Fundação AIS

Violência contra cristãos cresce no Burkina Faso

| 28 Jul 2022

Rua principal da cidade de Fada N’Gourma. Foto © Martin Wegmann Baliola, CC BY-SA 3.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0>, via Wikimedia Commons.

Rua principal da cidade de Fada N’Gourma, no Burkina Faso. Foto © Martin Wegmann Baliola, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

Cinco paróquias no Burkina Faso encerraram por completo as suas atividades, de ameaças de novos ataques por grupos extremistas, na Diocese de Fada N’Gourma, situada na região oriental deste país da África ocidental. E o seminário de San Kisito teve de ser transferido para a capital regional, por razões de segurança.

Segundo um relato da diocese remetido à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), esta região tem estado na mira nos últimos seis meses de grupos radicais islamistas. Na informação divulgada dá-se conta que os roubos e os assassinatos “aumentaram significativamente” ao longo do ano, com destaque para as referidas cinco paróquias de um total de 16. 

A aldeia de Bourasso, em Nouma, no noroeste do país, sofreu um brutal ataque no domingo, 3 de Julho, quando 14 pessoas foram mortas em frente à igreja, um dos mais graves incidentes de que há registo em tempos recentes, divulgou a AIS. Nesse domingo, homens armados entraram na aldeia já de noite, transportando-se aos pares, em motos, e dispararam sobre as pessoas que estavam reunidas em frente ao largo da igreja. “Foi aterrador”, descreveu à Fundação AIS um sacerdote que, por questões de segurança, não pode ser identificado. “Depois, foram para o centro da povoação e mataram outras 20 pessoas, entre elas muitos cristãos e seguidores da religião tradicional africana.”

Já noutras sete paróquias, explicou a AIS, a atividade da Igreja está muito condicionada porque “os grupos armados bloqueiam a maioria das estradas, controlam as rotas terrestres e têm destruído as redes de comunicação”. Por causa disso, os padres da diocese têm estado impossibilitados de viajar e de contactar com os seus paroquianos. Nas aldeias da diocese, a circulação de pessoas é muito limitada também.

A situação tem-se agravado desde setembro de 2021, com apenas um terço do território diocesano acessível ao trabalho pastoral da Igreja, o que correspondia a 155 das 532 aldeias. Em abril deste ano, o número de aldeias acessíveis já havia decrescido para apenas 29.

A violência deste terrorismo que se reivindica do islão afecta o Burkina Faso desde 2015. Com o agravamento das condições de segurança, muitas pessoas têm abandonado as suas casas e as suas aldeias, refugiando-se nas localidades onde há uma presença mais visível do exército, como é o caso de Matiakoli, cuja igreja paroquial passou a encher-se de fiéis aos domingos.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This