Anúncio da OMS

Vacina “histórica” contra a malária nas crianças

| 11 Out 2021

Redes mosquiteiras são importante prevenção contra a malária. Foto © UNICEF/Frank Dejongh.

 

Com as atenções do mundo ainda centradas na pandemia da covid-19, que deixou um rasto de morte em todos os continentes, a Organização Mundial de Saúde (OMS) fez um anúncio histórico de uma vacina contra a malária para crianças em risco.

Os dados dizem que, desde 2000, as mortes caíram para mais de metade e a doença foi erradicada em muitas partes do mundo, mas para o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, este progresso estagnou num nível “inaceitavelmente alto”, com mais de 200 milhões de casos que ocorrem ainda por ano. E dois terços das pessoas que morrem da doença são crianças menores de cinco anos em África.

“A tão esperada vacina contra a malária para crianças é um avanço para a ciência, para a saúde infantil e para o controlo da malária”, apontou Tedros Adhanom Ghebreyesus, no dia 6 de outubro, citado pelos serviços informativos das Nações Unidas. À semelhança da covid-19, a prevenção da doença deve continuar a ser um objetivo. “Usar esta vacina, além das ferramentas existentes para prevenir a malária, pode salvar dezenas de milhares de vidas jovens a cada ano.”

O uso de redes mosquiteiras nas camas, por exemplo, mantém-se como um dos instrumentos mais eficazes nesta prevenção, mas esta vacina, classificada pela OMS como “histórica”, pode acelerar a diminuição de casos da doença.

Ghebreyesus disse que o mundo fez “progressos incríveis” na luta contra a malária nas últimas duas décadas.

Principal causa de morte infantil

O parasita da malária é transmitido principalmente por mosquitos infetantes e transportado no sangue, após a picada. Não é contagioso de pessoa para pessoa e os sintomas incluem febre ou doença semelhante à gripe, náuseas e vómitos e, se não for tratada, pode ser fatal. Nos dias de hoje mata mais de 400 mil pessoas por ano em todo o mundo. 

Projeto-piloto de vacinação contra malária está no terreno desde 2019. Foto: Twitter OMS.

 

Estes dados reforçam o carácter inédito da notícia e, também por isso, Tedros reagiu no dia 6 de outubro na conta da OMS no Twitter, recordando o seu percurso científico. “Como alguns de vocês devem saber, eu comecei a minha carreira como investigador da malária e ansiava pelo dia em que teríamos uma vacina eficaz contra essa doença milenar e terrível. Hoje é esse dia, um dia histórico.”

Segundo as Nações Unidas, “a malária continua a ser a principal causa de doença infantil e morte na África subsariana. Mais de 260 000 crianças africanas com menos de 5 anos morrem de malária anualmente.

A imunização deve ser administrada em regiões com transmissão moderada a alta, com a aplicação de quatro doses, em crianças a partir dos 5 meses.

De acordo com Tedros, o projeto-piloto, que estava a ser aplicado desde 2019, mostrou que a vacina pode ser facilmente aplicada em postos de saúde infantil, alcançando uma elevada cobertura de crianças. Há uma forte procura da comunidade e a vacina tem um “amplo alcance para as crianças, incluindo as mais vulneráveis que não podem usar redes mosquiteiras” para impedir a entrada de mosquitos, e é altamente económico.

A diretora regional da OMS para África, Matshidiso Moeti, disse que, “durante séculos, a malária perseguiu a África subsariana, provocando um imenso sofrimento pessoal”. Esta especialista em saúde pública vincou também a importância do anúncio. “Há muito que esperamos por uma vacina eficaz contra a malária e agora, pela primeira vez, temos uma vacina recomendada para uso generalizado”, disse Moeti.

A recomendação agora feita “oferece um vislumbre de esperança para o continente que carrega o fardo mais pesado da doença”. E concluiu, com um horizonte de otimismo: “Esperamos que muito mais crianças africanas fiquem protegidas da malária e se tornem adultos saudáveis.”

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This