Uma voz que clamou pela Justiça. Homenagem a Luís Moita (1939-2023)

| 1 Fev 2023

Luís Moita

“O jovem padre Luís Moita, doutor em Teologia e pároco de um bairro operário de Lisboa, que me impressionou pela sua elegância natural, o seu espírito crítico, as suas convicções sociais e a sua abertura ecuménica.”  Foto: Luís Moita na sua “Última Lição”, na Universidade Autónoma de Lisboa, em Julho de 2019. © Departamento de Comunicação da UAL

 

Lembro-me de ser um jovem estudante de Teologia, da Igreja Presbiteriana, quando encontrei o Luís, na década de 1960, uma época de forte turbulência, mas igualmente de intensos debates e reflexões sobre o papel da Igreja na sociedade. Foi durante um colóquio organizado por católicos anticonformistas (“Deus o que é?”), ligados à revista O Tempo e o Modo, que travei conhecimento com o jovem padre Luís Moita, doutor em Teologia e pároco de um bairro operário de Lisboa, que me impressionou pela sua elegância natural, o seu espírito crítico, as suas convicções sociais e a sua abertura ecuménica.Entretanto, como muitos outros, ele afastou-se do ministério devido à sua insatisfação com uma Igreja cúmplice da opressão colonial e sem voz diante das desigualdades que afetavam Portugal e o Mundo. Mas também, tal como muitos outros, prosseguiu a sua atividade “pastoral” na sociedade, como cristão mais comprometido com os valores do Evangelho do que com as instituições eclesiásticas.

Poucos sabem que, no fim dos anos 70, o Luís teve a oportunidade de ensinar a Ética no Seminário Evangélico de Teologia, uma instituição onde se formavam os responsáveis das Igrejas Presbiteriana, Lusitana e Metodista e onde igualmente ensinei nesses mesmos anos. Gostaria de expressar aqui a minha imensa gratidão pessoal, como ex-colega e pastor protestante, pela colaboração do Luís nessa aventura ecuménica. Ele foi, para todos nós, o rosto de um catolicismo dialogante e respeitador do pluralismo confessional. A sua participação, como nosso delegado no colóquio das Faculdades de Teologia protestantes dos países latinos da Europa que, aliás, chegou a presidir, dignificou o nosso país e o trabalho teológico de dimensão ecuménica que dificilmente aqui realizamos.

De maneira muito protestante dedico-lhe o célebre versículo de Timóteo 4, v.7, parafraseando-o: Luís, combateste o bom combate, acabaste a carreira e guardaste a fé!

a que acrescento dialeticamente umas estrofe do poema de Ruy Belo Nós os vencidos do catolicismo:

Nós que perdemos na luta da fé
não é que no mais fundo não creiamos
mas não lutamos já firmes e a pé
nem nada impomos do que duvidamos

  

Joel L. Pinto é pastor da Igreja Presbiteriana em Portugal e da Igreja Reformada Suíça em Neuchatel e animador do blogue Itinerários

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This