Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 8)

Uma Igreja transparente, na busca inquieta de Deus

| 10 Abr 2023

O catolicismo vive uma crise profunda, apesar de continuar a ser para muitas pessoas um espaço vital de busca de sentido e experiência de fraternidade. As situações de abusos de poder e violências sexuais vieram evidenciar problemas sistémicos. Em Portugal, depois de terem criado uma Comissão Independente (CI) para estudar os abusos sexuais sobre crianças, os bispos ficaram na indefinição sobre o que fazer com o panorama posto a nu pelo relatório da CI. Perante a perplexidade que tomou conta da sociedade e de muitos crentes, o 7MARGENS convidou católicos a partilhar leituras da situação e propor caminhos de futuro, a partir de três perguntas:

  1. Quais são os pontos que considera centrais nas medidas a assumir agora pela Igreja, para ser fiel ao Evangelho e ser testemunho de Jesus Cristo na sociedade? A quem cabe concretizar e liderar a aplicação de tais medidas?
  2. Considera que faria sentido que os batizados se encontrassem e se escutassem sobre essas tarefas e desafios que se colocam à comunidade eclesial, a nível diocesano e/ou nacional? Como? De que formas?
  3. Que contributo(s) estaria disposto a dar para que a Igreja, os católicos e as suas comunidades adotem um caminho centrado no Evangelho em ordem a superar a prática de abusos?

 

 Respostas de uma católica inquieta


Nesta oitava resposta, Teresa Vasconcelos admite a dificuldade de responder a estas perguntas pelo
cepticismo e descrença de que alguma coisa venha a mudar. Apesar disso, propõe uma série de caminhos de renovação inspirados no Concílio Vaticano II.

Abusos

“De momento, se a Igreja quer ser testemunho na sociedade, deve assumir o seu pecado (nomeadamente em relação aos abusos de crianças) e, reconhecendo a culpa, tenha a humildade de pedir perdão, proteger as vítimas e ajudá-las a superar as suas terríveis experiências, numa atitude de contrição, generosidade, justiça e compromisso.” Foto © Kat J / Unsplash

 

1. A Igreja tem de regressar ao compromisso primeiro com o Evangelho despindo-se das cúrias, dos enfeites, de um centralismo patriarcal, com sacerdotes e bispos carreiristas e burocratas… Que a Igreja deixe de ser um reino medieval e se torne “serva e pobre” por parte da hierarquia, dos ministros, dos e das leigas. Todos somos sacerdotes pelo batismo. A Igreja tem de aprender a funcionar “de baixo para cima”, na certeza de que não sei bem o que significa este “para cima”. Estamos todos uns ao lado dos outros nesta busca inquieta de Deus.

De momento, se a Igreja quer ser testemunho na sociedade, deve assumir o seu pecado (nomeadamente em relação aos abusos de crianças) e, reconhecendo a culpa, tenha a humildade de pedir perdão, proteger as vítimas e ajudá-las a superar as suas terríveis experiências, numa atitude de contrição, generosidade, justiça e compromisso.

Muito se tem dito sobre as mulheres e a Igreja. É preciso que elas estejam em paridade com os homens, ultrapassando a misoginia de que têm sido vítimas. Todos – homens e mulheres – devem aprender uma visão verdadeiramente antropológica e não idealizada da mulher. Acesso ao sacerdócio? Sim, desde que o sacerdócio seja radicalmente diferente, que aprenda com a forma de ser e estar das mulheres e que estas não se deixem tentar por valores tradicionalmente “masculinos” (poder, dinheiro, burocracia, domínio), que sejam profundamente livres e não hierárquicas, verdadeiramente “servas e pobres”.  Que sejam muitos os homens a aprender a ser assim – que já os há, graças a Deus! Nesta paridade – que deverá ser literalmente também em número de homens e mulheres e não em meras “amostras” – a Igreja poderá centrar-se em valores do cuidado, da escuta, indo à raiz do que é ser discípulo ou discípula de Cristo.

Finalmente, é urgente uma renovação completa dos seminários. Que neles se faça uma formação no mundo e para o mundo. Em coeducação. Com mulheres como professoras. Que deixe de haver seminários “menores” num tempo em que os jovens ainda são atravessados por uma adolescência frequentemente problemática. Que os candidatos ao sacerdócio vivam a sua juventude cá fora, no mundo, entre raparigas e rapazes, que estudem, que riam e chorem, que sejam acompanhados psicológica e espiritualmente nas suas dúvidas e escolhas, numa revisão de vida e num caminho de discernimento. Que o fantasma da sexualidade não resolvida não os atormente, numa “des-sexualização da moral católica” para todos (consagrados e leigos). Como temos vindo a insistir, que o celibato sacerdotal seja opcional e não imposto.

2. Sim, é óbvio. Somos todos batizados, somos todos sacerdotes. O caminho sinodal tem sido exemplo disso. Mas que este caminho sinodal não termine com a assembleia final dos bispos (2024), que não deixe de ser sempre caminho, diálogo, serviço aos pobres e “descartados”, simplicidade de vida, solidariedade profunda (Fratelli Tutti). Que seja contrapoder, escuta atenta e profunda, ousando tomar a palavra para denunciar toda e qualquer injustiça. Um grito colectivo e não de apenas de alguns “iluminados”. Que seja poder com: um grito do povo de Deus nos seus diferentes contextos que seja escutado por quem assumiu responsabilidades eclesiásticas e se queira tornar verdadeiramente pastor. Que seja transparente. Pondo fim ao clericalismo e à exclusão de muitos. Que haja muitos grupos com afinidades diversificadas e não apenas paróquias, que haja um verdadeiro catecumenato, que se estude a Bíblia em lectio divina, que se preparem liturgias de forma colectiva, jorrando criatividade, alegria e estética. Que tudo isto se passe numa “dolorosa presença ao mundo”.

3. Porque é que me terá custado tanto escrever este texto? Porque há em mim um movimento de cepticismo e descrença de que alguma coisa venha a mudar. As forças e as dinâmicas dentro da Igreja são poderosas e contraditórias. Tenho feito tanta coisa, tenho estado presente em tantos lugares, espaços, movimentos… e o desejo de dar o meu contributo cansa-se.

Na minha juventude abandonei a Igreja Católica porque, depois da primavera que foi o Vaticano II, senti como uma bofetada a encíclica Humane Vitae. Bati com a porta. A descoberta do Movimento do Graal ajudou-me a experimentar o que é ser Igreja de uma forma nova, mais perto das raízes de um cristianismo inscrito na sociedade em que vivemos… e regressei. Mas também porque experimentei que Jesus Cristo não quis desistir de mim.

Mas se o meu cepticismo permanecer, já será tarde para abandonar tudo novamente. Dedicar-me-ei então a uma oração atenta, silenciosa e transformadora. Com e em Cristo Jesus no profundo desejo de mergulhar em Deus. Um Deus “caminhando na brisa da tarde”. Esse o meu anseio mais profundo.

 

Teresa Vasconcelos é professora do Ensino Superior (aposentada) e participante do Movimento do Graal. Foi membro da Comissão Nacional Justiça e Paz.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This