’ à UE. Hoje, todos o afirmam, o referendo daria outro resultado. Mas os defensores acérrimos da saída nem quiseram admitir a hipótese de um novo referendo, apelando para a lei que o proíbe. O ‘orgulhosamente sós’ que já fez história noutras terras irá ser favorável aos britânicos?

Tenho muitas dúvidas… mas a história responderá em breve a esta minha pergunta.

Tony Neves é padre católico e responsável do Departamento da Justiça e Paz dos Missionários do Espírito Santo (espiritanos), de cuja congregação é membro.

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco