Viajar

| 30 Ago 2022

rio ganges por do sol foto alfonso azaustre garrido

“Viajar é saber escutar, saber imaginar um passado inteiro banhado na correnteza do Ganges, peregrinado pelo pé́ do Himalaia ou sobre a catinga do sertão.”  Foto © Alfonso Azaustre Garrido.

 

Cheguei a casa dos meus pais às 20h00 do dia 24 de Dezembro de 2015, depois de um longo tempo ausente, e imunda, literalmente imunda e escanzelada, de uma viagem de 20 horas entre autocarros e rodoviárias, comboios e estações, aeroportos e aviões. A minha mãe riu-se numa expressão mista de santa paciência e alegria pela minha chegada… depois de um banho assumidamente profundo, lá estava eu, sentada à mesa de Natal cheia de família.

Nesse mesmo lugar, alguns anos antes, ouvi o meu pai dizer que “a maior das universidades são as viagens”; esse discurso era claramente para me proteger de algum sentimento de inferioridade que pudesse sentir por ter sido a única da família a abandonar a faculdade antes de a concluir; precisamente para viajar.

***

Viajar não é só o fetiche da visão, das fotos, dos vídeos, das paisagens guardadas na memória. Viajar é vestir-se de peles alheias, desmistificar culturas, compreender o outro, abraçar a diferença.

Viajar está longe do “fazer turismo”; são conceitos paralelos que nunca se chegam a cruzar, nem tão-pouco tocar ou aproximar. Viajar é descer à cave das comunidades, correr riscos pelo desejo de inclusão, pertencer ao lugar onde se está, desapegar-se dos dados adquiridos. Fazer turismo é ficar à superfície, olhar o lugar pela janela sem nunca o caminhar de facto.

Viajar é viver sob a síndrome da curiosidade real. Sentar-se na beira da estrada e, nem que a mais escura das noites se estenda diante dos olhos, não abandonar até que se entenda o que não se pode compreender. Viajar é saber escutar, saber imaginar um passado inteiro banhado na correnteza do Ganges, peregrinado pelo pé́ do Himalaia ou sobre a catinga do sertão. Viajar é aprender a olhar os nativos com interesse, é desprover-se de arrogância, é entender o mundo e as suas consequências, é saber ouvir, que, no fundo, é a mesma coisa que se humanizar.

 

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This