“Unicamente o vento…”

| 9 Nov 19 | Entre Margens, Últimas

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria. Na relação e na dependência. Na memória construída e a construir. Dos que partem e pelos que ficam.

Pneumaruah, espírito. A Vida é um sopro. E continua. Na poesia. No poeta.

Como destino traçado no dealbar, o poeta vem da terra, do pó mais fino para derrubar os poderes da cidade corrompida. Na busca “De um país liberto De uma vida limpa E de um tempo justo”.

O olhar sensível do poeta é como punhal na ferida aberta pela derradeira contemplação. Conjuga os astros. Alinha os planetas. Procura. Na penumbra do absurdo. Num “Caminho ao longo dos oceanos frios”. E as ondas ressoam como trovões. E há uma voz. Uma oração. Um medo de não ter medo da opção irreversível.

O poeta vê para lá do óbvio.

Como sentinela responde ao íntimo chamamento para renascer todos os dias. No que vê. No que ouve. No que lê. E não ignora.

“Por muito que eu te chame e te persiga”, quem fica indiferente? O vento muda. “Unicamente o vento…”

Se encontra é porque procura. Se procura é porque encontra. O inexplicável inquieta. A procura é incessante.

Ainda há tempo? Hölderlin intrigava-se num Poema conciso: “Porque és tão curto?” No tempo que devora – kronos – que se esgota, ou no tempo oportuno – kairós – que não cede ao inevitável, há todo um Tempo para ser o que se diz, para dizer o que se é. Do tudo e do Todo. O Tempo da poesia. Que rasga os véus. Que desoculta.

E revelam-se os rostos desta gente que é e que somos. Aqui e agora. No sopro de Sophia. Na definitiva poesia do encontro. De Deus e dos deuses.

 

Joaquim Franco é jornalista e trabalha na SIC; este texto é uma versão adaptada de outro publicado em julho de 2014, na página da SIC Notícias na internet, a propósito da trasladação dos restos mortais de Sophia de Mello Breyner para o Panteão Nacional.)

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco