Uma “prisão a céu aberto”, denunciam organizações humanitárias sobre novo campo de refugiados em Lesbos

| 17 Set 20

refugiados lesbos moria, Foto_ Comunidade de San'Egidio

“Não podemos continuar a encurralar o ser humano em condições desumanas, sem direitos e sem certezas sobre o seu futuro”, defendem as organizações humanitárias. Foto: Comunidade de Sant’Egídio.

 

Os cerca de 13 mil migrantes que ficaram sem abrigo na sequência dos incêndios que destruíram, na semana passada, o campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos, começaram esta quinta-feira, 17 de março, a ser levados para um novo “campo de emergência”, que tem estado a ser construído nas imediações do anterior. Diversas organizações humanitárias consideram que esta solução é “inaceitável”, “não responde às necessidades básicas dessas pessoas”, e equivale a colocá-las numa “prisão a céu aberto”. E apelam à União Europeia para que, “finalmente”, inicie “um processo de redistribuição dos requerentes de asilo por cada um dos Estados-Membros”.

“Esta não é uma resposta à emergência, mas sim a criação de um novo campo de detenção”, denuncia a organização humanitária Intersos, referindo-se ao local para onde estão a ser encaminhados os migrantes. “Neste momento, permite acolher cinco mil pessoas, mas na próxima semana a capacidade deve aumentar para sete mil”, informam num comunicado divulgado no site da instituição, sublinhando que o espaço não oferece condições básicas aos migrantes.

“Não são fornecidos colchões, as tendas não foram posicionadas a uma distância de segurança suficiente e, ao entrarem, as pessoas veem ser apreendidos os telefones, lâminas de barbear, lenços e colares, exatamente como numa prisão”, explica a nota da organização, que tem neste momento uma equipa de voluntários em Lesbos, para prestar assistência aos mais vulneráveis.

“Acima de tudo, não podemos aceitar que a União Europeia repita as mesmas políticas de contenção que amplamente demonstraram ser inadequadas. (…) Não podemos continuar a encurralar o ser humano em condições desumanas, sem direitos e sem certezas sobre o seu futuro, condenando-o a esperar por uma resposta que muitas vezes demora anos a chegar”, defende a organização.

 

Menos de 500 migrantes por cada Estado-Membro da UE

A solução seria, então, “desmantelar estas prisões a céu aberto e, finalmente, iniciar um processo de redistribuição dos requerentes de asilo em cada um dos Estados-Membros, tendo em vista a proteção e a integração”. Se, em vez disso, é mantida a mesma política, isto significa “virar o olhar uma vez mais, até ao próximo incidente”, conclui a Intersos.

Uma visão partilhada pela Comunidade de Sant’Egídio, pelo Serviço Jesuíta aos Refugiados e pelas Irmãs Missionárias de São Carlo Borromeo (Scalabrinianas), que emitiram um comunicado conjunto onde pedem à União Europeia que, em cooperação com o Governo grego, intervenha “imediatamente para acolher e integrar um número de pessoas que indubitavelmente está ao seu alcance” (sendo que, dividindo o total de 13 mil habitantes do campo pelos 27 Estados-Membros da União Europeia, cada país não teria de receber mais do que 482 migrantes).

“Estabelecer uma nova precariedade permanente, às custas destes refugiados que vivem na ilha há meses, e alguns deles há anos, vai afetar seriamente a imagem da Europa e transformá-la num continente culpado, em vez de ser um símbolo de respeito pelos direitos humanos”, pode ler-se no comunicado.

As três instituições que assinam o apelo recordam ainda que, “desde 2016, a experiência dos corredores humanitários foi criada e lançada, em Lesbos, pelo próprio Papa Francisco, quando decidiu, a 16 de abril, levar consigo no seu avião as primeiras três famílias, num total de 67 refugiados”. Este é, defendem, o caminho a seguir, “juntamente com outros programas alternativos de acesso à proteção internacional”, de modo a “salvar os refugiados através da rede de contactos com inúmeras associações, paróquias e cidadãos comuns que estão dispostos a recebê-los com enorme generosidade”.

(Ver um testemunho de voluntários que estiveram em Moria noutro texto do 7MARGENS.)

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This