No município de Chaves

Vilar de Nantes pode ter sido o berço do autor de “Os Lusíadas”

| 22 Jun 2024

Chaves organizou várias iniciativas para comemorar os 500 anos de Camões. Foto © CM Chaves

Chaves organizou várias iniciativas para comemorar os 500 anos de Camões. Foto © CM Chaves.

A aldeia de Vilar de Nantes assinalou, a 10 de junho, com um conjunto de iniciativas, os 500 anos de nascimento de Luís Vaz de Camões, poeta com raízes no concelho de Chaves e que se pensa ter nascido a 1524.

Para a autarquia transmontana evidenciar no Dia de Portugal o legado do poeta e autor d’Os Lusíadas “constitui um dever dos flavienses”, dado os fortes indícios que indicam que os seus avós paternos, nos inícios do século XVI, residiram em Chaves, mais concretamente em Vilar de Nantes.

Não há dados que confirmem o local ou o ano de nascimento de Luís Vaz de Camões, mas trabalhos publicados na década de 80 do século passado pelo militar e historiador José Calvão Borges indicam que a família paterna se encontrava em Vilar de Nantes anos antes do nascimento do poeta. “Foram encontrados, na Sé de Braga, documentos relativos a direitos da família de Camões no concelho de Chaves. No fundo, referências de pagamentos a Antão Vaz e a Simão Vaz de Camões, avô paterno e pai de Luís de Camões. Ou seja, há documentação que prova que eles residiram ali”, refere ao 7MONTES Francisco Melo, vereador da autarquia flaviense.

Sabe-se que D. Afonso I, duque de Bragança, filho de Nuno Álvares Pereira, antigo alcaide de Chaves e que ali faleceu em 1461, criou um couto de homiziados para combater o despovoamento, perdoando castigos e pena leves a quem se quisesse fixar nas vizinhanças da então vila. “Assim fizeram os avós paternos do poeta, Antão e Guiomar Vaz, que vieram para Vilar de Nantes, possivelmente vindos de Coimbra. É, por isso, certo que os avós viveram em Vilar de Nantes, onde terão nascido o pai e os sete tios de Luís de Camões”, explica o edil.

Recorde-se que, em 1880, a autarquia deu o nome do grande poeta à sua mais importante Praça, situada junto ao Paço do primeiro Duque de Bragança, aos Paços do Concelho e à Igreja Matriz, no coração do centro histórico, “evidenciando a ligação antiga que a cidade e Vilar de Nantes têm com a memória de Camões”. “Na altura ainda não havia conhecimento dos registos encontrados na Sé de Braga, mas a população manteve viva a memória da relação com a família de Camões”, acrescenta Francisco Melo.

“A questão é se nasceu aqui ou não”, reconhece o edil que dá a sua opinião: “É muito provável que, na altura, o jovem casal, Simão Vaz de Camões e Ana Sá, pais de Camões, estivessem em Chaves aquando do nascimento do poeta.”

A herança cultural do poeta através de várias iniciativas tem vindo a ser assinalada pela Câmara de Chaves. Uma delas é o Roteiro Camoniano em Vilar de Nantes que propõe levar os visitantes pelos locais que terão acolhido Luís Vaz de Camões, entre eles a casa dos avós do poeta e onde nasceu o pai. “Sabendo que Luís de Camões tem, comprovadamente, raízes no concelho, temos, com toda a honra, o dever de o evidenciar.”

7MONTES é financiado pelo programa Local Media for Democracy do Journalismfund Europe www.journalismfund.eu

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This