Índia

Violência contra muçulmanos intensifica-se

| 7 Out 2022

manifestação contra violência policial na Índia

Manifestação contra violência policial na Índia, que tem atingido as minorias muçulmana e cristã. Foto reproduzida da página da Humanists International

 

As autoridades da Índia estão usando cada vez mais punições sumárias e abusivas contra os muçulmanos considerados infratores da lei, disse hoje a Human Rights Watch (HRW). Em vários estados governados pelo partido nacionalista hindu Bharatiya Janata Party (BJP), as autoridades demoliram casas e propriedades muçulmanas sem autorização legal e, mais recentemente, açoitaram publicamente muçulmanos acusados ​​de perturbar um festival hindu, noticiou nesta sexta-feira, 7 de outubro, a HRW.

“Em vários estados indianos a polícia não para de atacar com violência os muçulmanos infligindo-lhes castigos sumários” disse Meenakshi Ganguly, diretor do Sul da Ásia da HRW, referindo que as forças policiais “desrespeitam descaradamente o estado de direito e transmitem, assim, às pessoas a ideia de que os muçulmanos podem ser discriminados e atacados”.

De acordo com a HRW, no dia 4 de outubro, no distrito de Kheda, estado de Gujarat, a polícia prendeu 13 pessoas por supostamente atirarem pedras contra um cerimonial “garba” durante um festival hindu. Um polícia em trajes civis e usando um coldre com arma foi filmado açoitando publicamente vários homens muçulmanos com paus, enquanto outros oficiais seguravam os homens contra um poste de eletricidade. Em vídeos exibidos e até elogiados em algumas redes de televisão pró-governo, vários policiais uniformizados assistem ao açoitamento e golpeiam os acusados ​​com paus, enquanto uma multidão de homens e mulheres aplaude.

A 2 de outubro – ainda segundo a HRW –, no distrito de Mandsaur, estado de Madia Pradesh, a polícia deteve sete homens muçulmanos acusados ​​de atirar pedras em um evento de garba. Dois dias depois, sem qualquer autorização legal, as autoridades demoliram as casas de três dos homens, alegando que foram construídas ilegalmente.

As minorias muçulmanas e cristãs na Índia têm sido alvo de numerosos atos de repressão instigados pelo nacionalismo chauvinista do partido hindu Bharatiya Janata chefiado pelo atual primeiro-ministro Narendra Modi.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This