Polónia

Vaticano sanciona mais um bispo por encobrimento de crimes de pedofilia

| 21 Ago 2021

Marian Gołębiewski, foto diocese wroclaw

Marian Gołębiewski, 83, fica afastado de quaisquer celebrações públicas e deverá doar “uma quantia apropriada” dos seus fundos pessoais a uma instituição católica de proteção de menores. Foto © Diocese de Wroclaw.

 

O Vaticano voltou a sancionar um bispo católico polaco por ter encoberto atos de pedofilia cometidos por membros do clero naquele país. Trata-se de Marian Gołębiewski, ex-arcebispo de Wroclaw, e a sua condenação foi anunciada este sábado, 21 de agosto, num comunicado daquela diocese, divulgou a Catholic News Agency.

Gołębiewski, 83, e reformado do cargo de arcebispo desde 2013, está agora proibido de participar “em quaisquer cerimónias públicas, tanto religiosas quanto seculares”, e “como penitência” deverá doar “uma quantia apropriada” dos seus fundos pessoais a uma instituição católica de proteção de menores.

“No seguimento de notificações formais a Santa Sé conduziu um procedimento relativo à alegada negligência do arcebispo Marian Gołębiewski em casos de abusos sexuais de menores por certos padres”, pode ler-se no comunicado. Os factos terão ocorrido de 2004 a 2013, quando Gołębiewski chefiava a arquidiocese de Wroclaw, e também de 1996 a 2004, época em que foi bispo de Koszalin-Kolobrzeg.

Em março deste ano, também na Polónia, tinham já sido aplicadas sanções ao arcebispo Sławoj Głódź e ao bispo Edward Janiak por negligência no tratamento de casos de abusos sexuais de menores nas suas dioceses. Dois meses depois, pelos mesmos motivos, eram impostas penalizações ao bispo Tadeusz Rakoczy, e o Papa Francisco aceitava o pedido de renúncia do bispo Jan Tyrawa, de 72 anos, no final de uma investigação por má gestão de vários casos de pedofilia.

De acordo com um relatório da Igreja da Polónia, apresentado no passado mês de junho, entre 1958 e 2020 houve 292 padres que abusaram de 368 menores naquele país.

 

Pena de morte volta a matar em 2021

Relatório da Amnistia Internacional

Pena de morte volta a matar em 2021 novidade

Em 2021 a Amnistia Internacional (AI) confirmou 579 execuções de pessoas condenadas à morte pelo sistema judicial de 18 países. De acordo com a documentação da AI enviada ao 7MARGENS no dia 23 de maio, aquele número representa um crescimento de 20 por cento em relação ao registado no ano anterior. Contudo, graças à pandemia, em 2021 o número de execuções certificadas continua baixo, sendo o segundo menor desde 2010.

Comunicar, o verbo que urge conjugar

[A Igreja e os Média] – 3

Comunicar, o verbo que urge conjugar novidade

É urgente (sim, é esta a palavra certa) que a Igreja – a sua hierarquia, os seus múltiplos departamentos – entenda que, para manter a sua respeitabilidade não pode furtar-se ao escrutínio da comunicação social, não pode fechar-se na sua concha. Tem de comunicar, comunicar com todos, esclarecer sempre que questionada, com a rapidez e a linguagem dos tempos que correm.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Igreja no apoio às vítimas das cheias

Bangladesh e Índia

Igreja no apoio às vítimas das cheias novidade

Os católicos indianos juntaram-se aos esforços de socorro e resgate organizados por ONG e agências governamentais, na sequência daquilo que os especialistas já consideram ser as piores cheias dos últimos 20 anos, já que o número de mortos pelas inundações em Assam chegou a 24 no estado do nordeste.

Uma renovação a precisar de novos impulsos

Uma renovação a precisar de novos impulsos novidade

  A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como...

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This