A 31 de Janeiro e 2 e 7 de Fevereiro

Visitas guiadas no Parlamento à exposição sobre a Liberdade Religiosa

| 28 Jan 2024

A exposição pode ser visitada livremente até 28 de Fevereiro, no Palácio de São Bento, de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h e das 14h às 17h. Foto © António Marujo/7MARGENS

A exposição pode ser visitada livremente até 28 de Fevereiro, no Palácio de São Bento, de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h e das 14h às 17h. Foto © António Marujo/7MARGENS

 

Nos dias 31 de Janeiro (15h), 2 e 7 de Fevereiro (em ambos às 17h) haverá visitas guiadas à exposição Os Caminhos da Liberdade Religiosa em Portugal, abertas a todas as pessoas interessadas, embora sujeitas a inscrição prévia. As visitas serão guiadas por António Marujo, director do 7MARGENS e que coordenou a preparação da mostra. 

A exposição, patente no Parlamento, faz um percurso pelo último século de debates e aplicação de leis sobre a liberdade religiosa em Portugal, começando pela instauração da República e a Lei de Separação e terminando nos bloqueios à actual Lei da Liberdade Religiosa, em vigor desde 2001. 

Com testemunhos inéditos, textos, peças de importante valor histórico, fotografias e documentos, a exposição inclui perspectivas sobre o Estado Novo que, de facto, considerava o catolicismo um elemento fundamental constituinte da nacionalidade e a moral dele decorrente como uma componente poderosa de coesão do país, mas que, ao mesmo tempo, discriminava as minorias e perseguia quem, em nome da sua fé, se opunha a várias das políticas do regime ditatorial. 

A este propósito, textos – na exposição e no catálogo – do constitucionalista Jorge Miranda e do antigo deputado e presidente da Assembleia da República Mota Amaral ajudam a compreender o que foi o caminho legal da questão da liberdade religiosa no país. 

O novo paradigma católico, ditado pelo II Concílio do Vaticano e a abertura à diversidade religiosa, e as dissidências de crentes de diferentes confissões em relação ao regime, são outros dos capítulos da mostra. Aqui inserem-se excertos de entrevistas inéditas de Nuno Teotónio Pereira, Luís Moita e Conceição Moita ao jornalista Jacinto Godinho, da RTP (e, no caso de Teotónio Pereira, também à historiadora Irene Pimentel). O caso da Capela do Rato, as comunidades islâmica e judaica e a perseguição a Testemunhas de Jeová são outros casos e episódios recordados. 

Liberdade religiosa, Islão, Ismaili, arte

Secção de um painel em pedra calcária, com origem provável no Egipto (séc. X) com a inscrição “em nome de deus, o Beneficiente”, uma das peças exibidas na exposição. Foto © António Marujo/7MARGENS

 

Os embates já no período da democracia implantada há 50 anos, com a revolução do 25 de Abril e a implantação de uma nova lei são também fases evocadas na exposição. Neste capítulo, incluem-se duas entrevistas inéditas ao então ministro José Vera Jardim, que lançou o processo de elaboração de uma nova lei, e a José Sousa Brito, principal autor material do diploma.

A exposição conclui-se com uma evocação de 19 pessoas que, no último século lutaram pela liberdade religiosa, oriundas de diferentes tradições, com depoimentos em vídeo de jovens de diversa religiões e com alguns textos de reflexão sobre o diálogo inter-religioso e a aplicação da lei, chamando a atenção para situações de bloqueio concreto que ela enfrenta em determinados contextos, quase sempre por ignorância. 

A participação nas visitas guiadas dedev ser reservada para os telefones 213 910 843 e 213 917 101 ou para o endereço dmc.correio@ar.parlamento.pt, até porque há um limite de 30 pessoas em cada um dos horários. De qualquer maneira, a exposição pode ser visitada livremente até 28 de Fevereiro, no Palácio de São Bento, de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h e das 14h às 17h, sempre exigindo marcação prévia para os contactos indicados.

 

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This