Uma Teofania nos corações humanos

| 16 Jan 2022

Epifania

Ícone estoniano da Epifania

 

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal.

A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

O espírito humano, afastou-se do espírito de Deus, compartimentando o acontecimento, dominando a representação imediata na memória social e simbologia colectiva, acrescentando-lhe valor material, relevando a festa do nascimento do Jesus histórico, relativamente a outra mais importante que é a Epifania.

No mundo da arte, o espírito humano é bafejado por momentos inspiradores, resultantes da complexidade intelectual de cada um. Daí ser frequente o uso do termo epifania para qualificar esse momento de luminosa resposta ou criação.

Visitando os dicionários, verificamos a origem grega do termo: significando evento ou manifestação rara, repentina e marcante; vulgarizando-se a sua utilização para qualificar um pensamento que resolve um problema num processo.

Sei que do Teu Espírito
Libertaste gotas de amor,
Quando do Jordão Te ergueste,
Partilhando
A Tua Luz por todos os seres.

No cristianismo, Epifania refere-se à manifestação visível do sagrado; ao momento em que Deus se manifestou no batismo de Jesus por João Batista[1].

Na ortodoxia, a Epifania, é frequentemente mencionada como Teofania.

Na minha educação cristã, foi enfatizada a imagem de uma pomba, que descendo dos céus, materializava a descida do Espírito de Deus sobre Jesus. Mas se estivermos atentos aos santos textos, a pomba pairou sobre Jesus, ou seja, não veio Dele, não se uniu ou incorporou Nele.

A menção simbólica da pomba é utilizada no Antigo Testamento como uma mensageira, símbolo de santidade, de pureza, inocência e fidelidade[2].

A concepção da natureza de Cristo e a sua divindade não é unanime no cristianismo. Na perspectiva ortodoxa trinitária Jesus Cristo tem duas naturezas, tanto divina como humana, não da mesma essência nem composta, porque a pessoa do Pai não é semelhante na carne, mas em união sem se misturarem.

Na ortodoxia, o Espírito Santo está presente nesta união, proveniente do Pai; como a pomba que desceu dos céus, quando aqueles se abriram e se ouviu a voz de Deus, pairando sobre Jesus, filho da sua mãe na genealogia humana e na filiação divina[3].

Jesus emerge ser humano purificado pelo batismo no Jordão, em união divina com o Pai que se ouve dos céus e com o Espírito Santo simbolicamente representado pela pomba que desce do céu e paira sobre o Filho.

Aceitando-se esta unidade em três pessoas distintas, a Teofania não é uma incorporação do Espírito de Deus, mas uma manifestação de Deus Trinitário para a humanidade, no humilde acto imaterial de João que batiza, reconhecendo a presença de Deus, na simplicidade de uma assembleia humana que testemunha nas margens de um rio em união perfeita entre o humano e o divino.

A Teofania celebra a manifestação de Deus, com a emergência humana do Filho, no Espírito Santo, numa Nova Aliança entre Deus e a Humanidade.

O Senhor fez alianças, com os primogénitos no Éden, com Noé, Abraão e Moisés, porque cheio de compaixão e misericórdia se manifesta na plenitude do amor, zeloso do seu povo, num perpétuo sacerdócio de paz.

Esta Nova Aliança, que a Teofania celebra, não é como as anteriores que foram quebradas, como aconteceu com as tábuas da Lei, porque foi colocada no íntimo dos corações humanos, através da presença do seu Filho Jesus Cristo, que é o mediador para os que são chamados através do batismo, transformando cada um de nós em ministros, não da letra, mas do Espírito (2Cor 3:6).

 

No vídeo a seguir pode ouvir-se o Tropário da Epifania em várias línguas; o tropário é um hino litúrgico curto que pode ser interpolado entre versos de um salmo.

 

[1] No Novo Testamento, o baptismo de Jesus, é narrado em Mateus 3:13-17,     Marcos 1:9-11, Lucas 3:21-22 e João 1:31-34.
[2] Entre outros e em primeiro lugar no Livro de Genesis 8:8-13, depois no Salmo 55(54):7, no Salmo 74(73):19, Cântico dos Cânticos 2:14 e 5:2, Isaías 38:14, Jeremias 48:28, Oseias 7:11.
[3] Livro III, Ch. III, de Uma Exposição Exata da Fé Ortodoxa, por São João de Damasco.
      www.orthodox.net/fathers.

 

Alberto Teixeira é cristão ortodoxo

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This