Bispo de Díli já pediu

Uma universidade católica para breve em Timor

| 21 Jul 21

secretárias escola

A língua oficial de ensino na futura universidade será o português e há já 50 professores, todos com mestrado e doutoramento, candidatos a ensinar. Foto: Direitos reservados.

 

Uma universidade católica pode nascer dentro de poucos meses – três a seis – se o Ministério do Ensino Superior, Ciência e Cultura (MESCC) der luz verde ao pedido apresentado pelo Instituto Religioso Católico, da arquidiocese de Díli. Essa é, pelo menos, a garantia dada por um funcionário governamental citado pelo Vatican News nesta quarta-feira, 21 de Julho.

A mesma fonte adianta que o pedido foi apresentado formalmente ao MESCC pelo arcebispo Virgílio do Carmo da Silva no passado dia 16. “É a realização de um sonho não só meu, mas de toda a Arquidiocese de Díli, afirmou o bispo, membro dos Salesianos.

D. Virgílio esclareceu que a ideia foi apoiada e promovida desde o tempo em que a diocese era dirigida por D. Carlos Filipe Ximenes Belo enquanto bispo de Díli (1983-2002) e pelo seu sucessor, Alberto Ricardo da Silva (2004-15).

“Começaremos com faculdades que cobrem as ciências sociais, educação e ciências humanas. E no próximo ano vamos instituir outras duas faculdades de agricultura e medicina”, explicou o bispo, citado pela mesma fonte. A teologia já é ensinada na formação dos seminaristas.

De facto, já nos anos 1990 houve vários contactos do bispo Ximenes com a Universidade Católica Portuguesa (UCP). Mas, depois, esses contactos passaram a ser feitos directamente com instituições do Vaticano, disse ao 7MARGENS o padre Peter Stilwell, ex-reitor da Universidade de São José, em Macau, e antigo director da Faculdade de Teologia da UCP. Enquanto responsável da UCP e, depois, já em Macau, Stilwell esteve em Timor para averiguar das hipóteses de colaboração.

“Já não é a primeira vez que se fala disso e o bispo de Baucau [D. Basílio do Nascimento] tinha também esse desejo. Se agora o conseguirem é excelente, seria importante haver uma universidade católica em Timor-Leste”, diz.

Ainda segundo o Vatican News, a língua oficial de ensino na futura universidade será o português. E há já 50 professores, todos com mestrado e doutoramento, candidatos a ensinar. Para a estrutura, a universidade seria acolhida para já pelo Instituto de Ensino Superior de São José, em Balide, nos arredores de Dili, cujo edifício já está concluído a 80%, diz o bispo.

“A qualidade será o grande desafio”, diz o padre Peter Stilwell, admitindo que o nível de ensino pré-universitário e universitário está ainda a dar os primeiros passos na integração internacional. “Uma universidade leva muito tempo a formar e a atingir patamares de qualidade”, acrescenta.

Antiga colónia portuguesa, descolonizada em 1975 e ocupada pela Indonésia no final do mesmo ano, Timor-Leste resistiu tenazmente ao seu vizinho gigante e acabou por, na sequência de um referendo aceite pela Indonésia, proclamar a independência reconhecida internacionalmente desde 20 de Maio de 2002. Além das Filipinas, Timor-Leste é o outro país da Ásia com maioria católica, com a quase totalidade da sua população de 1 milhão e 300 mil habitantes a confessar-se católica.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This