“Unidos contra o Desperdício”: matar a fome com a comida que sobra

| 30 Set 2020

Um dos cartazes de divulgação do novo movimento cívico. 

 

Sabia que um terço dos alimentos diariamente produzidos no planeta acaba por ir parar ao lixo, ao mesmo tempo que está a aumentar o número de pessoas e comunidades que passam fome? E que, em Portugal, se calcula que um milhão de toneladas de comida são desperdiçadas?

Foi para combater o problema do desperdício alimentar que foi constituído nesta terça-feira, 29, o Movimento cívico Unidos Contra o Desperdício, que junta a rede de bancos alimentares e outras iniciativas de aproveitamento de comida, entre muitas outras organizações de cariz socio-económico e de interajuda, do setor público e privado.

“Unidos Contra o Desperdício” nasce precisamente no Dia Internacional da Consciencialização Sobre Perda e Desperdício Alimentar, instituído pela assembleia geral da ONU, tendo sido a “primeira vez” que a efeméride foi celebrada no mundo inteiro.

O movimento, diz-se no seu Manifesto, “não visa substituir nenhum ator, dá palco a todos os que lutam ativamente contra o desperdício alimentar e quer tornar habitual o aproveitamento de excedentes, alertar para perdas e desperdícios, incentivar e facilitar a doação das sobras e promover o consumo responsável”.

“Tornar habitual o aproveitamento de excedentes, alertar para perdas e desperdícios, incentivar e facilitar a doação das sobras e promover o consumo responsável” são objetivos do movimento.

 

Esta iniciativa que agora ganha expressão e dimensão em Portugal inscreve-se num grande esforço que vem sendo feito internacionalmente, nomeadamente por iniciativa da FAO (Organização para a Agricultura e a Alimentação) das Nações Unidas.

O paradoxo da fome e destruição, de um lado, e da perda e desperdício alimentar, por outro, tem sido um assunto glosado e refletido pelo Papa Francisco. “É cruel, injusto e paradoxal que hoje haja alimento para todos e que nem todos tenham acesso a eles ou que existam regiões do mundo em que o alimento é desperdiçado, deitado fora, consumido em excesso ou que a comida seja destinada a outros propósitos que não são alimentares”, escreveu, numa mensagem a propósito do Dia Mundial da Alimentação, em 2019.

O Papa denuncia a lógica de mercado que tende a considerar a comida como “mero produto do comércio, sujeito a especulações financeiras e distorcendo o seu valor cultural, social e social, marcadamente simbólico”. “Não nos podemos esquecer – alerta – de que o que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This