Internautas escolheram

“Vacina” é palavra do ano em Portugal

| 4 Jan 2022

“Vacina” é a palavra do ano de 2021, anunciou a Porto Editora, que, desde há cerca de uma década, organiza em Portugal o processo de selecção da palavra que melhor retrata o ano.

“Vacina” foi escolhida por 15 mil dos 35 mil votantes, o que correspondeu a 45% dos votos. No lugar seguinte, encontra-se a palavra “resiliência”, com 30,5% dos votos (ver, a propósito dela, a crónica de Eduardo Jorge Madureira no 7MARGENS). Com votações menos significativas, surgem depois teletrabalho (9,2%), bazuca (6,5%), criptomoeda (2,9%), podcast (1,9%), orçamento (1,4%), mobilidade (0,9%), apagão (0,7%) e moratória (0,6%).

Presente na sessão de anúncio da palavra do ano, António Sarmento, diretor do Serviço de Infecciologia do Centro Hospitalar Universitário São João e primeiro vacinado em Portugal, afirmou que a escolha de “vacina” não era surpreendente.

“Vacina” sucede a “saudade”, palavra escolhida em 2020. A lista de palavras do ano inclui “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015), “geringonça” (2016), “incêndios” (2017), “enfermeiro” (2018) e “violência doméstica” (2019).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Festival D’ONOR: a cultura com um pé em Portugal e outro em Espanha

Este fim de semana

Festival D’ONOR: a cultura com um pé em Portugal e outro em Espanha novidade

Está de regresso, já a partir desta sexta-feira, 19 de julho, o evento que celebra a cooperação transfronteiriça e a herança cultural de duas nações: Portugal e Espanha. Com um programa “intenso e eclético”, que inclui música, dança, gastronomia e outras atividades, o Festival D’ONOR chega à sexta edição e estende-se, pela primeira vez, às duas aldeias.

Bonecos de corda e outras manipulações

Bonecos de corda e outras manipulações novidade

“Se vivermos em função do loop que as redes sociais e outros devoradores de dados nos apresentam, do tipo de necessidades que vão alimentando e das opiniões e preconceitos que vão fabricando, vivemos uma fraca vida. Essa será, sem dúvida, uma vida de prazo expirado, por mais que o dispositivo seja de última geração e as atualizações estejam em dia.” – A reflexão de Sara Leão

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This