Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 7)

Uma resposta nascida de todos

| 8 Abr 2023

O catolicismo vive uma crise profunda, apesar de continuar a ser para muitas pessoas um espaço vital de busca de sentido e experiência de fraternidade. As situações de abusos de poder e violências sexuais vieram evidenciar problemas sistémicos. Em Portugal, depois de terem criado uma Comissão Independente (CI) para estudar os abusos sexuais sobre crianças, os bispos ficaram na indefinição sobre o que fazer com o panorama posto a nu pelo relatório da CI. Perante a perplexidade que tomou conta da sociedade e de muitos crentes, o 7MARGENS convidou católicos a partilhar leituras da situação e propor caminhos de futuro, a partir de três perguntas:

  1. Quais são os pontos que considera centrais nas medidas a assumir agora pela Igreja, para ser fiel ao Evangelho e ser testemunho de Jesus Cristo na sociedade? A quem cabe concretizar e liderar a aplicação de tais medidas?
  2. Considera que faria sentido que os batizados se encontrassem e se escutassem sobre essas tarefas e desafios que se colocam à comunidade eclesial, a nível diocesano e/ou nacional? Como? De que formas?
  3. Que contributo(s) estaria disposto a dar para que a Igreja, os católicos e as suas comunidades adotem um caminho centrado no Evangelho em ordem a superar a prática de abusos?

 

Estar atento aos sinais de jovens e famílias

 

 Nesta sétima resposta, Nuno Sobral Camelo, leigo católico da diocese de Évora, diz que a Igreja terá de assumir a debilidade feita com a vida das pessoas envolvidas, abusados e abusadores.

“A Igreja terá de assumir esta debilidade feita com a vida das pessoas envolvidas, abusados e abusadores. Não será possível reparar o que já aconteceu, pois ao sofrimento causado não se subtrai dor.” Foto © Ulrike Mai /Pixabay

 

1. A Igreja é porto de abrigo em todo o tempo e por essa razão terá de estar sempre disponível para abrigar quem se encontra desprotegido, vulnerável, perdido, e não tirar partido dessa condição, em momento algum. A vida coloca-nos perante uma constante de condições e condicionantes que nos definem e que nos vão construindo; por isso a Igreja, composta por todos os batizados, está e tem estado sujeita a um conjunto de situações que são do mundo, mas terá que fazer diferente do que faz o mundo.

A Igreja terá de assumir esta debilidade feita com a vida das pessoas envolvidas, abusados e abusadores. Não será possível reparar o que já aconteceu, pois ao sofrimento causado não se subtrai dor. No entanto, assumindo a atitude de conhecer para melhor agir, a Igreja que somos todos, terá de, de forma muito vivível e enérgica, garantir que não voltará ninguém a tentar abusar do outro, mais do que evitar que alguém seja abusado por existirem pessoas com propensão para abusar.

Quem abusa não pode ser simultaneamente Igreja, e quem faz a Igreja terá de conhecer muito bem os seus, em contínuo, para também os acompanhar, pois só assim se conseguirá garantir prevenção, proteção e salvação. Quem abusa, em algum momento do caminho lhe foi negada a possibilidade de ser salvo. Quem foi abusado, em muitos momentos do caminho não lhe foi concedida proteção suficiente.

2. A resposta tem de nascer da Igreja que somos todos e por isso todos, em todos os ambientes, em todos os territórios, teremos de zelar pela vida de um Jesus Cristo que se quer vivo e capaz de dar mais e melhor vida. Os batizados são a Igreja e se a sua vida é por Jesus, então terão de ser membros ativos em todas essas tarefas e desafios. As estruturas de todos os níveis terão de estar muito atentas no acompanhamento, formação, orientação, encaminhamento de todos os elementos que trabalham na evangelização das comunidades.

Os leigos terão de ter também um papel determinante nas dioceses, realizando uma aproximação entre a hierarquia e as comunidades e assumindo papeis de facilitadores e empreendedores locais da Igreja.

3. Os que já hoje assumo enquanto membro ativo da “minha Igreja” e da Igreja como um todo: estando atento aos sinais, particularmente presente no acompanhamento dos jovens em vários ambientes, com um trabalho próximo das famílias, com o reforço das redes de proximidade local, com um reforço de responsabilidade dos nossos jovens nas estruturas comunitárias e pastorais, combatendo o isolamento das ações, zelando pela integralidade e a integridade de tudo o que possa ser enquanto Igreja. A palavra de ordem é ser ajuda, garantir que escutamos quem precisa de ajuda e que protegemos o todo atuando em cada um.

 

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This