Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

| 12 Mar 19

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha como também em toda a Europa e mesmo em outros continentes.

A “Semana da Fraternidade” é uma iniciativa já com grande tradição. Desde 1952 que se celebra na Alemanha e os seus objectivos iniciais continuam a manter a validade.  A abertura da semana deste ano teve lugar no dia 10, domingo, em Nuremberga, com a presença do Presidente da República, que é também tradicionalmente o patrocinador.

Setenta anos após o final da II Guerra Mundial, com a vitória sobre o regime nazi responsável pelo Holocausto, volta a viver-se nas comunidades judaicas um clima de insegurança e de medo. Repetem-se os atentados e actos de violência contra pessoas e de vandalismo contra bens culturais do judaismo. O número dos judeus que emigram para Israel ou  se confrontam com essa ideia aumenta constantemente. 

Pormenor do cartaz da Semana de Fraternidade 2019, com a medalha de mérito Buber-Rosenzweig

Numa declaração do Conselho Internacional de Cristãos e Judeus, datada do passado  dia 28 de Fevereiro e publicada em Heppenheim, no centro da  Alemanha, cidade onde viveu Martin Buber, considera-se que este retorno do anti-semitismo deve constituir um sinal de alarme, e que é preciso estar atento a todas as formas de racismo, xenofobia, islamofobia. Ou seja, toda a forma de menosprezo por todas as pessoas que, de um modo ou outro, são diferentes da maioria. A medalha de mérito Buber-Rosenzweig, com o nome de duas grandes figuras do judaísmo alemão, e que é atribuída anualmente por ocasião da Semana, foi entregue este ano a duas iniciativas de base empenhadas na promoção de uma cultura de tolerância e de coragem civil.

A Conferência Episcopal Alemã publicou também uma longa declaração, no sentido de sublinhar a proximidade teológica entre judeus e cristãos. A Igreja reconhece, de forma oficial pelo menos desde o Concílio Vaticano II (na Declaração Nostra aetate), que “Deus continua a agir no Povo da Velha Aliança”. Citando o Papa Francisco, os bispos reafirmam que “a Igreja vê no Povo da Aliança e na sua fé as raízes sagradas da  identidade cristã”. Debruçando-se sobre um documento intitulado Entre Jerusalém e Roma(“Between Jerusalem and Rome”), com que os representantes do judaísmo ortodoxo quiseram assinalar os 50 anos do Concílio Vaticano II, a Conferência Episcopal regozija-se com esta nova abertura ao diálogo com o catolicismo por parte do judaísmo.

Embora este documento date já de 2017 a Conferência Episcopal Alemã é a primeira a nível mundial a reagir a esse documento. Pela primeira vez na história, a ortodoxia judaica, representada por um número considerável de rabinos e associações de Israel, Europa e América,  vê nos cristãos e de forma especial nos católicos “parceiros, estreitos aliados e irmãos”.  Os bispos alemães alegram-se com esta evolução nas relações judaico-cristãs e prometem comprometer-se ao lado das comunidades judaicas na luta contra todas as formas de anti-semitismo, ao mesmo tempo que manifestam a sua satisfação pelo facto de que também os rabinos ortodoxos revelem sensibilidade para com a situação dos cristãos na Terra Santa.

A Semana da Fraternidade 2019 sob o tema Ser humano, onde estás? Juntos contra o anti-judaísmo, com uma série de actividades a nível nacional e um considerável eco nos meios de comunicação, não irá resolver o problema do anti-semitismo. Mas é mais um alerta e uma boa ocasião para tomadas de posição que parecem urgentes.

(Foto da página de abertura: Monumento às Vítimas do Nazismo, em Berlim)

Artigos relacionados

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais novidade

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Cardeal Maradiaga apresenta livro do presidente da Cáritas Portuguesa

O cardeal Rodriguez Maradiaga participa, nesta quarta-feira, 14 de Outubro, na apresentação do livro Estende a Tua Mão ao Pobre (ed. Paulinas), de Eugénio Fonseca, actual presidente da Cáritas Portuguesa. Através da plataforma virtual Teams, o arcebispo de Tegucigalpa (Honduras) falará sobre a nova encíclica Fratelli Tutti (Todos irmãos), às 21h30 desta quarta, 14 de Outubro.

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia 

Entre margens

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social novidade

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Chorar em Fátima

Apeteceu-me dizer aos companheiros dos círculos ao lado que sou ateu, que me ensinem como é sentir o que eles sentem. Que importa? Senti o coração a abrir-se e descobrir que também sou uma árvore frondosa como o meu pai e a minha mãe desejaram que eu fosse.

Cultura e artes

Chorar em Fátima

Apeteceu-me dizer aos companheiros dos círculos ao lado que sou ateu, que me ensinem como é sentir o que eles sentem. Que importa? Senti o coração a abrir-se e descobrir que também sou uma árvore frondosa como o meu pai e a minha mãe desejaram que eu fosse.

O meio é a massagem

Na minha crónica anterior, citei o filósofo canadiano Marshal Mc Luhan, lembrando a afirmação the medium is the message (“o meio é a mensagem”), por ele usada em Understanding Media.[1] Editado em 1964, o livro foi um sucesso. Três anos mais tarde, associando-se ao desenhador Quentin Fiore, Mc Luhan publicou uma pequena brochura intitulada The Media is the Massage (“O Meio é a Massagem”)[2], uma representação gráfica e criativa das teses defendidas na obra de 64. O título insólito deveu-se a um erro do editor. Mas o filósofo resolveu mantê-lo…

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco


Notice: Undefined index: HTTP_REFERER in /home/setemargve/www/wp-content/plugins/smart-marketing-for-wp/egoi-for-wp.php on line 188