Vamos chamar os bois pelos nomes?

| 20 Mai 20

O vírus toca a todos. Dizem que é democrático e que para ele todos somos iguais, mas também nesta matéria se verifica o velho princípio orwelliano de que existem uns cidadãos mais iguais do que outros.

 

Helena Roseta diz que “a covid-19 é um grande revelador das desigualdades económicas, sociais, ambientais e até geracionais”. Está provado que as camadas mais pobres e excluídas da população são os mais vulneráveis à pandemia da covid-19. Os Estados Unidos atestam esta ideia de forma gritante.

No Michigan as disparidades sociais geram também desigualdades na pandemia, tornando as comunidades afro-americanas – com taxas superiores de diabetes e pressão arterial elevada – mais vulneráveis. De acordo com a revista New Yorker: “Apesar de apenas 14% das pessoas neste estado serem afro-americanas, representam 40% dos infetados com o novo coronavírus. Em Detroit, onde 79% da população é negra e 36% está abaixo do limiar da pobreza, a taxa de incidência da diabetes é o dobro da média nacional.” Os números não enganam: “No Illinois 43% das pessoas que morreram com a covid-19 e 28% dos que testaram positivo são afro-americanas; no Louisiana, 70% dos que morreram são negros (apesar de serem apenas um terço da população); e mesmo a Carolina do Norte e do Sul reportaram uma maior taxa de residentes negros infetados do que de brancos.” Em Detroit há doentes a morrer nos corredores dos hospitais, faltam profissionais de saúde, ventiladores, monitores cardíacos e outros instrumentos e materiais médicos.

A explicação é simples: os afro-americanos são trabalhadores que não conseguem trabalhar a partir de casa, ficando assim em maior risco de infecção. Mas a maior pobreza desta população torna-a mais propícia à doença crónica, além de dispor de menos seguros de saúde, ser mais discriminada, ter hábitos alimentares menos saudáveis, estar mais sujeita ao stresse, ter menos esperança média de vida, e ser menos referenciada para a realização de testes à covid-19. O médico e académico Peter Hotez, afirma mesmo que este surto se tornou uma “doença de desigualdades”, que segue os padrões da pobreza, raça e comorbidade.

Também na Índia o primeiro-ministro Norendra Modri avisou que o país iria entrar em quarentena obrigatória apenas quatro horas antes do seu início, condenado assim à subnutrição e à fome (talvez até à morte) as populações mais pobres, por nem sequer ter dado tempo para as famílias se abastecerem de bens essenciais e alimentares.

Segundo Henrique Barros, presidente do Conselho Nacional de Saúde, em entrevista ao Expresso: “A pobreza é o principal determinante de doença. Podemos não saber muito sobre o vírus, mas sobre a relação da pobreza com a saúde temos conhecimento inequívoco. Podemos não gostar de falar disto, podemos sentir-nos impotentes para mudar a situação, mas não vale a pena fazermos de conta que não o sabemos.”

Por outro lado temos a atitude criminosa de alguns pequenos poderes domésticos. Vários lares de idosos no norte do país organizaram acções na linha da tradição pascal católica do “beijar da cruz” entre os utentes, tradicional no domingo de Páscoa, mesmo contra as recomendações da Direção-Geral da Saúde e da própria Igreja. Esses irresponsáveis usaram máscara mas levaram os idosos a incorrer em perigo de contágio pelo coronavírus, sendo os idosos o principal grupo de risco desta doença. Como alguém disse: “Isto não é religião, é crime organizado”, pelo que não se entende a passividade das autoridades ao não deter tais criminosos. Dizia D. Januário Torgal Ferreira, bispo emérito das Forças Armadas e Segurança, à Visão: “Quando isto terminar, Deus Nosso Senhor não virá perguntar-me, certamente, se participei na Eucaristia. Ele perguntar-me-á, sim, se celebrei a justiça e a fraternidade junto dos doentes, dos pobres, dos desnudados, dos imigrantes e dos refugiados. A Igreja não deve exilar-se da cidadania.”

Em abril Trump mandou cortar o apoio financeiro à Organização Mundial de Saúde (OMS). Só a uma mente doentia poderia ocorrer tão peregrina ideia, em pleno desenvolvimento da pandemia do novo coronavírus. Mas de Trump pode-se esperar tudo e mais alguma coisa.

Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública demonstra que a pandemia ataca mais a saúde e o rendimento dos desfavorecidos.

São os trabalhadores com o salário mínimo e os informais que viram os seus rendimentos reduzidos a zero, em muitos casos. É isto que deve preocupar quem tem alguma sensibilidade social porque traduzem a dura realidade da fome. Mas não é tudo. A UNICEF diz que nos próximos seis meses poderão morrer até 1,2 milhões de crianças em 118 países pobres, como vítimas colaterais da sobrecarga dos sistemas de saúde, provocada pela luta contra a covid-19.

O mundo está cada vez mais desigual.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bispos espanhóis propõem unir “salário familiar” ao rendimento mínimo vital novidade

O secretário geral da conferência episcopal espanhola, Luis Argüello, propôs esta sexta-feira ao governo que, juntamente com o salário mínimo vital, aprovado em abril para as famílias mais pobres, institua o “salário familiar”. Durante uma conferência de imprensa, o bispo auxiliar de Valladolid recordou que esta medida foi proposta há 40 anos por João Paulo II, e pediu que os migrantes em situação administrativa irregular possam também aceder a estas prestações.

Alemanha: Mulheres querem permissão para pregar nas eucaristias novidade

A Comunidade Católica das Mulheres (KFD) da diocese de Münster, na Alemanha, enviou uma carta ao seu bispo, Felix Genn, pedindo-lhe que aprove a pregação por parte de leigos nas eucaristias, o que permitiria às mulheres assumir essa função, até agora exercida exclusivamente por diáconos e padres.

Escuteiros angariaram 66 toneladas de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome novidade

O Corpo Nacional de Escutas (CNE), através dos agrupamentos de escuteiros espalhados por todo o país, reuniu um total de 66 toneladas de alimentos para apoiar o Banco Alimentar Contra a Fome, instituição que este ano se viu impossibilitada de realizar a sua habitual campanha nos supermercados devido à pandemia de covid-19, e à qual têm chegado cada vez mais pedidos de ajuda.

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

O domingo do mistério de Deus novidade

Há cada vez mais teólogos de renome a lastimar um domingo dedicado ao esforço da razão para «explicar» o mistério de Deus que a liturgia cristã celebra neste domingo, 7 de Junho, com o nome de Domingo da Santíssima Trindade… O “mistério de um só Deus” foi substituído por uma “trindade de mistérios”: o de Deus criador, pai e mãe em plenitude; o de um ser humano que se deixou penetrar por Deus sem entraves da sua liberdade, conhecimento e vontade; o da actuação perene de Deus na história humana.

As casas de repouso eterno novidade

As notícias chegam-nos em catadupa. Os nossos entes queridos que já não podiam viver connosco porque a vida frenética que levamos não nos permite cuidar deles e que, por amor, por compaixão e por comodidade, os colocámos nas casas de repouso, estão a morrer às dezenas. Os remorsos invadem-nos o espírito, sem que possamos encontrar uma solução e não vale a pena estar a acusar as instituições ou os funcionários que fazem tudo o que podem para os cuidar.

Peste Malina

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco