Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

| 12 Mar 19

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha como também em toda a Europa e mesmo em outros continentes.

A “Semana da Fraternidade” é uma iniciativa já com grande tradição. Desde 1952 que se celebra na Alemanha e os seus objectivos iniciais continuam a manter a validade.  A abertura da semana deste ano teve lugar no dia 10, domingo, em Nuremberga, com a presença do Presidente da República, que é também tradicionalmente o patrocinador.

Setenta anos após o final da II Guerra Mundial, com a vitória sobre o regime nazi responsável pelo Holocausto, volta a viver-se nas comunidades judaicas um clima de insegurança e de medo. Repetem-se os atentados e actos de violência contra pessoas e de vandalismo contra bens culturais do judaismo. O número dos judeus que emigram para Israel ou  se confrontam com essa ideia aumenta constantemente. 

Pormenor do cartaz da Semana de Fraternidade 2019, com a medalha de mérito Buber-Rosenzweig

Numa declaração do Conselho Internacional de Cristãos e Judeus, datada do passado  dia 28 de Fevereiro e publicada em Heppenheim, no centro da  Alemanha, cidade onde viveu Martin Buber, considera-se que este retorno do anti-semitismo deve constituir um sinal de alarme, e que é preciso estar atento a todas as formas de racismo, xenofobia, islamofobia. Ou seja, toda a forma de menosprezo por todas as pessoas que, de um modo ou outro, são diferentes da maioria. A medalha de mérito Buber-Rosenzweig, com o nome de duas grandes figuras do judaísmo alemão, e que é atribuída anualmente por ocasião da Semana, foi entregue este ano a duas iniciativas de base empenhadas na promoção de uma cultura de tolerância e de coragem civil.

A Conferência Episcopal Alemã publicou também uma longa declaração, no sentido de sublinhar a proximidade teológica entre judeus e cristãos. A Igreja reconhece, de forma oficial pelo menos desde o Concílio Vaticano II (na Declaração Nostra aetate), que “Deus continua a agir no Povo da Velha Aliança”. Citando o Papa Francisco, os bispos reafirmam que “a Igreja vê no Povo da Aliança e na sua fé as raízes sagradas da  identidade cristã”. Debruçando-se sobre um documento intitulado Entre Jerusalém e Roma(“Between Jerusalem and Rome”), com que os representantes do judaísmo ortodoxo quiseram assinalar os 50 anos do Concílio Vaticano II, a Conferência Episcopal regozija-se com esta nova abertura ao diálogo com o catolicismo por parte do judaísmo.

Embora este documento date já de 2017 a Conferência Episcopal Alemã é a primeira a nível mundial a reagir a esse documento. Pela primeira vez na história, a ortodoxia judaica, representada por um número considerável de rabinos e associações de Israel, Europa e América,  vê nos cristãos e de forma especial nos católicos “parceiros, estreitos aliados e irmãos”.  Os bispos alemães alegram-se com esta evolução nas relações judaico-cristãs e prometem comprometer-se ao lado das comunidades judaicas na luta contra todas as formas de anti-semitismo, ao mesmo tempo que manifestam a sua satisfação pelo facto de que também os rabinos ortodoxos revelem sensibilidade para com a situação dos cristãos na Terra Santa.

A Semana da Fraternidade 2019 sob o tema Ser humano, onde estás? Juntos contra o anti-judaísmo, com uma série de actividades a nível nacional e um considerável eco nos meios de comunicação, não irá resolver o problema do anti-semitismo. Mas é mais um alerta e uma boa ocasião para tomadas de posição que parecem urgentes.

(Foto da página de abertura: Monumento às Vítimas do Nazismo, em Berlim)

Artigos relacionados

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Cultura e artes

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco