Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

| 12 Jun 2024

Santuário do Santo Cristo da Caldeira, na Ilha de São Jorge. Foto Agência Ecclesia

O Santuário do Santo Cristo da Caldeira, na Ilha de São Jorge, deverá ser o local escolhido para a nova iniciativa dirigida aos jovens. Foto © Agência Ecclesia

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: eis uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Com vista à celebração do Jubileu da Esperança, convocado pelo Papa Francisco para 2025, o Conselho sugeriu ao bispo Armando Esteves Domingues não apenas esta, mas “uma série de ações pastorais a celebrar todos os meses e em todas as ilhas, que evoquem o sentido da esperança cristã”, nomeadamente ” a criação de Itinerários Jubilares em todas as ilhas, com lugares definidos para peregrinações e romarias, especialmente de jovens, que evoquem a esperança e a paz, numa dinâmica de Ecologia Integral”, pode ler-se no comunicado final do encontro.

Participaram na reunião 43 conselheiros, na grande maioria leigos de todas as ilhas e áreas da pastoral diocesana, assim como quatro observadores, convidados pelo bispo diocesano. Os participantes concordaram por “unanimidade” em estimular uma “Igreja em saída missionária e hospital de campanha”, promovendo uma “pastoral do convite pessoal a leigos para projetos concretos da Igreja”.

Conselho Pastoral Diocesano, reunido de 8 a 10 junho 2024. Foto: Igreja Acores/CR

Participaram na reunião 43 conselheiros, na grande maioria leigos de todas as ilhas e áreas da pastoral diocesana. Foto: Igreja Acores/CR

O Conselho insistiu na importância de medidas concretas que “recuperem o dinamismo comunitário, incentivando a realização de retiros, espaços de aprofundamento espiritual, grupos de oração e reflexão, que envolvam especialmente os jovens e as famílias, de modo a promover a paixão por Jesus Cristo, centro de toda a ação da Igreja”.

Sem esquecer “a necessidade de uma `Igreja Samaritana´ nos Açores”, que seja “casa de proximidade, hospitalidade e empenho na pastoral sócio-caritativa e na pastoral do acolhimento de pessoas em situação de pobreza, de exclusão social, de vulnerabilidade, com deficiência, em situação de migrantes, em condição de sem-abrigo, entre outros”, o Conselho Pastoral lembrou ainda que “a Igreja está inserida no mundo e também é mundo”. Nesse sentido, propôs “o incremento de estruturas de diálogo com a Cultura, com a Economia, a Política, a sociedade em geral, de modo a que, a Igreja não chegue tarde e com respostas sempre negativas aos desafios e contradições que o mundo lhe coloca”.

Os trabalhos do encontro desenvolveram-se de “forma sinodal”, à semelhança do modelo experimentado pelo Papa Francisco na XVI Assembleia do Sínodo sobre a Sinodalidade, isto é, “sem uma presidência formal, com seis grupos formados, desde o início ao fim, onde se debateram os temas propostos”. Uma estratégia que “revelou ser uma forma mais ágil e próxima de conduzir os trabalhos”, concluiu o Conselho Pastoral Diocesano de Angra.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This