Uma Páscoa judaico-cristã em Castelo de Vide

| 16 Abr 19 | Destaques, Igreja Católica, Judaísmo, Newsletter, Últimas

Comprados pela manhã, os cordeiros são, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue é benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores. Foto © Hélder Ferreira

 

Naquela tarde, a imagem da Senhora da Soledade que seguia na procissão de Sexta-Feira Santa, carcomida pelo caruncho de séculos, desmoronou-se e caiu, estatelando-se pelo chão fora. Um clamor de piedade perpassou pelo povo crente e pelos turistas, que sempre acodem em grande número às festas da Páscoa, em Castelo de Vide.

Apesar do incidente, que poderia lançar presságios de tempos de vingança divina – uma teoria obsoleta sem qualquer consistência teológica – depressa chegou o ansiado Sábado de Aleluia.

Em Sexta-Feira Santa, guardam-se, nesta vila, o jejum e a abstinência, como mandam as leis da Igreja Católica. Os únicos sacrificados naquela noite de mau agoiro foram os peixes do rio Sever, envolvidos numas saborosas migas, originárias deste Alto Alentejo. Pela manhã de sábado, ouviam-se já, junto à igreja matriz, os balidos ternurentos e inseguros dos cordeiros, apertados no atrelado de um velho camião.

Esperavam-se as “bendições” do pároco a presidir à liturgia pascal, que haveriam de chegar em meio de uma chuva impenitente. Começavam, assim, nesta vila notável de quatro mil habitantes, as notas de um ritual a aproximar os costumes judaicos, expressos ao longo de mais de 500 anos de história em comunidades de cristãos-novos, foragidos à perseguição que se fazia sentir do outro lado da fronteira: comprados pela manhã, os cordeiros eram, de imediato, mortos às portas de casa. O sangue era também benzido em forma de cruz, sendo as peles e as vísceras menos nobres dos animais remetidos para a cozinha, para acudirem ao sarapatel, a iguaria que os castelvidenses mais apreciam nesta Festa das Flores.

 

“Ver aparecer o Aleluia”…

“Uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. Foto © Hélder Ferreira

 

Há colchas nas janelas, na praça central. Ao cair da noite, agita-se o povo, em volta da igreja, à espera que se dê início à vigília de ”ver aparecer o Aleluia”.

E não se esquecem os chocalhos que os animais usam nas lides agrícolas. Quando o celebrante, de paramentos brancos, entoa o canto do Glória, uma cascata de sons de chocalhos irrompe, então, em competição com as vozes e os acordes das bandas, num ruído ensurdecedor. A primeira refrega sonora numa noite que há-de ver fim, sem stress, lá pela madrugada, regada com vinho da região. O gesto da paz que se propõe aos crentes dentro da missa é levado, como nunca, a sério, com promessas de perdões mútuos.

A explosão de alegria que ali é produzida, na noite de Sábado Santo, estende-se até ao Domingo de Páscoa. De tarde, a procissão da Páscoa ocupa lugar de grande solenidade. Será momento único no país. O poder civil toma dianteira ao poder religioso e, com todas as forças vivas da vila, juntos, percorrem de pendões e estandartes nas mãos, as ruas animadas pelas desempoeiradas fanfarras.

Ao toque dos sinos da igreja, e dos que o edifício da Câmara Municipal também possui, apresentam-se, oficialmente, a todos, os cumprimentos de boas festas pascais.

 

Há 44 anos foi o tumulto…

A memória é-me trazida pelo comendador Carolino Tapadejo, de 71 anos, provedor da Misericórdia e antigo autarca de Castelo de Vide. No país, corriam os dias exaltados do pós-25 de Abril de 1974…

Não cuidando o pároco de acordar com o povo as alterações que decidira introduzir no começo das  cerimónias litúrgicas – a democracia dava ainda poucos sinais de vida –, houve uma reação tal entre os forasteiros daquela Páscoa judaico-cristã que os tumultos, a vozearia e as agressões não se extinguiram por longos minutos, querendo, os mais inflamados, dependurar o padre, numa árvore, com um cinto de calças mais abonado.

Foi necessário recorrer ao então Copcon, as forças militares anti-motim organizadas por Otelo Saraiva de Carvalho, para que a acalmia descesse ao povoado. Ficou, assim, a noite de “ver aparecer o Aleluia” daquele ano, encalhada na disputa entre o poder religioso e a agitação política reinantes.

Em cada ano, entretanto, regressam os sinais do tempo e da fé que repõem, nesta terra de judeus e cristãos, os ventos de uma história multicultural.

 

(Este texto é inspirado na reportagem de rádio sobre a Páscoa judaico-cristã realizada em Castelo de Vide e disponível aqui).

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco