Uma história do universalismo cristão

| 4 Fev 20

The Devil’s Redemption: A New History and Interpretation of Christian Universalism (Baker Academic, 2018) foi classificado em 2018 pelo The Gospel Coalition, uma organização de Igrejas Evangélicas de tendência Reformada, como o Livro de Teologia do ano. O seu autor, Michael James McClymond é um leigo anglicano e professor de Cristianismo Moderno na Universidade Católica de Saint Louis, Estados Unidos. Nesta gigantesca obra crítica de cerca de 1376 páginas e onde examina mais de 130 pensadores, este professor de teologia propõe-se descrever a história da doutrina do Universalismo desde o surgimento dos movimentos gnósticos nos inícios do segundo século até à mais recente proliferação das ideias universalistas que, segundo McClymond, está ameaçando as igrejas cristãs da atualidade.

O Universalismo, longe de ser uma doutrina uniforme, grosso modo teoriza que todos os seres humanos acabarão por ser salvos por Deus. Algumas vertentes do Universalismo sustentam até que o diabo e todos os seus anjos caídos serão eventualmente reconciliados com Deus. O que distingue muitas dessas doutrinas universalistas é o mecanismo pelo qual Deus restaurará todas as coisas: enquanto uns advogam que todos irão diretamente para o céu após a sua morte (os ultra-universalistas), outros defendem uma espécie de purgatório, por onde terão de atravessar um processo de purificação dos seus pecados antes de poderem ascender ao céu.

A tese desta monumental obra pode ser sintetizada essencialmente em dois pontos. Primeiro, a doutrina do Universalismo não surge fruto da reflexão teológica dos primeiros pais da Igreja nem de qualquer cristão, mas foi importada de ideias heréticas gnósticas e que influenciaram posteriormente o pensamento de Orígenes.

Segundo, o ressurgir das ideias universalistas a partir do século XVII é fortemente influenciado pelas ideias esotéricas do filósofo e místico luterano alemão Jacob Böhme, cuja heterodoxia irá influenciar muitas das correntes modernas do pensamento Universalista.

O que o autor pretenderá demonstrar é que, apesar de muitos pensarem que as doutrinas da salvação universal terem tido a aceitação de muitos dos pais da igreja – ideia que ele próprio refuta – as mesmas são antitéticas ao cristianismo ortodoxo. No fundo, esta doutrina de inclusão universal é apresentada pelo próprio autor no prólogo como um cavalo de Tróia que poderá afetar toda e qualquer doutrina acerca de Deus, da humanidade, de Cristo, do pecado, da graça, da salvação e da própria Igreja.

Após discorrer acerca das raízes do Universalismo, de Orígenes e Origenismo, passando pelos pensadores alemães até chegar ao teólogo russo Sergei Bulgakov no século XIX/XX e que ele acredita ter sido influenciado por Jacob Böhme, entra finalmente no pensamento de alguns teólogos do século XX acerca da eleição universal. Debate amplamente sobre o grande teólogo luterano Karl Barth cuja doutrina da eleição universal, além de ser ambígua, acusa de não ter apoio exegético e de ter sido teologicamente desastrosa para o seu próprio pensamento assim como para o desenvolvimento teológico posterior.

Por último, McClymond aborda os grandes teólogos católicos Karl Rahner e Hans Urs von Balthasar e o modo como eles lidam com a questão do Universalismo dentro da própria Igreja. Começa por referir que a Tradição Católica, desde as suas origens, passando pelos grandes pensadores da Igreja como Agostinho, Anselmo, Boaventura, Tomás de Aquino, Belarmino e Newman, foi sempre consistente ao longo dos séculos, no ensino de que o destino da grande maioria da humanidade é a punição eterna no inferno e conforme expressa no Catecismo da Igreja Católica.

A meio do século XX, refere depois o autor, ocorreu uma quebra dessa mesma tradição precipitada primeiramente com o pensamento de Karl Rahner na década de 1970 e cujas teorias, descritas na sua obra “Cristianismo e Religiões Não-Cristãs”, defendem a tese de que as pessoas que nunca ouviram o evangelho cristão podem ser salvas por meio de Cristo se moralmente corretas. Já depois na década de 1980, Hans Urs von Balthasar na sua obra Inferno ou Paraíso – O que podemos esperar? (Univ. Católica Editora, 2012), sugere a esperança de que todos os homens sejam salvos e reconciliados em Cristo.

Esta obra certamente será daquelas que obrigatoriamente deverá existir em qualquer biblioteca dedicada aos estudos teológicos, ainda que se deva ter em atenção que uma análise mais aprofundada ao tema do Universalismo não se poderá nunca esgotar numa leitura definitiva da mesma.

 

The Devil’s Redemption – a new history and interpretation of Christian Universalism, de Michael James McClymond

Ed. Baker Academic, a division of Baker Publishing Group, Grand Rapids, Michigan, USA; 1376 páginas; 2018

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco