Uma Páscoa judaico-cristã em Castelo de Vide

| 16 Abr 19 | Destaques, Igreja Católica, Judaísmo, Newsletter, Últimas

Comprados pela manhã, os cordeiros são, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue é benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores. Foto © Hélder Ferreira

 

Naquela tarde, a imagem da Senhora da Soledade que seguia na procissão de Sexta-Feira Santa, carcomida pelo caruncho de séculos, desmoronou-se e caiu, estatelando-se pelo chão fora. Um clamor de piedade perpassou pelo povo crente e pelos turistas, que sempre acodem em grande número às festas da Páscoa, em Castelo de Vide.

Apesar do incidente, que poderia lançar presságios de tempos de vingança divina – uma teoria obsoleta sem qualquer consistência teológica – depressa chegou o ansiado Sábado de Aleluia.

Em Sexta-Feira Santa, guardam-se, nesta vila, o jejum e a abstinência, como mandam as leis da Igreja Católica. Os únicos sacrificados naquela noite de mau agoiro foram os peixes do rio Sever, envolvidos numas saborosas migas, originárias deste Alto Alentejo. Pela manhã de sábado, ouviam-se já, junto à igreja matriz, os balidos ternurentos e inseguros dos cordeiros, apertados no atrelado de um velho camião.

Esperavam-se as “bendições” do pároco a presidir à liturgia pascal, que haveriam de chegar em meio de uma chuva impenitente. Começavam, assim, nesta vila notável de quatro mil habitantes, as notas de um ritual a aproximar os costumes judaicos, expressos ao longo de mais de 500 anos de história em comunidades de cristãos-novos, foragidos à perseguição que se fazia sentir do outro lado da fronteira: comprados pela manhã, os cordeiros eram, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue era também benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores.

 

“Ver aparecer o Aleluia”…

“Uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. Foto © Hélder Ferreira

 

Há colchas nas janelas, na praça central. Ao cair da noite, agita-se o povo, em volta da igreja, à espera que se dê início à vigília de ”ver aparecer o Aleluia”.

E não se esquecem os chocalhos que os animais usam nas lides agrícolas. Quando o celebrante, de paramentos brancos, entoa o canto do Glória, uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. A primeira refrega sonora numa noite que há-de ver fim, sem stress, lá pela madrugada, regada com vinho da região. O gesto da paz que se propõe aos crentes dentro da missa é levado, como nunca, a sério, com promessas de perdões mútuos.

A explosão de alegria que ali é produzida, na noite de Sábado Santo, estende-se até ao Domingo de Páscoa. De tarde, a procissão da Páscoa ocupa lugar de grande solenidade. Será momento único no país. O poder civil toma dianteira ao poder religioso e, com todas as forças vivas da vila, juntos, percorrem de pendões e estandartes nas mãos, as ruas animadas pelas desempoeiradas fanfarras.

Ao toque dos sinos da igreja, e dos que o edifício da Câmara Municipal também possui, apresentam-se, oficialmente, a todos, os cumprimentos de boas festas pascais.

 

Há 44 anos foi o tumulto…

A memória é-me trazida pelo comendador Carolino Tapadejo, de 71 anos, provedor da Misericórdia e antigo autarca de Castelo de Vide. No país, corriam os dias exaltados do pós-25 de Abril de 1974…

Não cuidando o pároco de acordar com o povo as alterações que decidira introduzir no começo das  cerimónias litúrgicas – a democracia dava ainda poucos sinais de vida –, houve uma reação tal entre os forasteiros daquela Páscoa judaico-cristã que os tumultos, a vozearia e as agressões não se extinguiram por longos minutos, querendo, os mais inflamados, dependurar o padre, numa árvore, com um cinto de calças mais abonado.

Foi necessário recorrer ao então Copcon, as forças militares anti-motim organizadas por Otelo Saraiva de Carvalho, para que a acalmia descesse ao povoado. Ficou, assim, a noite de “ver aparecer o Aleluia” daquele ano, encalhada na disputa entre o poder religioso e a agitação política reinantes.

Em cada ano, entretanto, regressam os sinais do tempo e da fé que repõem, nesta terra de judeus e cristãos, os ventos de uma história multicultural.

 

(Este texto é inspirado na reportagem de rádio sobre a Páscoa judaico-cristã realizada em Castelo de Vide e disponível aqui).

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Tem graça: ainda vou à missa! novidade

Tem graça: ainda vou à missa! É o que fico a pensar, depois de ouvir certas conversas… Por isso, apreciei muito a sugestão do Conselho Diocesano de Pastoral, de Aveiro: «escutar as pessoas sem medo do que disserem». Mas… E se as pessoas têm medo de dizer o que lhes vai na alma? E não seria igualmente importante perguntar «Por que é que vai à missa»?

O elogio da frugalidade – por um Natal não consumista novidade

O livro do sociólogo e filósofo francês Jean Baudrillard, Le Système des Objets[1], é uma reflexão sobre a sucessão de objectos de vária ordem, que se produzem a um ritmo acelerado nas civilizações urbanas. Interessa-lhe sobretudo o tipo de relação que os consumidores estabelecem com essa avalanche de gadgets, de aparelhos e de produtos de várias espécies. Ao relê-lo para efeitos de um trabalho académico, encontrei algumas páginas que me levaram a pensar nesta fase de consumismo desenfreado que, quer queiramos ou não, nos acompanha na época do Natal.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença novidade

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco