Vacinas para todos e em primeiro lugar para os mais vulneráveis, pediu o Papa na bênção “urbi et orbi”

| 26 Dez 2020

Na sua mensagem de Natal, o Papa fez uma volta ao mundo das maiores situações de sofrimento, incluindo uma referência a Cabo Delgado. E pediu o acesso à vacina contra a covid-19 por parte dos mais vulneráveis e necessitados. E insistiu: “Em primeiro lugar, os mais vulneráveis e necessitados!” O Vaticano anunciou, entretanto, a oferta de quatro mil testes para os sem-abrigo da cidade de Roma.

Imagem da transmissão vídeo da mensagemde Natal 2020 do Papa Francisco

 

“Vacinas para todos, especialmente para os mais vulneráveis e necessitados em todas as regiões da Terra. Em primeiro lugar, os mais vulneráveis e necessitados!” – foi este o apelo do Papa Francisco na mensagem que proferiu neste dia de Natal, antes da bênção urbi et orbi (à cidade e ao mundo), durante o qual evocou igualmente a situação de terrorismo em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique.

O apelo papal surgiu no contexto da interpretação que Francisco faz do Natal: a celebração da luz de Cristo, “que vem ao mundo e vem para todos: não apenas para alguns”. O “Menino – Jesus – ‘nasceu para nós’: um ‘nós’ sem fronteiras, sem privilégios nem exclusões”, sublinhou.

Francisco vê a descoberta das vacinas para a covid-19 como uma das “luzes de esperança” na atualidade. “Mas, para que estas luzes possam iluminar e dar esperança ao mundo inteiro, é preciso que sejam colocadas à disposição de todos. Não podemos deixar que os nacionalismos fechados nos impeçam de viver como a verdadeira família humana que somos. Nem podemos deixar que nos vença o vírus do individualismo radical, tornando-nos indiferentes ao sofrimento de outros irmãos e irmãs. Não posso passar à frente dos outros, colocando as leis do mercado e das patentes de invenção acima das leis do amor e da saúde da humanidade”, observou o Papa, antes de se dirigir enfaticamente aos que têm poder e responsabilidade nesta matéria, nestes termos:

“Peço a todos, nomeadamente aos líderes dos Estados, às empresas, aos organismos internacionais, que promovam a cooperação, e não a concorrência, na busca duma solução para todos: vacinas para todos, especialmente para os mais vulneráveis e necessitados em todas as regiões da Terra. Em primeiro lugar, os mais vulneráveis e necessitados!”.

Francisco recordou também os que, em tempos de pandemia, merecem a solidariedade e generosidade de todos, especialmente “as pessoas mais frágeis, os doentes e quantos nesta altura se encontram desempregados ou estão em graves dificuldades pelas consequências económicas da pandemia, bem como as mulheres que nestes meses de confinamento sofreram violência doméstica”.

O Papa aludiu, depois, a situações de violência, de crise ou de desastres naturais, em diferentes partes do mundo, não esquecendo os habitantes da região de Cabo Delgado, a quem desejou que o Deus Menino traga conforto.

“Neste momento histórico, marcado pela crise ecológica e por graves desequilíbrios económicos e sociais, agravados pela pandemia do coronavírus, precisamos mais do que nunca de fraternidade” – afirmou ainda Francisco, concretizando: “(…) não uma fraternidade feita de palavras bonitas, ideais abstratos, vagos sentimentos (…) mas uma fraternidade baseada no amor real, capaz de encontrar o outro diferente de mim, de compadecer-me dos seus sofrimentos, aproximar-me e cuidar dele, mesmo que não seja da minha família, da minha etnia, da minha religião; é diferente de mim, mas é meu irmão, é minha irmã. E isto é válido também nas relações entre os povos e as nações: todos irmãos”.

 

(no vídeo a seguir, um excerto da mensagem do Papa, com legendagem em português:)

 

Papa doa 4000 testes para sem-abrigo de Roma

O Papa ofereceu à cidade de Roma 4000 testes à covid-19, destinados aos sem-abrigo da capital italiana, informou o Vaticano, citado pela agência Ecclesia.

A iniciativa contou com a participação da Esmolaria Apostólica da Santa Sé.

Os testes foram entregues ao Vaticano pela presidente da Eslovénia, após uma audiência com o Papa.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This