Uma tragédia americana

| 15 Mar 20

Imagem do filme “O Caso de Richard Jewell”, de Clint Eastwood

 

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir. E não é uma, mas três bombas de fabrico artesanal. Sem conseguirem desactivá-las a tempo, elas acabam por explodir. Felizmente, por causa da obstinação de Richard, foi possível criar um bom perímetro de segurança e os danos foram muito minimizados.

Como era de prever, Richard torna-se rapidamente um herói, mesmo que ele não queira colher para si os louros, afirmando que não fez mais do que a sua missão lhe pedia.

Só que demorava a encontrar o bombista e era preciso fechar o caso depressa, dado o contexto olímpico que se vivia na cidade. E o FBI, sem grandes escrúpulos, vai atrás de uma denúncia maldosa do reitor de uma universidade onde Richard tinha trabalhado como segurança e de onde tinha sido despedido por excesso de zelo.

De facto, Richard, cuja paixão e objectivo na vida era ser polícia – tal era a sua confiança e quase adoração pelo trabalho que ele acreditava que eles faziam – tinha uma figura e uns traços de personalidade que quase levavam a que fosse condenado inocentemente. Com o seu modo conservador de ser e com a sua fragilidade e vulnerabilidade a toda a prova, comovente até; com a sua cuidadosa atenção aos pormenores (veja-se a questão dos Snickers) e com a sua atitude obsessiva para cumprir e fazer tudo como a lei manda, procurando em cada situação aplicar os protocolos de segurança que tinha aprendido.

Tudo isto, agravado ainda pelo ‘arsenal’ de armas que tinha em casa, vai fazer com que encaixe perfeitamente no perfil do incompreendido e frustrado que quer tornar-se famoso e que, para isso, coloca ele mesmo a bomba, para depois ser o primeiro a dar o alerta. E bastou uma notícia, sem fundamento, de uma jornalista “desesperada” e de um agente do FBI que quer apresentar serviço, aproveitada e explorada pelos meios de comunicação social, para o herói ser apontado como culpado e a sua vida se tornar num calvário. Richard parece que não tem salvação.

É então que se lembra do advogado que gostava de Snickers e resolve ligar-lhe. Ele já não está na sociedade onde trabalhara e será a sua nova sócia, russa, que o convencerá a defender aquele homem encurralado, dizendo-lhe: “De onde eu venho, quando o governo diz que uma pessoa é culpada, sabemos que está inocente”. E Watson Bryant, um advogado muito peculiar, vai assumir a defesa de Richard, sabendo que se trata de uma luta de David contra Golias. Mas ele está absolutamente convencido da inocência de Richard e do oportunismo dos que o acusam. E ainda vai ser mais do que advogado, é como se fosse o pai que não existe, ou então o irmão mais velho de que Richard precisava. Ele vive só com a mãe.

Richard Jewell foi formalmente declarado inocente pelas autoridades e, alguns anos depois, o verdadeiro bombista foi descoberto e preso. Jewell tinha, entretanto, realizado o sonho de entrar para a polícia.

Quase aos 90 anos, Clint Eastwood realiza – desta vez sem entrar como actor – mais um filme marcante, ele que é um cineasta que se interessa pela justiça e crítico da sociedade, sobretudo quando ela (nós) se deixa levar pelos preconceitos, nascidos dos estereótipos. Creio que até nós caímos nessa armadilha: sabemos que Richard não é culpado, mas diante de tantas evidências – ele tem vários tiques irritantes, que o realizador não esconde – ainda deixamos crescer uma pequena semente de dúvida. O filme está muito bem montado e conta também com magníficos actores.

Um bom filme para este tempo.

Richard Jewell, de Clint Eastwood. Drama, M/12, EUA, 2019.

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Fevereiro de 2020.

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Suécia: Católicos e Luteranos unidos em primeiro retiro ecuménico online novidade

O bispo católico de Estocolmo e a bispa luterana de Uppsala organizaram um retiro espiritual ecuménico onde poderão participar fiéis de ambas as igrejas. O encontro decorrerá online e tem como objetivo que católicos e luteranos “rezem juntos e mergulhem numa dimensão espiritual num momento que é de stress e preocupação”. De acordo com o Vatican News, a iniciativa de Anders Arborelius e Karin Johannesson (referida pelo portal do Vaticano como “episcopisa”) é “inédita”.

Igreja organiza seminários virtuais sobre proteção de menores novidade

“Por uma Igreja mais segura” é o lema de uma série de webinars dedicados à proteção de menores que se inicia esta sexta-feira, 29 de maio, no site da Pontifícia Universidade Gregoriana. Organizados pela Conferência Internacional de Salvaguarda, os encontros virtuais dirigem-se a todos os profissionais da Igreja ou de instituições a ela ligadas e pretendem ser um contributo para o reforço das boas práticas na área da proteção de menores, em todo o mundo.

Este sábado, católicos rezam terço com o Papa para enfrentar a pandemia novidade

O Papa Francisco vai rezar o terço este sábado, 29 de maio, pelas 16h30 (hora de Portugal), a partir da gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, e a ele estarão unidos santuários marianos de todo o mundo. A oração global, que tem como principal intenção “invocar a intercessão da Virgem para o fim da pandemia”, poderá ser seguida através do Facebook e do Youtube, e contará com comentários em português, anunciou o Vatican News.

Guterres manifesta “profundo reconhecimento” ao Papa Francisco novidade

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou, numa entrevista exclusiva aos meios de comunicação do Vaticano, o seu “profundo reconhecimento ao Papa Francisco” pelo apoio dado ao apelo de cessar-fogo global, mas confessou que, apesar de ter recebido também o apoio de inúmeros governos, instituições, outros líderes religiosos, e até de grupos armados, “a desconfiança continua a ser grande e é difícil traduzir estes compromissos em ações que façam a diferença”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos. A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

É notícia

Entre margens

A Senhora mais brilhante do que o Sol novidade

Quem é afinal Maria de Nazaré, a escolhida por Deus para encarnar a nossa humanidade? Os Evangelhos referem-na poucas vezes. Esse silêncio dá mais espaço à nossa criatividade e até a um certo empossamento da Mãe de Jesus. Em torno da sua figura construímos aquilo a que poderíamos chamar “questões fraturantes” entre cristãos. Mais importante que dogmas e divergências é atendermos à figura de Maria. Quem é que ela é, ou pode ser, para nós?

Evangélicos e Chega: separar as águas novidade

Em todo o debate público levantou-se novamente a questão da identidade evangélica, cuja percepção é complexa até para os próprios evangélicos e sobretudo para a maioria dos portugueses, cuja cultura religiosa é essencialmente católica-romana. Grande parte da percepção pública dos evangélicos deriva dos soundbites brasileiros e norte-americanos, onde há de facto lobbies evangélicos e ultra-conservadores, como a “Bancada Evangélica” ou o “Tea Party”. A isso, acrescenta-se a difusão dos canais de televisão e rádio neopentecostais, o que colabora para a criação de estereótipos sobre os evangélicos no seu todo.

“Fake religion”

Para que uma falsificação faça sentido e seja bem-sucedida tem que juntar pelo menos duas condições. Antes de mais, o artigo a falsificar tem de estar presente no mercado e em segundo lugar tem que representar valor comercial. Ora, o mercado religioso existe e está bem de saúde, para desespero dos neo-ateístas. E de cada vez que surge uma catástrofe, uma guerra ou uma pandemia mortal a tendência geral dos indivíduos é para recorrerem ao discurso religioso, procurando encontrar aí um sentido para o drama que estão a viver, porque o ser humano necessita de encontrar um sentido no que vê e sente acontecer à sua volta.

Cultura e artes

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário novidade

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

O perdão, a maior alegria de Deus

Há experiências cuja reflexão sobre elas exige humildade e coragem: experiências que marcam a nossa história e o nosso quotidiano, e das quais qualquer pensamento pode pecar pela superficialidade ou pelo idealismo. O perdão é uma dessas experiências. É por isso um ato de coragem a proposta – tão breve como significativa! 112 páginas em formato de bolso – do monge italiano Enzo Bianchi.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco