Uma janela

| 27 Abr 2023

Paisagem Berlim

“As estações demoram-se nas folhas, nas suas cores ou na sua completa ausência. Esta janela lembra-me sempre uma família muito querida que vive em Lisboa e que também tem janelas-árvores.” Foto © Inês Patrício

 

Uma janela, na nossa casa, lembra-me sempre que o tempo não passa tão depressa como parece. As estações demoram-se nas folhas, nas suas cores ou na sua completa ausência. Esta janela lembra-me sempre uma família muito querida que vive em Lisboa e que também tem janelas-árvores.

Esta janela lembra-me, especialmente no inverno, que para lá das árvores e das estações, existem pequenas casas-contentores, todas semelhantes, com gente deslocada, provavelmente à espera de uma casa-casa, de uma vida melhor. Gente de quem nada sei.

Desde que nos mudámos para Berlim que ouvimos as crianças a brincar ali. As crianças são quem nos diz, mais claramente, que somos todos muito mais iguais do que às vezes nos dá para pensar. No Inverno vemos, com o cair das folhas, um pouco mais. Exteriormente a vida passa-se como em qualquer outro conjunto de casas. Mas não são um conjunto qualquer de casas, sabemos. Casas temporárias para pessoas deslocadas. Muitos refugiados. Quantas histórias? Lemos que, inicialmente, ali estava previsto ficarem dois anos, depois seria contruído um centro escolar. Os dois anos, claro, foram-se tornando em mais

Penso muitas vezes nas mulheres. Porque quando um dos pais não trabalha, as crianças só recebem o apoio, normal da cidade, para ir para um infantário, a partir dos três anos. Facilmente se gera um ciclo em que as mulheres vão ficando em casa, com os filhos, tornando ainda mais difícil a aprendizagem da língua e a obtenção de um trabalho. Conheço uma professora que ensina alemão a estas mulheres, os filhos pequenos também estão na aula. É tudo mais lento, há muita frustração e muitas dificuldades. Dói-lhe, mas ela insiste. Que outra hipótese terão aquelas mulheres?

Àquela janela muitas vezes pensei: como seria bom ver isto ser desmontado, ser construída uma escola. Nesse dia, se ainda aqui estiver, ficarei feliz. As diversas “crises” de refugiados estarão saradas. As pessoas estarão bem, em segurança, onde escolherem viver. Aqui, nos seus países, onde for. Elas estarão bem.

Agora estranhei. Tudo muito quieto. Ninguém. Alguns móveis cá fora. Fui pesquisar. Uns dias depois as máquinas chegaram e confirmaram o que eu tinha lido. Pessoas realocadas, campo desmontado. Será construída a escola. Entristeci-me. Como poderia ser? Não é nada do que eu tinha imaginado. Bem sabemos que nada está resolvido, bem sabemos que cada vez há mais gente a chegar. Onde foram as pessoas? Provavelmente para algum sítio mais longe, mais escondido, onde o chão não seja desejado, não esteja planeado, para nós, os que neste tempo temos sorte.

Aquelas pessoas foram embora. Gente de quem nada sei.

Esta janela lembra-me esta, e outras, ignorâncias minhas.

 

Inês Patrício é médica, vive em Berlim com o marido de olhos de mar e uma filha solar.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This