Violência doméstica: o muito que se fez, o muito que está por fazer

| 18 Fev 19

Foto © Kat J./Unsplash

Nas últimas semanas, temos assistido, horrorizados, a uma série de crimes de violência doméstica (VD), incluindo homicídios. Ciclicamente, a sociedade parece acordar e querer discutir um fenómeno que tem uma efectiva importância criminal e social. As discussões centram-se habitualmente na culpa masculina e na cultura machista, aponta-se o dedo aos vizinhos que nada disseram, à inacção daspolícias e dos serviços sociais, aos governos por falharem na prevenção e na repressão, amaldiçoam-se os tribunais pela sua brandura e, desta vez, também a comunicação social é visada porque as “notícias sobre violência doméstica, quando mal enquadradas, podem motivar potenciais agressores e desmotivar as vítimas a pedirem ajuda” (Liliana Borges, Público de 14 Fevereiro 2019, em artigo interessante e recomendável).

Na verdade, bem ou mal enquadradas, as notícias sobre dois ou três casos que ocorram sequencialmente originam, quase sempre, um ciclo epidémico que torna mais visível o fenómeno. Acontece o mesmo com os suicídios nas prisões ou com os casos de fogo posto, por exemplo. Tal não deve iludir um facto: a VD é um fenómeno criminal de expressão eminentemente masculina com alvo feminino (sim, claro, não exclusivamente) instalado na sociedade portuguesa, como de resto em todo o mundo, mesmo nas sociedades “mais civilizadas”, sendo transversal a todas as classes sociais e estratos económicos e culturais, o que parece dizer algo sobre a natureza humana e a necessidade de todos e cada um se confrontar com os demónios que carrega. Todos carregamos demónios, embora nem todos os demónios espanquem mulheres (ou homens, pais, namorados, filhos) e todos devemos controlar os nossos demónios. E os demónios estão em todo o lado, nas pessoas, nas organizações, nas igrejas.

Por maioria de razão, as notícias mal apresentadas originam, seguramente, males maiores. Ao esmiuçar detalhes mórbidos e ao explorar sentimentos de agressividade, ao divulgar acriticamente as motivações pseudo-amorosas dos agressores, as notícias tendem a provocar identificações de outros potenciais agressores e legitimar comportamentos tidos como comuns e, por isso, aceitáveis. A perpetuação da VD, como de outras violências, relaciona-se em grande parte com o modo como a sentimos e como a referimos publicamente.

Perante isto, é preciso dizer que a VD nunca é aceitável, que é um crime sério e um prejuízo social, e que há que lutar contra ela ao nível político, institucional e moral. E há tanto a fazer.

Mas seria injusto não reconhecer o muito que tem sido feito nos últimos 15 anos. Da desvalorização do fenómeno, passámos para uma razoável consciência social sobre ele (um programa numa escola de Oeiras visto há dias numa televisão revelava uma extraordinária grandeza no grupo de alunas que o apresentaram, com um inspirador e pujante discurso contra a VD nos vários domínios). Houve planos de luta contra a VD e fundos comunitários e onde havia zero organizações a agirem nesta matéria, há hoje uma rede nacional de organizações não-governamentais que fornece suporte a vítimas de VD. Onde havia polícias desinteressadas ou insensíveis há hoje especialistas e agentes dedicados ao tema. Onde não havia casas de acolhimento e refúgios, há hoje uma rede integrada que acolhe vítimas. Onde não havia legislação específica há hoje uma lei que aponta o caminho e tem mecanismos de protecção das vítimas e de contenção dos agressores (completando a legislação geral penal).

Nos tribunais, passou-se do grau de diminuto interesse para uma quase militância (mau grado exemplos bizarros de todos conhecidos), e onde não havia respostas penais passou-se para vários programas, incluindo o de vigilância electrónica, o maior do mundo em termos relativos e absolutos. Também na academia há cada vez mais pessoas a estudar o fenómeno do ponto de vista social e criminal. O que dantes era incipiente e quase uma brincadeira deu lugar a uma seriedade que parece não ser reconhecida por quantos falam sobre a ausência de respostas.  

Este trabalho de conscientização social, de aperfeiçoamento legal, de melhores práticas judiciais, de acertar as repostas penais com os níveis de riscos dos agressores, é um trabalho sem fim, nunca estará terminado. Por isso, o melhor é começar já hoje, agora mesmo depois de acabar de ler este texto, perguntando-se o que cada um pode fazer para evitar a disseminação de uma cultura em que a VD seja um facto do dia-a-dia.

Nuno Caiado é

Artigos relacionados

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Onde menos se espera, aí está Deus

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Cultura e artes

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

[Os dias da semana]

A desinformação no YouTube

A denúncia, feita na passada quarta-feira (12 de Janeiro) passou despercebida, mas valeria a pena retê-la: o YouTube “é um dos principais canais de desinformação e informação deturpada online a nível mundial”.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This