Uma Quaresma para mudar a forma de pensar e cuidar dos mais fracos, propõem os cristãos da Amazónia e o Papa

| 18 Fev 21

“Como está o nosso compromisso concreto em defesa da vida de todos os seres vivos?”. Foto: Manifestação em defesa da Amazónia. © Fórum Social Pan-amazonico

 

É preciso mudar a nossa forma de pensar e de agir em relação à nossa ‘casa comum’ e em relação a todos os seus habitantes, especialmente os que mais sofrem do abuso do poder político e económico.” É desta forma que o padre jesuíta brasileiro Adelson Araújo dos Santos, nascido em Manaus (Amazónia brasileira) aponta o horizonte para a reflexão dos cristãos desta quinta-feira, 18, segundo dia do tempo de Quaresma, iniciado nesta Quarta-Feira de Cinzas, 18 de Fevereiro.

A reflexão do também professor de espiritualidade na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e perito no Sínodo para a Amazónia, realizado em 2019, aparece no guião da caminhada quaresmal com o título 40 dias navegando com a Laudato Si’ na Amada Amazónia. A proposta é elaborada a partir da encíclica do Papa e inclui também textos bíblicos e sugestões de oração.

O roteiro de reflexões é proposto pela Rede Eclesial Pan-Amazónica (Repam) e está explicado na página da rede, que oferece ainda a possibilidade de descarregar o guião em português.

Adelson dos Santos acrescenta alguns exemplos do que deve ser o tempo quaresmal para os cristãos, na preparação para a Páscoa: “Devemos aproveitar este tempo propício para uma revisão de vida para fazermos a nossa própria autoavaliação de como estamos vivendo o louvor a Deus pelas suas criaturas, como faz São Francisco de Assis, mas também como está o nosso compromisso concreto em defesa da vida de todos os seres vivos.”

Esta série de reflexões concretiza, na região amazónica, aquilo que, de há muito, no Brasil e na América Latina, são iniciativas que envolvem milhares de comunidades cristãs – seja através da Campanha da Fraternidade, no Brasil, seja com outras dinâmicas, nos diferentes países. Nesta Quaresma de 2021, explica-se no serviço noticioso das Obras Missionárias Pontifícias, a proposta da Repam dá continuidade ao trabalho dos dois anos anteriores: 40 dias rio abaixo: navegando juntos a Boa Nova de Deus a caminho do Sínodo Amazónico, em 2019, e Querida Amazónia, 40 dias navegando em direcção à conversão, em 2020.

Além da encíclica Laudato Si’, que o Papa Francisco dedicou ao “cuidado da casa comum”, também a exortação apostólica Querida Amazónia e o documento final do Sínodo dos Bispos sobre a região, realizado em Outubro de 2019, estarão em pano de fundo destas propostas. Ou seja, são propostas que abordarão, além das reflexões sobre a mudança de vida, as questões do cuidado com a vida da região e dos povos indígenas, também problemas como a maior participação dos leigos e das mulheres nos ministérios de lideranças das comunidades, tal como o Papa deixou em aberto na Querida Amazónia.

 

Papa Francisco: “Superar as divisões e unirmo-nos em torno da vida”

“Passada a crise sanitária, a pior reacção seria cair ainda mais num consumismo febril e autoproteção egoísta.” Foto: Encontro do Papa com indígenas da Amazónia, em Outubro de 2019. Vatican Media.

 

Nesta quarta-feira, Francisco dirigiu aos católicos brasileiros uma mensagem por ocasião da Campanha da Fraternidade. “Precisamos vencer a pandemia e nós o faremos à medida em que formos capazes de superar as divisões e nos unirmos em torno da vida”, escreve, citando depois a Fratelli tutti: “Passada a crise sanitária, a pior reacção seria cair ainda mais num consumismo febril e em novas formas de autoproteção egoísta.”

Tendo em conta que a campanha deste ano é a quinta organizada em conjunto pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB, católica), e pelo Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (Conic, protestante), o Papa acrescenta que, no diálogo ecuménico se pode “verdadeiramente abrir o coração ao companheiro de estrada sem medos nem desconfianças, e olhar primariamente para o que procuramos: a paz no rosto do único Deus”.

A “construção da fraternidade e a defesa da justiça na sociedade” dependem também dos cristãos, acrescenta Francisco, na medida em que eles sejam capazes de “dialogar, encontrar pontos de união e os traduzir em acções em favor da vida, de modo especial, a vida dos mais vulneráveis”.

Estas palavras de Francisco fazem ecoar também a sua Mensagem para a Quaresma deste ano, na qual o Papa insiste no cuidado especial para com os que mais têm sofrido com a pandemia: “Viver uma Quaresma de caridade significa cuidar de quem se encontra em condições de sofrimento, abandono ou angústia por causa da pandemia de covid-19”.

No texto, o Papa sugere um “jejum” à “saturação de informações – verdadeiras ou falsas – e produtos de consumo” e pede que os católicos sejam capazes de ter “uma palavra de confiança” que se manifesta na “atenção e compaixão por cada pessoa”.

 

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo novidade

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida novidade

No contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022 [entre 18 e 25 de janeiro] prestamos tributo a um homem bom, um fiel seguidor de Cristo e um cristão verdadeiramente ecuménico e aberto ao diálogo inter-religioso. Um cristão também com profundo sentido de humor e de alegria, que é sempre um sinal de uma boa espiritualidade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This