Nas margens da filosofia (LVII)

Uma Saga Familiar

| 19 Set 2023

UMA FAMÍLIA MONÁRQUICA NA GUERRA DA REPÚBLICA

“O subtítulo desta obra (João e Manuel de Mello na Primeira Guerra Mundial. Memórias, Correspondência e Imprensa) dá um especial relevo a estes dois irmãos. De facto, através do   Diário do primeiro bem como da correspondência de ambos com a família e amigos, Lívia Franco empreende o cruzamento de uma história pessoal com a história da Guerra de 14-18.”

 

Li nestas férias de verão muitos textos que me agradaram. Um deles foi o livro recentemente publicado por Lívia Franco sobre a Primeira Guerra Mundial interpretada através dos personagens concretos que nela viveram e que com a sua acção a construíram, imprimindo-lhe os traços que hoje nos permitem lê-la e estudá-la.[1] Grande parte da originalidade desta saga familiar é o facto de abordar a Primeira Guerra Mundial integrando-a no pano de fundo português, nessa altura dominado pela queda da Monarquia e a instalação da República. Daí o termo Guerra da República figurar no título do livro, ficando explícito que estão em causa dois conflitos que simultaneamente atravessaram a sociedade portuguesa nos dez anos que decorreram entre 1908 e 1918 – as lutas internas que conduziram à implantação de um novo regime e o conflito internacional em que diferentes potências europeias se envolveram, conflito esse no qual Portugal colaborou esforçadamente, mau grado as difíceis condições decorrentes da implantação de um novo regime. Esta circunstância, determinante para a nossa história, cruzou-se com os inevitáveis compromissos internacionais pois simultaneamente Portugal não só teve que atender às lutas que culminaram na alteração da monarquia para a república, como àquelas em que se viu obrigado a participar devido a compromissos internacionais. É neste contexto que Lívia Franco faz o cruzamento da história de “uma família monárquica “(a dos seus antepassados) com a história europeia onde diferentes potências se combateram com a violência e as consequências que todo o estudioso hoje conhece.

O subtítulo desta obra (João e Manuel de Mello na Primeira Guerra Mundial. Memórias, Correspondência e Imprensa) dá um especial relevo a estes dois irmãos. De facto, através do   Diário do primeiro bem como da correspondência de ambos com a família e amigos, Lívia Franco empreende o cruzamento de uma história pessoal com a história da Guerra de 14-18. É uma tarefa difícil mas plenamente conseguida pois simultaneamente nos informa sobre um evento complexo como a Grande Guerra, como se debruça sobre as vicissitudes de uma família, relatando-nos as vivências concretas de personagens cujos anseios e dificuldades o leitor vai conhecendo. É este relacionamento da História com a “petite histoire” que permanentemente nos mantém interessados. É também uma partilha (que Lívia Franco empreende com o público dos leitores) da vasta investigação que permitiu a escrita deste livro. De facto, para além do enquadramento histórico da Primeira Guerra Mundial interpretada através do olhar de um monárquico que nela participou, trata-se de uma visão em que se procura uma ligação permanente entre o contexto e os factos, as ocorrências e as pessoas, o geral e o particular, lembrando-nos   a justeza de    Ortega y Gasset ao escrever: “Eu sou eu e minha circunstância.”[2]

Os personagens centrais à volta de quem se estrutura a narrativa são os irmãos João e Manuel de Mello tendo como enquadramento inicial as suas origens familiares, os seus amigos, o tipo de sociedade que frequentavam, os tempos aventurosos que conduziram da Monarquia à República e finalmente a Guerra e as suas dificuldades à qual são dedicados os capítulos III a V. Através da correspondência dos irmãos vamos conhecendo as dificuldades e o sofrimento das tropas portuguesas, mal preparadas, mal equipadas e por vezes mal recebidas pelos seus comandantes estrangeiros. As aventuras pessoais cruzam-se com as ocorrências históricas e políticas. Por essa troca de missivas entre familiares, amigos e noivas, percebemos o sofrimento e a angústia quer dos combatentes quer dos que ficaram, tomando consciência  de toda a inquietação de um povo envolvido quer nesta  Guerra internacional quer  em lutas intestinas decorrentes da transição para um novo regime político. A centralidade conferida ao olhar dos monárquicos   é uma consequência lógica do título da obra. O que no entanto não leva ao esquecimento dos padecimentos dos soldados envolvidos no conflito bem como da angústia das suas famílias. E embora o seu enfoque seja o de “Uma família monárquica” Lívia Franco consegue dar-nos através deste seu livro a possibilidade de conhecermos a resiliência de todo um povo.

 

[1] Lívia Franco, UMA FAMÍLIA MONÁRQUICA NA GUERRA DA REPÚBLICA. João e Manuel de Mello na Primeira Guerra Mundial. Memórias, Correspondência e Imprensa [1908-1918], Lisboa, D. Qioxote, 2023.
[2] Ortega y Gasset, Meditaciones del Quijote,1914/1966.

 

 Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

 

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This