Uma obra que fazia falta

| 10 Set 20

A sessão de apresentação do livro pode ser seguida através do YouTube (ver texto).

Dois anos após a sua publicação, a exortação Amoris laetitia permanece como um dos documentos mais significativos do magistério de Papa Francisco. A “redução” da mensagem da exortação à questão sobre o acesso de católicos divorciados à comunhão eucarística (ainda que uma questão profundamente vital) contribuiu de certo modo para a criação de um ambiente de polémica em torno ao documento, distraindo o público daquele que seria o seu contributo mais fundamental: uma redescoberta do sentido e do valor do sacramento do matrimónio, num exercício marcante da teologia católica e, ao mesmo tempo, dirigido a todos os crentes e não apenas aos pastores, teólogos e canonistas.

Neste sentido, esta obra, sobre coordenação do atual provincial dos jesuítas em Portugal, procura trazer de novo para o espaço público a discussão e o aprofundamento da mensagem de Amoris laetitia. Reunindo 12 artigos de teólogos de diversos espaços geográficos internacionais (alguns dos quais já traduzidos entre nós, como António Spadaro ou Stella Morra) e sob diversas perspetivas da teologia – pastoral, moral ou dogmática – Alegria e Misericórdia condensa, nestas duas palavras plenas de significado, aquela que é a teologia do Papa Francisco para as famílias. Todos os autores aqui reunidos se unem em considerar a Amoris laetitia como uma nova etapa da visão católica sobre a família e o matrimónio, uma etapa que ainda está a viver as suas dores de parto e que se prolongará ao longo do futuro. Como refere D. António Marto no prefácio à obra, “[A Amoris laetitia] constitui a Magna Carta da pastoral familiar para o próximo futuro”.

Todos os artigos conduzem o leitor a regressar ao contacto com a Amoris laetitia, seja destacando a sua novidade, a sua fidelidade à tradição católica numa perspetiva de atualização no espírito do Vaticano II, ou as suas pistas e desafios pastorais assentes agora no acompanhamento, respeito pela história de cada pessoa e de cada casal e atenção aos processos pessoais de discernimento (ao invés de uma pastoral assente na mera aplicação de uma norma objetiva, resultando na categorização dos crentes). Enquanto alguns dos artigos se concentram numa leitura da exortação à luz da história da teologia moral e do magistério católico, outros procuram pistas pastorais para o acolhimento da mesma.

O capítulo VIII da Amoris laetitia (no qual se reflete sobre as situações de fragilidade e rutura do matrimónio) encontra particular relevância na abordagem dos artigos, indo ao encontro da realidade humana complexa mais do que a um ideal abstrato sobre o matrimónio. Curiosamente, estudando toda a história da teologia católica desde os seus inícios, passando pela Idade Média (e não apenas no magistério católico do século XX), é possível entender como a visão cristã do matrimónio sempre foi permeada pela sensibilidade ao meio social e à condição frágil da vida humana.

Aliando esta leituras às condições de vida atuais e à compreensão que o ser humano tem de si mesmo, resulta a certeza de que também projetos de vida construídos em segundas núpcias contêm em si a bênção divina e podem ser sinal da misericórdia revelada no Evangelho, alimentados pelos sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia. Se já o sabíamos, pela leitura desta obra – que fazia falta no nosso contexto eclesial –, melhor compreenderemos o seu porquê e o seu significado.

 

O livro Alegria e Misericórdia – A teologia do Papa Francisco para as famílias será apresentado na Brotéria, em Lisboa, nesta sexta-feira, 11 de setembro, às 18h30, num(a sessão com a participação do padre Miguel Almeida, sj (coordenador da obra) e dos casais Ana Cordovil e Jorge Wemans, e Teresa e Bernardo Cunha Ferreira; as inscrições para a sessão estão esgotadas, mas é possível seguir a sessão através do YouTube.

(Sobre este livro, o 7MARGENS publicou já um texto de Jorge Wemans)

 

Alegria e Misericórdia – A teologia de Papa Francisco para as famílias
Miguel Almeida, SJ (coordenação); textos de: Andrea Grillo; Antonio Autiero; Antonio Spadaro, sj; Austen Ivereigh; Conor M. Kelly; Irene Guia, aci; James F. Keenan, sj; Julie Hanlon Rubio, Miguel Almeida, sj; Pablo Guerrero Rodriguez, sj; Philippe Bordeyne; Stella Morra.
Editorial Frente e Verso, 310 páginas; preço: €14,00; 1ª edição: julho de 2020.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Monumento e jardim aberto ao público

Capela dos Coimbras, aberta ao público, quer ser “ex-líbris” de Braga novidade

A capela privada mais antiga de Braga, localizada no centro histórico da cidade e que está classificada como monumento nacional, abriu ao público esta quarta-feira, 28 de julho. Os seus proprietários querem torná-la um ponto de paragem obrigatório de Braga, “quer pelo valor patrimonial e artístico que encerra, quer pelo seu jardim com esplanada, onde a partir de agora é possível usufruir do espaço, assistir a concertos e outras iniciativas culturais ou tomar alguma refeição ligeira.

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This