“Uma tragédia sem precedentes”: violência contra povos indígenas no Brasil mais do que duplicou com Bolsonaro

| 6 Out 20

Manifestação de indígenas. Foto_ Tiago Miotto_Cimi

O número de incidentes envolvendo violência física contra indígenas no Brasil cresceu para mais do dobro, de 2018 para 2019. Foto: Tiago Miotto/CIMI.

 

O Conselho Indigenista Missionário (CIMI), organismo pertencente à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou o seu mais recente relatório sobre a violência contra os povos indígenas no país. O estudo, que compara dados de 2019 com o ano anterior, “evidencia o alarmante aumento da violência contra os povos indígenas no primeiro ano do governo Bolsonaro”. O número de invasões nas reservas indígenas mais do que duplicou.

Entre as 19 categorias de violência contra os povos indígenas consideradas no relatório divulgado na semana passada, 16 registaram um aumento do número de casos. Foi o caso das ocupações ilegais de terras, que passaram de 109 casos em 2018 para 256 em 2019. Associadas a estas ocupações estão crimes como a extração ilegal de madeira, a construção de empreendimentos comerciais e operações de tráfico de drogas, denuncia o estudo.

Também o número de incidentes envolvendo violência física contra indígenas cresceu para mais do dobro, passando de 110 casos para 276. De acordo com o relatório, foram registados 113 assassinatos em 2019. Desde 1985, já ocorreram pelo menos 1.193 homicídios de indígenas no Brasil.

O relatório do CIMI revela ainda um aumento da mortalidade infantil, que cresceu de 591 casos em 2018 para 825 em 2019. Preocupante é também a evolução da taxa de suicídios nas aldeias. Em 2019, houve pelo menos 133 indígenas a pôr termo à sua própria vida. Em 2018, tinham sido 101. Ao todo, no ano passado, morreram ainda 31 indígenas por falta de assistência médica.

“Infelizmente, as violências praticadas contra os povos indígenas fundamentam-se num projeto de governo que pretende disponibilizar as suas terras e os bens comuns nelas contidos aos empresários do agronegócio, da mineração e das madeireiras, entre outros”, pode ler-se no comunicado do CIMI.

“Em alguns episódios descritos no relatório, os próprios invasores mencionavam o nome do Presidente da República, evidenciando que as ações criminosas são incentivadas por aquele que deveria cumprir a sua obrigação constitucional de proteger os territórios indígenas”, sublinha ainda o organismo de defesa dos indígenas.

O relatório destaca também que, das 1.298 terras indígenas no Brasil, 829 (63%) estão atualmente dependentes do Estado para a finalização do seu processo de demarcação e subsequente registo como território tradicional indígena.

“Além de ter cumprido a sua promessa de não demarcar um centímetro de terra indígena, o governo Bolsonaro, através do Ministério da Justiça, devolveu 27 processos de demarcação à Fundação Nacional do Índio (Funai), no primeiro semestre de 2019, para que fossem revistos”, alerta o relatório, o que “implica maiores obstáculos, senão o próprio impedimento, ao cumprimento dos direitos constitucionais dos indígenas que reivindicam os seus territórios ancestrais”.

António Cerqueira de Oliveira, secretário executivo do CIMI, não tem dúvidas: “Esta realidade muito negativa reflete a situação que vivemos no Brasil desde a posse do Presidente Jair Bolsonaro, no início de 2019, afirmou em entrevista ao Crux.

Assumindo que as administrações anteriores não conseguiram concretizar políticas eficazes para garantir os direitos dos indígenas, o responsável salienta que “pelo menos não incentivaram as pessoas a agirem contra eles”, tal como acontece com o atual Governo.

O secretário executivo do CIMI garante, por isso, que este organismo continuará a denunciar os delitos governamentais em relação aos povos indígenas. “É uma oportunidade que estamos a dar a este Governo para refletir sobre os seus erros”, conclui.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco