Uma história de salvação, um núcleo palpitante

| 4 Jan 2022

O Novo Testamento permanece ainda ausente dos ritmos diários dos cristãos. Como se o seu acesso fosse interdito ou reservado pelo receio do encontro com uma linguagem diferente, pela chave de acesso de uma elite de especialistas, ou pelo sentimento de pouca utilidade ou sentido que o texto nos possa proporcionar. A perda é imensa: é o núcleo vital do ser cristão que perde a sua densidade.

Nesta belíssima obra agora disponível, James Dunn – biblista britânico que dedicou a sua vida ao estudo da história do primeiro século do Cristianismo – proporciona ao leitor uma viagem através dos diversos escritos do Novo Testamento, neles buscando os traços da mensagem e da vida de Jesus. 

Graças a uma escrita simples e coloquial, facilmente o leitor se dará conta da imensa riqueza e pluralidade presente nestes breves escritos, entre Evangelhos e Cartas, dando-se conta de que a experiência cristã fala a diversas vozes, unidas nos laços da Última Ceia e do Mandamento Novo. 

O rosto e a identidade de Jesus é-nos assim apresentado como um puzzle contínuo, no qual a junção das diversas peças nos proporciona um acesso à sua história que ilumina e revela a nossa própria vida. Somos assim convidados a conhecer e mergulhar numa história de salvação cujo núcleo palpitante é Jesus de Nazaré, o Ressuscitado; uma história capaz de alimentar o caminho quotidiano e difícil dos discípulos e comunidades de hoje.

“Para os cristãos, claro, uma das características mais notáveis da história de Jesus é que a história ainda não está, de modo algum, terminada. O impacto que Jesus teve, inicialmente, no princípio do primeiro século desta era continua a exercer influência. Hoje, os cristãos proclamam, de modo mais espontâneo, que o impacto de Jesus não é, simplesmente, uma sequência de acontecimentos na história, nem, simplesmente, de ensinamentos dados vinte séculos atrás e com persistentes significado e poder.” 

Jesus Segundo o Novo Testamento, de James Dunn
Edição: Paulus, 2021, 296 pág.
16,50 €

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This