Vergonha da velhice ou omnipotência da juventude

| 4 Dez 19

Apesar de não estar muito na moda olhar para o lado ou em frente, já que, na verdade, olhamos essencialmente para baixo ou para cima, não é nestas direções que conseguimos ir buscar aprendizagens que nos tornam mais sábios.

Para baixo recebemos conteúdos, tantas vezes amalgamados sem critério ou somatórios de fofocas que nos animam a continuar a cuscar, ignorando a meta e a missão. Temos quase sempre na mão um pequeno e imprescindível aparelho que, mesmo em silêncio, nos provoca permanentemente só porque existe e nos obriga a descer o olhar na sua direção.

Para cima contemplamos arrogantemente o mundo que presumimos dominar. Sim, em geral não é para o Céu que olhamos, mas fazemo-lo pelo alto da cabeça de cada outro, sobretudo se esse já tiver espelhada no seu corpo a curva da idade que insiste em raptar ao esqueleto alguns centímetros da medida inicialmente registada em estado adulto.

É, pois, olhando em frente e para o lado que encontramos as pessoas, gente como nós, que procuram desfrutar desta proposta única que conhecemos e que é chamada vida humana.

Cruzamo-nos com seres de várias épocas, de várias gerações, com diferentes ritmos, com diferentes perceções do mundo em que vivemos. Os mais experientes são, muitas vezes, ausentes de alguns desenvolvimentos, sobretudo tecnológicos, e chegam a sentir-se ridículos com as suas ignorâncias seletivas. Os menos sábios, presumem-se donos do planeta, sem qualquer culpa, pois para eles, aparentemente, nada é impossível. Tudo é super-rápido de obter, super-passível de ser alcançado, super, super, super…

Mas será que existe uma linguagem comum passível de tornar as gerações de diferentes tempos da vida capazes de falarem umas com as outras, capazes de se respeitarem, de se fazerem entender, de se valorizarem?

Séneca afirmava que a nossa natureza está na ação e que o repouso pressagia a morte. Contudo, os ritmos divergem e é preciso entender que ser velho é só sinal de ter vivido muito – afinal, um desejo comum a tantos.

A intolerância à lentidão dificulta o encontro de gerações. A prepotência dos que se julgam eternamente rápidos e eficientes retira a disponibilidade para acolher os ritmos daqueles que podem já ter corrido, mas hoje apenas conseguem andar; os que percorrem pequenos caminhos em vez de infindáveis autoestradas; os que verbalizam formas mais elaboradas, mas podem hesitar na escolha do léxico disponível, por vezes arquivado num recôndito canto de memória escondida.

O constrangimento e a vergonha alheia que se intui quando se olha à volta; os filhos intolerantes à pressa que os pais não têm; as cumplicidades procuradas em olhares trocados com estranhos que mais parecem um encolher de ombros de falsa tolerância e, manifestamente, pouca paciência.

Que mundo é este em que vivemos, no qual a história de cada um vai deixando de ter lugar só porque vamos ficando cada vez mais antigos? Que mundo é este no qual se vive cada vez mais tempo, mas envelhecer é constrangedor e inútil? Que mundo é este em que cada novo esquece que um dia será velho? Que mundo é este que nos ensina a desistir de nós mesmos, antes que outros julgados queridos desistam primeiro e rasguem em nós uma tremenda ferida de desamor por abandono?

Que mundo é este?

Para os cristãos, começou o Advento. Pode este tempo ser um desafio para também nós começarmos a mudar o essencial. Não podemos continuar a permitir que as etapas se sucedam e que os diagnósticos de mal viver e de mal fazer se tornem crónicos. É urgente eliminar a negação com que cavalgamos na vida como se fôssemos os intocáveis perfeitos, imperfeitos no sentir. É fundamental aproveitar os desafios de cada momento e, com eles, querermos responder à interpelação de sermos melhores. É imprescindível agarrar a coragem da transformação do que é menos evidente, mas tão fortemente precisa de ser mudado.

O nosso planeta existe para que os seres vivos o possam ser – vivos. Contudo, se (e, sem dúvida, temos que o fazer) tanto nos preocupamos com ele, parece incontestável que comecemos por nos preocupar realmente connosco e com isto que é, afinal, tão simples – dedicarmo-nos uns aos outros.

Tentemos ouvir as histórias que parecem ficções invertidas porque dizem respeito a um momento em que os, hoje, impossíveis existiam; tentemos aprender com quem ainda se lembra como se alimentam os animais e como se amassa o pão; tentemos instruir-nos com quem andava a pé vários quilómetros por dia se queria chegar à escola.

Saibamos aproveitar, sem nos constrangermos, aqueles que, embora pareçam de outro tempo, ainda existem e, por isso, são do nosso tempo também e nele precisam de ter lugar.

Procuremos não nos enganar com uma eternidade presumida pela inconsciência da nossa finitude.

Lisboa, 2019/12/01

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco