Vaticano e China: relações diplomáticas são o limite, liberdade religiosa tem de ser alargada

| 23 Out 20

China e Vaticano anunciaram a renovação, por mais dois anos, do acordo provisório assinado em Setembro de 2018. O cardeal secretário de Estado diz estar consciente de que o documento não pretendia resolver todos os problemas. Agora, há que trabalhar não só pela unidade dos católicos chineses, mas também pela sua liberdade, dizem observadores. E, já agora, das restantes minorias religiosas.

O Papa Francisco, no Vaticano, junto de um grupo de católicos chineses com a bandeira da República Popular: aproximação lenta e apertada, entre críticas. Foto: Direitos reservados.

 

Apesar do aumento das críticas, o Vaticano anunciou esta quinta-feira, 22 de outubro, a renovação, por mais dois anos, do acordo provisório com a China sobre a nomeação de bispos, encarado por observadores como uma preparação para o estabelecimento de eventuais laços diplomáticos com Pequim.

“A Santa Sé considera positiva a aplicação inicial do acordo – que é de grande valor eclesial e pastoral – graças à boa comunicação e cooperação entre as partes sobre as matérias acordadas”, lê-se numa declaração do Vaticano de 22 de Outubro, na qual se reafirma a vontade de “prosseguir um diálogo aberto e construtivo em benefício da vida da Igreja Católica e do bem do povo chinês”.

Apesar de nunca ter sido divulgado publicamente, várias fontes afirmaram, em Setembro de 2018, quando foi assinado, que o acordo seguiria de perto o modelo vietnamita: a Santa Sé pode escolher bispos de uma selecção de candidatos propostos pelo governo. Aliás, este regime é também semelhante ao que vigorou em Portugal durante o regime ditatorial do Estado Novo, até 1974, como há dois anos se explicava aqui.

Após o anúncio do acordo, o Papa Francisco reconheceu formalmente oito bispos que tinham sido nomeados pela Associação Patriótica Católica, sem a permissão do Papa, o que significa que até então, tecnicamente, estavam excomungados.

Na informação divulgada nesta quinta-feira, não há, de novo, quaisquer elementos concretos sobre os termos do acordo, que foi renovado ad experimentum por mais dois anos.

Paolo Affatato, chefe da secção da Ásia na agência Fides, das Obras Missionárias Pontifícias, disse ao Crux que o objectivo final do Vaticano é conseguir estabelecer relações diplomáticas com a China, com Taiwan como moeda de troca, uma opinião partilhada por outros observadores.

“Quando o cardeal [Angelo] Sodano, no tempo de João Paulo II, era Secretário de Estado, disse frequentemente que a Santa Sé estava pronta ‘não amanhã mas hoje’ para fechar a representação diplomática com Taiwan e transferir a nunciatura para Pequim, como era no início”, observa Affatato.

“Originalmente a nunciatura estava na China e só por causa da Revolução Cultural [na China, na década de 1960, em que as perseguições políticas e religiosas se intensificaram] foi transferida temporariamente para Taiwan”, disse, acrescentando o carácter provisório da mudança, que depois se tornou definitiva.

 

Liberdade religiosa em “troca” com Taiwan
Igreja de Cristo Redentor. Taiwan. Catolicismo. China

Igreja de Cristo Redentor em Wufeng, Hsinchu County, Taiwan. Foto © Yuriy kosygin/ Wikimedia Commons

 

O padre Bernardo Cervellera, director da agência AsiaNews, do Instituto Pontifício das Missões Estrangeiras, diz que as relações diplomáticas são também a estratégia da China. Também em declarações ao Crux, Cervellera afirma acreditar que a renovação do acordo “é apenas porque a China está muito interessada em que o Vaticano chegue a relações diplomáticas a fim de cortar os laços com Taiwan”.

“A motivação política da China nesta relação, à qual o ministro dos Negócios Estrangeiros também é muito favorável, é continuar estas relações talvez por mais dois anos e, depois, talvez haja relações diplomáticas”, afirma. Como a Santa Sé é o único aliado diplomático de Taiwan na Europa, qualquer relação formal do Vaticano com a China isolaria Taiwan.

Para Cervellera, a posição de Taiwan pode ainda ser uma estratégia do Vaticano no sentido de promover mudanças mais visíveis em questões como a política do Partido Comunista Chinês para a liberdade religiosa.

“Se a China aceitou outro acordo para a nomeação de bispos, então nestes dois anos eles devem trabalhar para alargar a liberdade religiosa para a Igreja na China”, diz o director da AsiaNews, lembrando que isso implicaria também o reconhecimento dos bispos clandestinos como legítimos; a libertação de bispos presos; e o fim da Associação Católica Patriótica como entidade controladora da Igreja na China.

Se isso não acontecer, Cervellera pensa “que será difícil para o Vaticano romper com Taiwan, porque as relações com Taiwan são a única carta que o Vaticano tem para jogar com a China”.

 

Reconhecer o Papa como líder da Igreja

Francisco na Praça de São Pedro: pela primeira vez, um Papa é reconhecido como parte na nomeação dos bispos. Foto © Ashwin Vaswani/Unsplash

 

Aliás, num artigo que assina na AsiaNews, Cervella escreve que o governo de Pequim sabe disso e essa é a razão para a sua “insatisfação e pronunciamentos minimalistas”. E acrescenta: “Para além das considerações geopolíticas, do ponto de vista da Santa Sé, o acordo tem um enorme valor: pela primeira vez, de uma forma certamente ambígua e ‘secreta’, o pontífice é reconhecido como parte na nomeação dos bispos; o Papa Francisco chegou mesmo a reivindicar ‘a última palavra’ nessas nomeações.”

Em qualquer caso, tanto Cervellera como Affatato sublinham que, embora significativa, a tentativa de aproximação do Vaticano à China não é algo que Francisco traga de novo. Ela tem sido a abordagem consistente da Santa Sé, desde que o Partido Comunista Chinês rompeu as relações em 1949, depois de ter tomado o poder.

“Há 60 anos que o Vaticano tenta ter uma relação com a China. Durante o período de Mao” Zedong, isso não aconteceu, porque o regime se fechou totalmente. Mas a partir do momento em que lhe sucedeu Deng Xiaoping, João Paulo II e Bento XVI, e depois Francisco, tentaram todos ter uma relação com a China”, diz Cervellera.

Affatato acrescenta que foi João Paulo II quem deu o “primeiro impulso” para resolver a questão dos bispos na China, no que foi continuado por Bento XVI e por Francisco. E, do lado de lá, também houve mudanças: a China “mudou muito”, já “não é a China de Mao”.

A questão, diz, é que o acordo é “frágil” e há “enormes problemas com a liberdade religiosa na China”: “90% das coisas da vida da Igreja, não funcionam na China”. Portanto, a liberdade religiosa deveria poder aumentar.

 

“Vender” católicos e dar tudo o que se tem?

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, numa manifestação em 2014. Foto © Wai Wan Tong/Wikimedia Commons

 

Essa é a chave, também, para entender as principais críticas que têm sido feitas ao acordo, com o argumento de que qualquer tipo de acordo com o governo chinês é como vender católicos que foram perseguidos e presos pelo regime comunista, e só permitiria ao Partido Comunista apertar o seu controlo sobre as religiões em geral, em vez de dar mais espaço para respirar.

Na actual administração dos Estados Unidos, o secretário de Estado Mike Pompeo, escreveu em Setembro um artigo na revista religiosa conservadora First Things, antes de uma visita planeada ao Vaticano, exortando a Santa Sé a exercer a sua “autoridade moral”, condenando as violações da liberdade religiosa e dos direitos humanos na China.

Em resposta ao artigo, o Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, disse que estava “surpreendido” e que a revista não era o local certo para ter a discussão. Defendeu também a posição do Vaticano, dizendo que a renovação do acordo foi uma “decisão ponderada” e estava consciente das preocupações com a liberdade religiosa.

O cardeal chinês Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong e principal rosto da oposição à estratégia de aproximação, condenou várias vezes o acordo e a possibilidade da sua renovação. Num artigo recente, acusava o cardeal Parolin de “mentiroso”, questionando a sua fé e argumentando que o acordo trata mais de política do que de evangelização.

Em declarações ao Crux, nesta quinta-feira, Zen disse que a renovação do acordo era um “grande erro”, um “disparate” e um “absurdo”, lamentando que, após dois anos de vigência e apesar de ser chinês, nunca viu o texto. O documento é inútil, acrescentou, porque as autoridades chinesas “não cumprem a sua palavra”.

“Mesmo nestes dois anos, qual é o efeito que tem tido? Nada! O Vaticano não conseguiu nada”, disse o cardeal, insistindo que não houve qualquer sinal de melhoria na questão da liberdade religiosa, mas que há, pelo contrário, “ainda mais perseguição” e que a Igreja clandestina foi “destruída” enquanto o Vaticano dava “tudo o que tinha ao governo chinês”.

 

Trabalhar mais pela liberdade religiosa para todos

uigures, China, Foto_ © Xinjiang Bureau of Justice WeChat Account

Centenas de uigures, uma das minorias religiodsas que tem sido mais perseguida, detidos num campo de educação política em Xinjiang. Foto: © Xinjiang Bureau of Justice, através da Human Rights Watch.

 

Para o padre Cervellera, críticos como o cardeal Zen têm apontado “algumas coisas muito importantes” sobre a falta de liberdade religiosa na China e o historial da nação no que diz respeito aos seus acordos. Se padres e bispos forem forçados a alinharem-se com as autoridades políticas, diz, arriscam a transformar-se em “funcionários do Estado”, em vez de agentes de evangelização.

Nos próximos dois anos, acrescenta, os responsáveis católicos devem “trabalhar por uma maior liberdade religiosa para a Igreja, mas também para os muçulmanos, budistas e protestantes, que são igualmente muito perseguidos pelo regime”.

Paolo Affatato, por seu turno, diz que o acordo “tem um carácter religioso, pastoral”, e como tal “não deveria ter um peso político e geopolítico, como o governo dos EUA” pretende.

O acordo também mostra que o catolicismo “não é uma fé estritamente do Ocidente”, mas universal. E o importante, acrescenta o responsável da Fides, é a unidade e o apreço da comunidade católica chinesa, “em cujo nome ninguém pode falar a não ser eles próprios”.

No mesmo sentido foi a argumentação, na quarta-feira, do cardeal Parolin em defesa do “seu” acordo e quase antecipando a declaração oficial do dia seguinte. Numa intervenção na Universidade Antonianum, em Roma, afirmou que nunca esperou que o acordo resolvesse todos os problemas e manifestou a sua esperança de que “a Igreja na China possa redescobrir, graças a este acordo, a sua unidade e que através desta unidade se possa tornar um instrumento para difundir o evangelho na sociedade chinesa e trabalhar para ajudar a ver um desenvolvimento autêntico para todo o povo do país.”

Citado pela UCA News (agência de jornalistas católicos asiáticos), na mesma ocasião, o número dois do Vaticano disse que para já, não se está a falar de relações diplomáticas e que as necessidades pastorais dos católicos chineses são a principal preocupação do acordo, dizendo ainda esperar que “haja melhorias relativamente ao funcionamento dos termos do acordo”. E garantiu que o acordo não exige que o Vaticano se mantenha em silêncio sobre questões de direitos humanos.

O padre Bernardo Cervellera, da AsiaNews diz ainda que não haver um acordo seria “trabalhar contra um muro”, mas pensa que a Igreja deve ser mais clara em termos de evangelização: “O Vaticano deve encontrar formas, nestes dois anos, de apoiar mais a vida da Igreja”, diz. E, referindo o crescimento maciço do protestantismo na China, acrescenta que “é possível evangelizar sem relações diplomáticas”.

Continuar a ler...

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco