Conferência em Paris

UNESCO, Cáritas e Santa Sé pedem “mulheres na liderança para uma sociedade justa”

| 28 Out 2022

stefania giannini fala em conferencia sobre direitos das muleres na UNESCO FOTO CARITAS INTERNATIONALIS

Stefania Giannini, vice-diretora geral para educação da UNESCO, alertou para o facto de que “muitas mulheres continuam a ser iletradas, especialmente no Sul Global”. Foto © Caritas Internationalis.

 

A sede da UNESCO, em Paris, acolheu nesta quinta e sexta-feira, 27 e 28 de outubro, uma conferência internacional para refletir sobre algumas das questões mais urgentes em torno dos direitos das mulheres. Promovida em parceria com a Caritas Internationalis e pela Santa Sé, a iniciativa, intitulada “A face completa da Humanidade: Mulheres na liderança para uma sociedade justa”, contou com mais de 200 participantes de todo o mundo e com o olhar atento, ainda que à distância, do Papa Francisco.

Às mulheres devem ser confiadas funções e responsabilidades maiores. Quantas opções de morte seriam evitadas se estivessem precisamente as mulheres no centro das decisões”, escreveu Francisco na sua conta de Twitter no primeiro dia do encontro, que coincidiu com a data de divulgação do Documento de Trabalho da Etapa Continental do Sínodo, onde surgia o apelo de católicos do mundo inteiro para que, precisamente, as mulheres possam “participar plenamente na vida da Igreja”. 

Na abertura dos trabalhos, que contaram com a intervenção de 30 palestrantes ao longo dos dois dias, o secretário-geral da Caritas Internationalis, Aloysius John, afirmou que “não se pode imaginar uma sociedade justa sem que as mulheres sejam consideradas iguais na sua construção”.

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, e a irmã Alessandra Smerilli, secretária do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, que tiveram a palavra durante logo no primeiro dia, manifestaram estar totalmente de acordo. “A sociedade tem, em larga medida, uma dívida com as mulheres que estão empenhadas nos vários setores da atividade educativa, muito para lá da família”, sublinhou Parolin. Já a irmã Smerilli destacou “a inteligência emocional e a colaboração inspiradora” como forças específicas da liderança feminina, e deixou uma questão no ar: “As respostas à pandemia parecem ser mais eficazes em países onde as mulheres têm responsabilidade. Será porque elas têm experiência em cuidar?”.

O padre Vyacheslav Grynevych, secretário-geral da Cáritas Ucrânia, disse por seu lado estar “convencido de que as mulheres, em especial, merecem ter as suas histórias contadas, para que o horror da guerra nunca lhes roube a sua dignidade”. E foi precisamente a sua história que Jasvinder Sanghuera, fundadora do Karma Nirvana (um abrigo para mulheres asiáticas em Inglaterra), foi a Paris contar.

Jasvinder apresentou-se como “uma sobrevivente do casamento forçado”, que aos 15 anos foi obrigada pela família a deixar a escola para casar com um homem que só havia visto em fotografia. Recusou, fugiu de casa, foi deserdada pelos pais, que estiveram sem lhe falar durante os 42 anos seguintes. E nesta conferência partilhou a forma como o ativismo “pode mudar as coisas”.

No segundo dia, Marianna Zanette, médica pertencente à organização não-governamental Doctors with Africa CUAMM, defendeu ser “essencial promover educação escolar sobre temas de saúde e nutrição para o bem-estar das mulheres”, e Stefania Giannini, vice-diretora geral para educação da UNESCO, alertou para o facto de que “muitas mulheres continuam a ser iletradas, especialmente no Sul Global”, assegurando que “a UNESCO está a apoiar as comunidades” para que as raparigas possam prosseguir os seus estudos além do primeiro e segundo ciclos.

Entre os oradores, esteve também Hayat Sindi, biotecnologista da Arábia Saudita e uma das primeiras mulheres membros da Assembleia Consultiva daquele país. “Precisamos de ensinar à nossa geração mais jovem – rapazes e raparigas – que está certo olhar para a beleza da ciência , ver a história da ciência e como ela toca os humanos”, e incentivar particularmente as raparigas a seguir carreiras na ciência, tecnologia, engenharia e matemática. A fraca representatividade das mulheres na ciência é um problema geral, e não apenas do mundo árabe, alertou Sindi.

A frase com que o Papa terminou a sua partilha no Twitter resume o espírito das várias intervenções: “Empenhemo-nos para que [as mulheres] sejam mais respeitadas, reconhecidas e envolvidas”.

 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This