Casos remontam à década de 50

Universidade de Stanford pede desculpa por ter discriminado judeus

| 17 Out 2022

estudantes stanford university oto redtirada da página de fb da instituição

Para “melhorar a vida judaica no campus”, estão previstas ações de formação contra o preconceito, e também a oferta de um programa de refeições kosher. Foto © Stanford University.

 

A Universidade de Stanford, localizada no estado norte-americano da Califórnia e uma das mais prestigiadas instituições de ensino superior no mundo, apresentou um pedido público de desculpas à comunidade judaica pelo facto de ter limitado a admissão de estudantes judeus durante a década de 50, e por não ter reconhecido esse erro no período que se lhe seguiu.

Por iniciativa da própria universidade, foi constituído no início deste ano um grupo de trabalho com o objetivo de analisar esse período da história da instituição. A equipa, liderada pelo professor Ari Y. Kelman (um dos principais especialistas em judaísmo nos Estados Unidos da América), divulgou em setembro um relatório onde se confirmava que Stanford tinha recorrido à utilização de cotas para limitar o número de estudantes judeus durante a década de 50.

“Em nome da Universidade de Stanford, desejo pedir desculpas à comunidade judaica e a toda a nossa comunidade universitária, tanto pelas ações documentadas neste relatório para suprimir a admissão de estudantes judeus na década de 1950, como pelas negações da universidade dessas ações no período que se seguiu”, pode ler-se na carta escrita pelo Presidente da universidade, Marc Tessier-Lavigne, citada no Jewish News.

Este “elemento feio da história de Stanford, confirmado pelo novo relatório, é entristecedor e profundamente preocupante. Essas ações estavam erradas. Elas foram prejudiciais. E elas não foram reconhecidos durante muito tempo”, acrescentou o responsável pela instituição.

A universidade tomou ainda a iniciativa de pedir aos elementos do grupo de trabalho que fizessem recomendações “para melhorar a vida judaica no campus”. Estão, assim, previstas ações de formação contra o preconceito, nomeadamente o antissemitismo, e também a oferta de um programa de refeições kosher (produzidas segundo as especificações da lei judaica).

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This