Violência contra as Mulheres: origens

| 1 Jun 20

Mais uma vez a violência doméstica surge como um dos fenómenos potenciados pela pandemia da covid-19, tendo como fator explicativo o confinamento e a coexistência em permanência de agressores e vítimas no mesmo espaço, por vezes espaços exíguos, muitas horas por dia.

O Estado tem procurado prevenir criando um e-mail e um SMS específico para onde se pode pedir ajuda, cartazes que apelam à denuncia por familiares, amigos e vizinhos e a abertura de mais 100 vagas em casas-abrigo, uma no Norte e outra na Área Metropolitana de Lisboa.

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Quando olhamos para os femicídios, o nível de violência é sempre brutal e odioso. São sempre muitas facadas, cadeiradas que desfazem cabeças, asfixia com as próprias mãos, degolações, queimaduras com fogo ou com ácido. Tenho sempre presente, como o paradigma máximo da destruição e do ódio, um caso ocorrido no final de 2015 em que, depois de disparar com arma de fogo sobre a mulher, ao perceber que ela continuava viva, o homicida lançou uma granada que fez explodir o corpo.

Encontrei nos primórdios do cristianismo e em autores como Santo Agostinho algumas explicações milenares que moldam profundamente a sociedade e que a cultura judaico-cristã assimilou de tal forma que hoje, no século XXI, continuam no mais profundo das nossas representações do que é ser homem e mulher e onde encontro alguma resposta para esta violência extrema.

A interpretação feita do mito de origem, de Adão e de Eva, leva à fundamentação do que está na origem do pecado e essa origem está em Eva, quando dá a maçã a comer a Adão depois de ter sido tentada pela serpente que simboliza o Diabo, ou seja, o mal. E assim, com esta falta que condenou a humanidade, a mulher tornou-se a própria essência do mal. Todas as mulheres descendem de Eva; logo, todas encarnam o pecado original.

E aqui é trazido outro conceito que, na perspetiva maniqueísta do bem e do mal, do certo e do errado, integrando a dualidade entre o puro e o impuro, o último traduzido nas dores de parto, no sangue menstrual, que são o castigo pelo pecado original.

É neste princípio originário do mal e do impuro que se constrói o papel das mulheres na sociedade. Assim, as mulheres existem para tentar os homens, porque são a própria essência do pecado, ou seja, a própria essência do mal. E por isso devem ser dominadas e controladas, porque encarnam a tentação, o desvio.

É verdade que, no mundo clássico, não existia igualdade entre mulheres e homens, estando as mulheres numa posição de inferioridade social, mas tal como em quase tudo, o Cristianismo na sua origem condenou todo o ato de prazer e bem-estar e exacerbou a clivagem dos papéis de género.

O controlo social das mulheres é feito pelos homens, é aos homens que cabe o papel de as vigiar, de as conter dentro de uma hierarquia que tem Deus no topo, a baixo os homens e só depois as mulheres, como podemos ler na I Epístola de S. Paulo aos Coríntios.

Esta doutrina de S. Paulo que justifica a submissão das mulheres aos homens, é claramente visível em Santo Agostinho. Na obra As Confissões, o autor enaltece as qualidades da mãe enquanto esposa e a crítica que esta faz às mulheres que dizem mal dos maridos que lhes batem, sendo o filósofo referenciado por outros autores, mesmo já no séc. XVIII, quando discorrem sobre a violência contra as mulheres e a sua justificação.

A violência conjugal só deixou de ser de caráter privado, tornando-se de caráter público na década de 70 do século XX com o surgimento do feminismo de segunda vaga. Contudo, a submissão da vítima (mulher) ao agressor (homem) nas relações de intimidade, continua a persistir sendo um problema endémico nas sociedades atuais, sendo a vítima vista pelo agressor, não como um ser humano igual, mas como um objeto que Mónica, a mãe de Santo Agostinho traduz, numa passagem da obra As Confissões, da seguinte forma: “A leitura do contrato de matrimónio faz das mulheres escravas.”

A interpretação feita ao livro de Génesis pelos pensadores dos primeiros séculos depois de Cristo, onde se inclui Santo Agostinho como um dos principais pensadores e arquitetos desta ideologia, vem criar uma estrutura mental de expiação constante e de um erro inicial que as mulheres carregarão para sempre. Elas são a encarnação do mal do mundo e essa condição legitima até ao presente, mesmo contra as regras legais e éticas, mesmo sem que seja de forma consciente, o modo como a sociedade ocidental lida com a violência contra as mulheres e o flagelo do femicídio que, só em 2019, matou 35 mulheres no nosso país.

 

Catarina Marcelino é deputada do Partido Socialista e ex-secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco