Uma Páscoa judaico-cristã em Castelo de Vide

| 16 Abr 19 | Destaques, Igreja Católica, Judaísmo, Newsletter, Últimas

Comprados pela manhã, os cordeiros são, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue é benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores. Foto © Hélder Ferreira

 

Naquela tarde, a imagem da Senhora da Soledade que seguia na procissão de Sexta-Feira Santa, carcomida pelo caruncho de séculos, desmoronou-se e caiu, estatelando-se pelo chão fora. Um clamor de piedade perpassou pelo povo crente e pelos turistas, que sempre acodem em grande número às festas da Páscoa, em Castelo de Vide.

Apesar do incidente, que poderia lançar presságios de tempos de vingança divina – uma teoria obsoleta sem qualquer consistência teológica – depressa chegou o ansiado Sábado de Aleluia.

Em Sexta-Feira Santa, guardam-se, nesta vila, o jejum e a abstinência, como mandam as leis da Igreja Católica. Os únicos sacrificados naquela noite de mau agoiro foram os peixes do rio Sever, envolvidos numas saborosas migas, originárias deste Alto Alentejo. Pela manhã de sábado, ouviam-se já, junto à igreja matriz, os balidos ternurentos e inseguros dos cordeiros, apertados no atrelado de um velho camião.

Esperavam-se as “bendições” do pároco a presidir à liturgia pascal, que haveriam de chegar em meio de uma chuva impenitente. Começavam, assim, nesta vila notável de quatro mil habitantes, as notas de um ritual a aproximar os costumes judaicos, expressos ao longo de mais de 500 anos de história em comunidades de cristãos-novos, foragidos à perseguição que se fazia sentir do outro lado da fronteira: comprados pela manhã, os cordeiros eram, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue era também benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores.

 

“Ver aparecer o Aleluia”…

“Uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. Foto © Hélder Ferreira

 

Há colchas nas janelas, na praça central. Ao cair da noite, agita-se o povo, em volta da igreja, à espera que se dê início à vigília de ”ver aparecer o Aleluia”.

E não se esquecem os chocalhos que os animais usam nas lides agrícolas. Quando o celebrante, de paramentos brancos, entoa o canto do Glória, uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. A primeira refrega sonora numa noite que há-de ver fim, sem stress, lá pela madrugada, regada com vinho da região. O gesto da paz que se propõe aos crentes dentro da missa é levado, como nunca, a sério, com promessas de perdões mútuos.

A explosão de alegria que ali é produzida, na noite de Sábado Santo, estende-se até ao Domingo de Páscoa. De tarde, a procissão da Páscoa ocupa lugar de grande solenidade. Será momento único no país. O poder civil toma dianteira ao poder religioso e, com todas as forças vivas da vila, juntos, percorrem de pendões e estandartes nas mãos, as ruas animadas pelas desempoeiradas fanfarras.

Ao toque dos sinos da igreja, e dos que o edifício da Câmara Municipal também possui, apresentam-se, oficialmente, a todos, os cumprimentos de boas festas pascais.

 

Há 44 anos foi o tumulto…

A memória é-me trazida pelo comendador Carolino Tapadejo, de 71 anos, provedor da Misericórdia e antigo autarca de Castelo de Vide. No país, corriam os dias exaltados do pós-25 de Abril de 1974…

Não cuidando o pároco de acordar com o povo as alterações que decidira introduzir no começo das  cerimónias litúrgicas – a democracia dava ainda poucos sinais de vida –, houve uma reação tal entre os forasteiros daquela Páscoa judaico-cristã que os tumultos, a vozearia e as agressões não se extinguiram por longos minutos, querendo, os mais inflamados, dependurar o padre, numa árvore, com um cinto de calças mais abonado.

Foi necessário recorrer ao então Copcon, as forças militares anti-motim organizadas por Otelo Saraiva de Carvalho, para que a acalmia descesse ao povoado. Ficou, assim, a noite de “ver aparecer o Aleluia” daquele ano, encalhada na disputa entre o poder religioso e a agitação política reinantes.

Em cada ano, entretanto, regressam os sinais do tempo e da fé que repõem, nesta terra de judeus e cristãos, os ventos de uma história multicultural.

 

(Este texto é inspirado na reportagem de rádio sobre a Páscoa judaico-cristã realizada em Castelo de Vide e disponível aqui).

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco