Cantora brasileira morreu aos 75 anos

Uma oração de Rita Lee

| 9 Mai 2023

Rita Lee

Rita Lee ao vivo em Araçatuba no dia 23 de maio de 2009 Foto © Marco Senche / Wikimedia Commons

 

Há muitos anos, já não sei bem quando, comecei a ouvir Baila Comigo, de Rita Lee, como uma oração. Para mim é claro que a expressão “se Deus quiser”, com que a canção começa e se torna bordão a abrir algumas das estrofes, não é um mero coloquialismo e que essa evocação do divino acaba por contaminar todo o texto. Trata-se de um poema cheio de evocações da morte, mas sempre numa perspectiva da alegria e da felicidade. Como não associar o “eterno domingo” ou “na Primavera […] brotar da terra” à ressurreição cristã? Como não pensar naquele “esconderijo” como uma referência ao recolhimento que todas as grandes tradições religiosas exaltam como via para a paz interior?

Mas a grande força da canção é o baile e os banhos de sol. Como na tribo, com o desejo de ser índio afirmado logo de início. Ou seja, um mergulho nesse mar profano a que o Ocidente convencionou chamar de pagão, com suas práticas fora das normas. A chave para perceber isto pode estar num outro êxito, muitos anos posterior, onde a cantora faz um exercício quase heraclitiano de aparentes opostos, dualmente conotados com “amor e sexo”. “Amor é cristão/ Sexo é pagão […] Amor é divino/ Sexo é animal” ­– nesta lógica, amor e sexo, tal como os seus atributos, não se opõem mas complementam-se.

Para mim, a alegria contagiante de Rita Lee transborda de esperança. Uma esperança que, independentemente dos formalismos teológicos com que possam colidir, não consigo deixar de associar à Esperança cristã em que creio. E é essa Esperança que agora me faz imaginar a rainha do rock brasileiro a entrar “de camarote” na glória de Deus.

 

Rui Almeida é poeta

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This