Uma “Noite de fé fora de casa” para pôr 1400 jovens a ganhar inspiração e questionar porquês

| 15 Fev 20

Cartaz da “Faith’s Night Out” Lisboa 2020

 

A fé cristã não deve ser traduzida apenas, pelos católicos, em “ir à missa ou participar em celebrações religiosas”, mas antes, a partir da inspiração que uma iniciativa como esta pode dar, “questionar os porquês, de modo a desconstruir e reconstruir de novo para ter uma fé reforçada.

Pedro Furtado de Mendonça, 23 anos, há ano e meio a trabalhar como gestor de projectos na NovaSBE (a faculdade de economia da Universidade Nova de Lisboa), onde fez a licenciatura em Gestão, explica assim o objectivo do encontro/conferência “Faith’s Night Out”. A iniciativa, promovida pelas Equipas de Jovens de Nossa Senhora (EJNS), decorre a partir das 19h deste sábado, 15 de Fevereiro, no Centro de Congressos de Lisboa.

Pedro Mendonça, que integra a equipa de organização, recorda que o encontro teve a primeira edição em 2013, com uma participação que estabilizou nas 1400 pessoas – o número de lugares disponíveis.  Para assistir a uma dúzia de curtas conferências de sete minutos e dois momentos musicais, os interessados pagam um bilhete entre 14 e 17 euros. No ano passado, o dinheiro destinou-se a apoiar as EJNS da Síria, neste ano é para custear as despesas de organização e apoiar a ida de representantes do movimento católico ao encontro internacional da organização.

“Trata-se de actualizar o modelo de conferências sobre a fé, para jovens”, diz, sobre o método: cada conferencista tem sete minutos para desenvolver um tema a partir de uma ideia base que dá o mote a cada encontro – este ano, “a idade dos porquês”. Daí a escolha de uma forma “dinâmica e actual”, com uma “noite descontraída”, que inclui um jantar volante, à volta de vários “testemunhos inspiradores para a fé”.

Um dos momentos artísticos da edição de 2019 do FNO, em Lisboa. Foto © Francisco Condado

 

Da ecologia ao humor de Deus

Entre os convidados desta sétima edição, estão professores universitários, um apresentador de rádio, um militar, o bispo Américo Aguiar, a apresentadora de televisão Fátima Lopes e, ainda, Ricardo Zózimo, professor universitário e membro do comité organizador do encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá em Assis, no final de Março.

A lista de temas inclui, além da questão da ecologia, a abordar por Zózimo, também a questão da guerra, do humor de Deus, da saúde, das notícias falsas, o mal ou a diversidade.

Quase não há temas que estabeleçam a relação entre a fé e questões sociais ou políticas, mas Pedro Mendonça diz que isso tem a ver com o perfil dos convidados e a respectiva escolha de temas. “Faz todo o sentido” ter também essa abordagem, que já esteve presente noutros anos, diz, com temas como a experiência política, a caridade ou a missão. “O que importa é que as conferências sejam uma inspiração que leve à acção.”

Pessoalmente, Pedro Furtado de Mendonça está com expectativas em relação ao tema da ecologia. “É uma questão muito actual e é importante despertar os jovens para esta realidade, mesmo dentro da Igreja”, diz. E confessa que, no seu trabalho na área da economia e gestão, sente muitas vezes, “sem dúvidas, muitos conflitos” entre o que diz o pensamento social católico – e, concretamente, muitas afirmações do Papa Francisco – e aquilo que se pede no mundo económico.

“É importante pensar como é que a economia ou uma empesa podem desenvolver uma economia mais centrada nas pessoas”, afirma. “Não é fácil”, admite, mas também por isso participará no encontro de Assis.

As EJNS são um movimento católico de jovens entre os 16 e os 26 anos, surgido em 1976, dedicado ao encontro e formação religiosa dos seus membros.

Além dos mais de 1400 lugares esgotados em Lisboa, desde 2017, o “Faith’s Night Out” foi reproduzido, em 2018, no Porto e em São Paulo (Brasil) e, no ano passado, também em Évora, atingindo no total mais de três mil participantes. Nota marginal: e porquê o nome em inglês (que significa algo como “uma noite de fé fora de casa”), reflexo de uma tendência que, também em iniciativas religiosas, vai ganhando terreno em detrimento do português? Pedro Mendonça diz que a inspiração foi a Fashion Night Out, uma iniciativa sobre moda realizada em Lisboa. Agora, diz, é difícil mudar o nome. Caso para dizer que a moda também pode “influenciar” a fé…

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais novidade

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco