Casos remontam à década de 50

Universidade de Stanford pede desculpa por ter discriminado judeus

| 17 Out 2022

estudantes stanford university oto redtirada da página de fb da instituição

Para “melhorar a vida judaica no campus”, estão previstas ações de formação contra o preconceito, e também a oferta de um programa de refeições kosher. Foto © Stanford University.

 

A Universidade de Stanford, localizada no estado norte-americano da Califórnia e uma das mais prestigiadas instituições de ensino superior no mundo, apresentou um pedido público de desculpas à comunidade judaica pelo facto de ter limitado a admissão de estudantes judeus durante a década de 50, e por não ter reconhecido esse erro no período que se lhe seguiu.

Por iniciativa da própria universidade, foi constituído no início deste ano um grupo de trabalho com o objetivo de analisar esse período da história da instituição. A equipa, liderada pelo professor Ari Y. Kelman (um dos principais especialistas em judaísmo nos Estados Unidos da América), divulgou em setembro um relatório onde se confirmava que Stanford tinha recorrido à utilização de cotas para limitar o número de estudantes judeus durante a década de 50.

“Em nome da Universidade de Stanford, desejo pedir desculpas à comunidade judaica e a toda a nossa comunidade universitária, tanto pelas ações documentadas neste relatório para suprimir a admissão de estudantes judeus na década de 1950, como pelas negações da universidade dessas ações no período que se seguiu”, pode ler-se na carta escrita pelo Presidente da universidade, Marc Tessier-Lavigne, citada no Jewish News.

Este “elemento feio da história de Stanford, confirmado pelo novo relatório, é entristecedor e profundamente preocupante. Essas ações estavam erradas. Elas foram prejudiciais. E elas não foram reconhecidos durante muito tempo”, acrescentou o responsável pela instituição.

A universidade tomou ainda a iniciativa de pedir aos elementos do grupo de trabalho que fizessem recomendações “para melhorar a vida judaica no campus”. Estão, assim, previstas ações de formação contra o preconceito, nomeadamente o antissemitismo, e também a oferta de um programa de refeições kosher (produzidas segundo as especificações da lei judaica).

 

A freira que quer mobilizar 100 mil religiosas na luta contra o tráfico humano

Irmã Seli Thomas

A freira que quer mobilizar 100 mil religiosas na luta contra o tráfico humano novidade

“Mais de 100 mil religiosas estão na Índia. (…) Se todas trabalhássemos juntas no combate ao tráfico através do nosso próprio ministério, poderíamos salvar muitas vidas”. O apelo foi lançado pela irmã Seli Thomas (religiosa indiana das Irmãs Catequistas de Maria Imaculada Auxiliadora), durante o encontro da AMRAT – Talitha Kum, aliança internacional de religiosas contra o tráfico, que decorreu no passado fim de semana na Índia.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Em cada oportunidade, estás tu”

Ajuda em Ação lança campanha para promover projetos de educação e emprego

“Em cada oportunidade, estás tu” é o mote da nova campanha de Natal da fundação Ajuda em Ação, que apela a que todos os portugueses ofereçam “de presente” uma oportunidade a quem, devido ao seu contexto de vulnerabilidade social, nunca a alcançou. Os donativos recebidos revertem para apoiar os programas de educação, empregabilidade jovem e empreendedorismo feminino da organização.

Amnistia pede a líderes africanos na COP28 que se unam em defesa dos direitos humanos

Alertando para "erros" do passado

Amnistia pede a líderes africanos na COP28 que se unam em defesa dos direitos humanos novidade

Os líderes africanos que vão participar na cimeira sobre o clima das Nações Unidas, COP28, “devem evitar os erros cometidos durante a Cimeira Africana do Clima”, que decorreu no passado mês de setembro, e na qual adotaram a Declaração de Nairobi sobre as Alterações Climáticas e Apelo à Ação. Porque esta, “em muitos aspetos, não deu prioridade efetiva aos direitos humanos e à justiça climática para o continente”, alertou a Amnistia Internacional.

Plataforma PAJE e associação ProChild distinguidas com o Prémio Direitos Humanos 2023

Iniciativa da Assembleia da República

Plataforma PAJE e associação ProChild distinguidas com o Prémio Direitos Humanos 2023 novidade

Duas organizações que têm trabalhado na área da proteção das crianças foram as escolhidas pela Assembleia da República para receber o Prémio Direitos Humanos 2023: a P.A.J.E. – Plataforma de Apoio a Jovens ex-Acolhidos e o ProChild – Laboratório Colaborativo. Será ainda atribuída a Medalha de Ouro Comemorativa do 50.º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos aos membros da extinta Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, adianta um comunicado divulgado pelo Parlamento.

Igreja: não nos serve uma simples administração

Igreja: não nos serve uma simples administração novidade

Falemos claro, sem personalizar ou localizar, mas pelo que acontece, quase sempre e em toda a parte, nos mesmos cargos, e nas mesmas circunstâncias. Intervenhamos numa atitude conventual, numa expressão que hoje praticamente não se usa e nem sei se se pratica, a chamada “correcção fraterna”. Quero referir-me aos últimos acontecimentos, particularmente, na Igreja; novos Bispos sagrados e novos cardeais purpurados ou investidos e também novas colocações de Párocos. (Serafim Falcão)

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This