Via Sacra na Noite de Natal

e | 11 Fev 19 | Cinema, televisão e média, Últimas

Inesperadamente, naquela manhã da véspera de Natal, quando tudo está a ser preparado, ao chegar a casa das compras, com os seus dois filhos mais novos, Holly – a mãe – tem, à porta de casa, o seu filho mais velho. Ninguém contava, e isso nota-se imediatamente. O medo é visível. Só a mãe sai para o abraçar: o abraço ao ‘filho pródigo’. É verdade que ela está feliz, mas sabe que não vai ser fácil. Afinal, aquele filho é toxicodependente e estava internado numa clínica de reabilitação. Não é a primeira vez que vem e, como a irmã (Ivy) irá recordar, as coisas não correram nada bem.

Mas é preciso fazer tudo, o Ben está de volta e é mais uma oportunidade que não pode perder-se. Aquela mãe sabe o que tem a fazer: não o pode perder de vista, nem um minuto, nem sequer quando ele tem de ir à casa de banho. E assim fará. Só que isso ainda é pouco. A droga é demasiado poderosa e habilidosa. Para além do vício entranhado no corpo e na alma, o mundo dos que vendem e consomem espreita todas as oportunidades e não larga a presa. Não se pode acreditar em ninguém, é o próprio Ben que confessa à mãe. Ele próprio, enquanto fazem a árvore de Natal, arranja um estratagema para ir ao sótão, ao lugar onde costumava guardar a droga, buscar uma dose que ainda lá estava. Sem ninguém se aperceber, nem o espectador. Não a consumirá, e essa dose há-de até ser uma ajuda para ele ser encontrado e salvo.

O inevitável aconteceu. Quando a família chega a casa, depois da celebração da noite de Natal, na igreja – a mãe faz questão de manter a tradição –, a casa tinha sido arrombada. Não faltava nada senão o cão da família. Ben sabe que foi por causa dele que aquilo aconteceu e sente-se culpado. Ele tinha boas intenções quando – afinal – fugiu da clínica para vir a casa, neste Natal. Por isso, sai porta fora, para ir à procura do cão e dele próprio. E a mãe sai atrás dele, porque uma mãe nunca aceita que vai perder um filho, seja ele quem for. Não há nada mais forte que o amor de uma mãe.

Quando o encontra, continuam os dois à procura do cão. Até que Ben percebe que só indo sozinho poderá encontrá-lo e, mais uma vez, engana a mãe para ficar com o carro e prosseguir.

E Holly começa uma longuíssima via-sacra, sozinha também ela, durante toda a noite, percorrendo as mais perigosas e inimagináveis ‘estações’ pelo lado negro, oculto e perigoso da cidade que ela nem sequer podia imaginar. Demasiada dor e sofrimento, degradação e imundície. Demasiada mentira. Apenas um ou outro sinal de compaixão e de paz. Mas ela não desiste. ‘Não podemos salvá-los, mas ficará a odiar-se a si mesma se não tentar’. E será já com a luz da manhã, e com o faro do cão, finalmente reencontrado, que ela encontrará também o seu filho, quase morto com uma overdose. Talvez possa ser Natal, naquele ‘abraço’ desesperado de Pietá.

‘Ben está de volta’ não é um daqueles típicos ‘filmes de família’ de Natal, mas é um filme poderoso sobre o amor de uma mãe ‘que tudo crê, tudo desculpa, tudo suporta’ para não deixar o filho morrer por causa da droga maldita. Poderosa é também Julia Roberts no papel desta “mãe coragem” (desculpem o lugar comum). Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem.

 

(O Ben está de volta – Título original: Ben is back; Realização: Peter Hedges; Intérpretes: Julia Roberts, Lucas Hedges, Coutney B. Vance, Kathryn Newton; EUA, 2018; Cor; 103 min)

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Fevereiro de 2019.

 

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Cultura e artes

O futuro da sociedade inscrito no futuro da religião

Sociólogo, antropólogo, teólogo e músico, Alfredo Teixeira consegue juntar as suas múltiplas competências num discurso complexo e dialeticamente multifacetado, em que a aridez dos dados sociológicos é animada pela carne do olhar antropológico (que vê gente dentro dos fenómenos), os números são substanciados pelos símbolos e os factos são reconhecidos na independência não autossuficiente da verdade.

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Pessoas

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Entrevista… entre vistas… entre olhares

A realização de entrevistas é sempre um desafio muito grande que os alunos encontram no contexto dos seus trabalhos académicos. Na verdade, são um desafio enorme em qualquer fase da nossa vida de investigação e ninguém pode, em rigor e com seriedade, dizer que possui “traquejo” suficiente a ponto de ignorar cuidados especiais na condução desta técnica.

Fale connosco