Estudos da Religião

Uma tese para conhecer melhor a História do Cristianismo

| 17 Fev 2023

andre vieira antudes, universidade catolica, faculdade filosofia e ciencias sociais, braga, foto DR

Além de investigador e tradutor, André Vieira Antunes é também o responsável pelo projeto Communitas Bracarensis. Foto: Direitos reservados.

A apresentação de uma tese de doutoramento, no âmbito dos Estudos da Religião, com o título “Igreja e Império na Cronografia de Teófanes Confessor: A interpretação da História no tempo da crise iconoclasta”, provocará certamente um misto de estranheza e admiração. Quem, em Portugal, se dedica ao estudo da história do Império Romano do Oriente, normalmente referido como Império Bizantino? Isto, não obstante as referências de filósofos contemporâneos como Marie-José Mondzain (quanto ao estatuto da imagem e ao poder do visual) e de Giorgio Agamben (quanto aos dispositivos económicos) relativamente à influência que o pensamento e a linguagem deste Império que durou cerca de um milénio tem nos eixos culturais e sociais da contemporaneidade.

O trabalho de investigação foi no passado dia 13 de fevereiro defendido na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa (UCP), em Braga, por André Vieira Antunes que, além de investigador e tradutor, é também o responsável pelo projeto Communitas Bracarensis, uma escola aberta de Latim e Grego, com cursos presenciais e online, segundo o método de aprendizagem da língua viva. O projeto teve a orientação dos professores José Carlos Miranda e Manuel Summares (UCP).

No centro do trabalho, uma tradução, para português, de um texto em grego medieval, a “Cronografia de Teófanes Confessor”, datável do século IX d. C. À tradução, junta-se uma contextualização histórica e teológica do período e do que se refere como a Crise Iconoclasta. Se esta é habitualmente exposta em breves linhas como uma questão cultural e pastoral – a rejeição ou aceitação do culto dos ícones –, as várias décadas de conflitos que opuseram as autoridades imperiais de Bizâncio com comunidades monásticas e de crentes situam esta problemática num panorama mais vasto.

Primeiro, a da autoridade do Imperador e da sua relação com a hierarquia eclesiástica: se o ícone enquanto lugar de mediação cristológica é rejeitado por aquele, está em causa uma política de controlo do visual e do estético. Mas também uma política unificante, perante as ameaças externas ao Império (da Pérsia e do Islão) e as várias correntes que, de modo mais ou menos subterrâneo na história, mantiveram a pluralidade do Cristianismo (judeo-cristãos, nestorianos, monofisitas). Isto num tempo em que, para o bem e para o mal, as controvérsias teológicas e cristológicas alimentavam os campos de força do pensamento e da política.

A história deste Império Romano é a história da Europa, a história do conflito na Ucrânia, a história das tensões (latentes) nos Balcãs e (patentes) no Médio Oriente. É também a história do Cristianismo num dos seus pulmões, o da Ortodoxia, que tanto tem a ensinar à nossa cultura latina sobre a liturgia, a sinodalidade, a pneumatologia, a oração meditativa e sensitiva. Talvez por isso o trabalho apresentado por André Antunes tenha recebido, da parte do júri, a melhor classificação possível. Espera-se para breve a publicação editorial deste texto e que o autor, com provas dadas no campo do ensino e divulgação das línguas clássicas, continue também a proporcionar-nos conhecer melhor esta História do Cristianismo.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This