Vaticano, Guterres e o inventor da Internet pedem responsabilidade na rede

| 9 Nov 18 | Ciência, Saúde e Tecnologia, Sociedade

A importância de uma utilização responsável da internet e das redes sociais foi uma das ideias deixada na Web Summit, em Lisboa, pelo secretário do Conselho Pontifício da Cultura e responsável pela comunicação do Vaticano, o bispo irlandês Paul Tighe. Quarta-feira, dia 7, no penúltimo dia de conferências na cimeira tecnológica, Tighe falou num painel de debate sobre a importância da utilização responsável das redes: “A cultura da Internet é algo que é gerado pelos utilizadores, e se nós a usarmos bem, se interagirmos de forma positiva, podemos mudar essa cultura.”

O bispo acrescentou que o que está em causa não é rotular a Internet ou o espaço digital como algo negativo. No entanto, em entrevista à Renascença, deixou um apelo: “Antes de partilharem alguma coisa interroguem-se se é verdade.”

Paul Tighe, que contribuiu para que o Papa Bento XVI passasse a ter uma conta na rede social Twitter referiu-se ainda ao papel da Igreja Católica nas redes sociais como o de “estar presente nesta comunicação, não primeiramente para evangelizar, mas para tomar parte num diálogo”.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que esteve na sessão de abertura, dia 5, reconheceu as vantagens da tecnologia, mas alertou para as dificuldades que ela pode trazer: “Máquinas que têm o poder e a capacidade de escolher para matar pessoas são politicamente inaceitáveis, moralmente repugnantes e devem ser banidas pelas leis internacionais”, disse.

Numa intervenção intitulada “Cultivando um futuro digital que é seguro e benéfico para todos”, o antigo primeiro-ministro português defendeu ainda que cabe a todos os atores da comunidade internacional transformar as potencialidades da evolução digital numa “força do bem”.

Na Web Summit, que terminou na tarde de quinta-feira, dia 8, participaram mais de mil oradores e 70 mil participantes. Um dos primeiros a falar foi Tim Berners-Lee, o inventor da Internet, que defendeu a existência de princípios transversais a todos os países, para melhor regular e proteger a rede. Para isso, o cientista informático apresentou o seu novo projeto For The Web (Pela Internet). O mesmo pretende atingir consenso entre governos, empresas tecnológicas e todos os que utilizam a Internet para criar princípios base, que resolvam o problema das notícias falsas e do abuso de privacidade dos utilizadores.

Também na mesma linha, Christopher Wylie, que denunciou o uso indevido de dados de utilizadores por parte do Facebook, quando trabalhava na Cambridge Analytica, afirmou: “Se conseguimos regular fábricas de energia nuclear, devíamos conseguir regular plataformas online”.

O programador canadiano, que falou no dia 6, terça, acerca dessa história, recordou a história – que esteve na origem de um documentário do Channel 4  –, denunciando a cativação de informação sobre mais de 50 milhões de perfis de estado-unidenses, facto que pode ter sido crucial na eleição do atual Presidente dos EUA. O programador contou como isso levou à revisão das políticas de privacidade da rede Facebook, mas destacou que esta continua a ter demasiado poder e que a sua regulação não pode ser apenas por auto-imposição.

Apresentada na Web Summit do ano passado, a plataforma Click to Pray, criada pelo Apostolado de Oração (estrutura ligada aos jesuítas) em Portugal, duplicou num ano o número de utilizadores, anunciou entretanto o padre António Valério, responsável do projecto. A aplicação passou de 620 mil utilizadores para mais de um milhão e duzentos mil, disse o mesmo responsável, que atribui o crescimento ao facto de a aplicação ter estado presente na cimeira tecnológica do ano passado. A Click to Pray terá em breve uma nova versão.

Breves

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Fale connosco