Verbalizar o desejo

| 30 Abr 21

Rezar de olhos abertosO jesuíta e historiador francês Michel de Certeau, estudando as práticas de oração dos monges do deserto, designa o ser humano em oração como «uma árvore de gestos». De pé diante do sol nascente como o estilista ou sentado em torno à respiração como o hesicasta, o monge apresenta o seu corpo de desejo como a oração mais pura e silenciosa, pois as palavras esgotam-se diante do mistério inapropriável. O próprio bispo João Crisóstomo, no século IV, íntimo da tradição monástica oriental, começa as suas homilias sobre o Evangelho de Mateus referindo como seria bem melhor não termos necessidade da mediação das Escrituras pois, nesse caso, a nossa vida seria de tal modo pura que os nossos corações se converteriam em escritura do Espírito.

José Tolentino Mendonça, como poeta e teólogo, conhece a relação ambivalente entre as palavras e a oração: «As palavras são a verbalização do desejo que sentimos do outro. No fundo, o que quer que digamos, dizemo-lo para avizinhar ou reter o outro perto de nós, para retardar ou desmentir a sua ausência, para dizer quanto o outro é importante para nós. A linguagem humana é, por isso, uma consequência espantosa da necessidade de relação. E o que é a oração senão isto mesmo, a construção inacabada e frágil de uma relação vital?». Em Rezar de Olhos Abertos, o Autor assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda. Não se trata de um caderno íntimo de oração agora publicado (ainda que a intimidade não seja necessariamente oposta à construção literária: pensemos no diário de oração de Dag Hammarskjöld), mesmo que por vezes o leitor seja agraciado com fragmentos que intuímos de forte densidade pessoal: «Por vezes, Senhor, é do fundo do meu esquecimento que grito por Ti». Para fecundar a relação que o exercício de leitura constitui, o Autor necessariamente se expõe: mais ainda quando se trata de pistas para a oração, esse exercício pessoal por excelência.

Ao mesmo tempo, não nos encontramos aqui com uma tradicional elaboração mais teórica ou doutrinal sobre o âmbito da oração; o breve Ingresso que acompanha os textos apresenta perguntas: «De novo: como se aprende a rezar?». A resposta é dada pelos gestos: «Há pessoas que para rezar baixam os olhos, escondem nas mãos o rosto, voltam-se para o interior. E a oração configura-se como uma imersão, um mergulho (…) Há outras pessoas, porém, que abrem esforçadamente os olhos ao rezar, que finalmente os abrem numa tentativa de olhar a vida no seu flagrante espanto, no seu rasgão dilacerante e no seu prazer vivo. Quer umas, quer outras estão certas».

Há uma estrutura poética nos 152 textos aqui propostos: a sua brevidade ou economia de palavras, as suas frases curtas… Mas, sobretudo, a atenção, que é uma dimensão vital da arte de orar: atenção aos ritmos da Natureza: «não podemos permitir que o inverno se prolongue dentro de nós»; atenção aos tempos litúrgicos: «Acorda em nós, Senhor, o desejo de um Natal autêntico»; atenção aos pormenores evangélicos: «”Não nos deixes cair em tentação”. Quantas vezes rezei este pedido do Pai-Nosso em desacordo»; atenção aos dias da semana, como a segunda-feira: «Mesmo se nos sentimos a voltar cada semana ao mesmo sítio, ensina-nos a chegar a ele por novos caminhos»; atenção a tudo o que povoa uma vida em construção, sejam os amigos – «Os que trazem, até nós, o imprevisível do teu coração, Senhor» –, sejam as lágrimas – «Deus conhece-as todas e acolhe-as como uma oração».

«A verdadeira oração cristã é aquela onde a vida está completamente comprometida. Ela atravessa, por isso, o corpo. Ela é a respiração, o grito, a interrogação, a súplica, o gesto sem palavras, a estação dilemática, o atraso, o imprevisto, as mãos cheias, as mãos vazias. Não é uma coisa mental. Não é certamente uma fórmula que se repete de forma desencarnada». Por vezes tratando a Deus por Tu, por vezes em meditação sapiencial, por vezes exortando os irmãos, numa diversidade de tons que recorda, de novo, a polifonia sálmica, Rezar de Olhos Abertos propõe ao leitor uma prática de oração, não na repetição ou fruição dos textos (passos que também fazem parte desta prática), mas na aprendizagem da sabedoria de contemplar os diversos gestos e matérias-primas que, na vida de cada crente, alimentam a sua oração.

 

Rezar de Olhos Abertos, de José Tolentino Mendonça
Edição: Quetzal, 216 páginas

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This