Via Sacra na Noite de Natal

e | 11 Fev 19

Inesperadamente, naquela manhã da véspera de Natal, quando tudo está a ser preparado, ao chegar a casa das compras, com os seus dois filhos mais novos, Holly – a mãe – tem, à porta de casa, o seu filho mais velho. Ninguém contava, e isso nota-se imediatamente. O medo é visível. Só a mãe sai para o abraçar: o abraço ao ‘filho pródigo’. É verdade que ela está feliz, mas sabe que não vai ser fácil. Afinal, aquele filho é toxicodependente e estava internado numa clínica de reabilitação. Não é a primeira vez que vem e, como a irmã (Ivy) irá recordar, as coisas não correram nada bem.

Mas é preciso fazer tudo, o Ben está de volta e é mais uma oportunidade que não pode perder-se. Aquela mãe sabe o que tem a fazer: não o pode perder de vista, nem um minuto, nem sequer quando ele tem de ir à casa de banho. E assim fará. Só que isso ainda é pouco. A droga é demasiado poderosa e habilidosa. Para além do vício entranhado no corpo e na alma, o mundo dos que vendem e consomem espreita todas as oportunidades e não larga a presa. Não se pode acreditar em ninguém, é o próprio Ben que confessa à mãe. Ele próprio, enquanto fazem a árvore de Natal, arranja um estratagema para ir ao sótão, ao lugar onde costumava guardar a droga, buscar uma dose que ainda lá estava. Sem ninguém se aperceber, nem o espectador. Não a consumirá, e essa dose há-de até ser uma ajuda para ele ser encontrado e salvo.

O inevitável aconteceu. Quando a família chega a casa, depois da celebração da noite de Natal, na igreja – a mãe faz questão de manter a tradição –, a casa tinha sido arrombada. Não faltava nada senão o cão da família. Ben sabe que foi por causa dele que aquilo aconteceu e sente-se culpado. Ele tinha boas intenções quando – afinal – fugiu da clínica para vir a casa, neste Natal. Por isso, sai porta fora, para ir à procura do cão e dele próprio. E a mãe sai atrás dele, porque uma mãe nunca aceita que vai perder um filho, seja ele quem for. Não há nada mais forte que o amor de uma mãe.

Quando o encontra, continuam os dois à procura do cão. Até que Ben percebe que só indo sozinho poderá encontrá-lo e, mais uma vez, engana a mãe para ficar com o carro e prosseguir.

E Holly começa uma longuíssima via-sacra, sozinha também ela, durante toda a noite, percorrendo as mais perigosas e inimagináveis ‘estações’ pelo lado negro, oculto e perigoso da cidade que ela nem sequer podia imaginar. Demasiada dor e sofrimento, degradação e imundície. Demasiada mentira. Apenas um ou outro sinal de compaixão e de paz. Mas ela não desiste. ‘Não podemos salvá-los, mas ficará a odiar-se a si mesma se não tentar’. E será já com a luz da manhã, e com o faro do cão, finalmente reencontrado, que ela encontrará também o seu filho, quase morto com uma overdose. Talvez possa ser Natal, naquele ‘abraço’ desesperado de Pietá.

‘Ben está de volta’ não é um daqueles típicos ‘filmes de família’ de Natal, mas é um filme poderoso sobre o amor de uma mãe ‘que tudo crê, tudo desculpa, tudo suporta’ para não deixar o filho morrer por causa da droga maldita. Poderosa é também Julia Roberts no papel desta “mãe coragem” (desculpem o lugar comum). Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem.

 

(O Ben está de volta – Título original: Ben is back; Realização: Peter Hedges; Intérpretes: Julia Roberts, Lucas Hedges, Coutney B. Vance, Kathryn Newton; EUA, 2018; Cor; 103 min)

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Fevereiro de 2019.

 

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

Outras margens

Cultura e artes

Pessoas

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This