Ciclone soma-se ao terrorismo

Vítimas da “dupla tragédia” em Moçambique lutam pela sobrevivência

| 17 Mar 2023

vitimas da passagem do ciclone freddy em moçambique, foto © OchaViviane Rakotoarivony, março 2023

O ciclone Freddy é já “considerado um dos mais fatais na história do continente” africano. Foto © Ocha/Viviane Rakotoarivony.

 

A passagem do ciclone Freddy deixou um rasto de destruição e morte na zona central de Moçambique ao longo dos últimos dias. Há cerca de “100 mil pessoas com necessidade de apoio”, das quais mais de cinco mil já se encontravam em centros de deslocados, muitas delas fugidas do terrorismo na região norte, em particular na província de Cabo Delgado, e que são, agora, vítimas de uma “dupla tragédia”.

As agências humanitárias estão a fazer “o primeiro contacto com a realidade, após a segunda passagem do ciclone”, que é já “considerado um dos mais fatais na história do continente”, com pelo menos 270 mortos confirmados na região sul de África, avança a ONU News esta sexta-feira, 17 de março.

Para apoiar a resposta humanitária, a ONU acaba de anunciar a entrega de 10 milhões de dólares (cerca de 9,4 milhões de euros) do Fundo Central de Resposta de Emergência, para atuar com as autoridades moçambicanas e apoiar 49 mil deslocados em 140 centros de acomodação.

Num desses centros, Tomásia Zacarias é considerada um exemplo de resiliência. Sobreviveu à tempestade que destruiu a sua casa na província da Zambézia, após ter fugido dos ataques de terroristas em Cabo Delgado, e já fala em começar de novo. Em declarações à agência da ONU para refugiados em Gogodane, distrito de Namacurra [ver vídeo abaixo], Tomásia, que neste momento lidera o chamado “espaço seguro para desabrigados”, pede ajuda.

 

Fenómenos meteorológicos extremos cada vez mais frequentes

Os fenómenos meteorológicos extremos são cada vez mais frequentes em Moçambique e vêm acentuar ainda mais a já profunda pobreza em que se encontra o país, assinala a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), que também está no terreno, a auxiliar as populações afetadas pelo ciclone. “Ainda em janeiro do ano passado, a tempestade tropical Ana atingiu o centro e norte de Moçambique causando cerca de duas dezenas de mortos e afetando milhares de pessoas. Há dois anos, foi a vez do ciclone Eloise e anteriormente, entre 2018 e 2019, dois poderosos ciclones, Idaí e Kenneth, deixaram também profundos rastos de morte e destruição”, lembra a fundação pontifícia, sublinhando que estes fenómenos “ocorriam normalmente com seis ou sete anos de intervalo”.

O bispo da diocese de Quelimane, uma das mais afetadas pelo ciclone Freddy, relatou à AIS a situação de caos e medo vivida pelas populações. “Ouvir a casa a cair em pedaços sem poder fazer nada. Perdemos o teto da casa episcopal. As paróquias e as igrejas da cidade de Quelimane também perderam os tetos. Não há energia…”, escreveu o clérigo, quase telegraficamente, numa das várias mensagens trocadas com Ulrich Kny, responsável de projetos da fundação pontifícia para esta região de África.

As palavras do bispo Hilário Massinga são corroboradas por Manuel Araújo, presidente da câmara de Quelimane que publicou diversos relatórios sobre a evolução da passagem do ciclone ao longo dos últimos dias, revelando estragos profundos em edifícios vitais como o Hospital Provincial, que ficou “com várias enfermarias inundadas e com infiltrações de água nas paredes e no teto, doentes com lençóis e camas molhadas, incluindo na Pediatria, Cuidados Intensivos a até na Sala de Operações/Cirurgia”, forçando à evacuação de doentes. Houve também inúmeras escolas que ficaram sem telhado, pontes intransitáveis, postes de energia elétrica e de telecomunicações derrubados, e grandes danos em igrejas.

 

Surto de cólera já fez seis mortos

Para agudizar a situação, o ciclone Freddy arrastou consigo um surto de cólera. Dados das autoridades provinciais indicam que desde esta quarta-feira, 16 de março, dos mais de 100 pacientes observados no Centro de Tratamento de Cólera do Hospital de Quelimane, seis perderam a vida.

Moçambique é um dos 12 países africanos afetados por cólera, doença associada à falta de saneamento básico e que irrompe sazonalmente na época das chuvas.

Desde setembro de 2022, o país lusófono já registou 54 mortes devido à doença e tem mais de 200 pessoas internadas nos centros de tratamento abertos nos locais onde estão declarados surtos.

O Governo moçambicano, em coordenação com a Organização Mundial da Saúde (OMS), tem em curso uma campanha de vacinação prevendo abranger 720 mil pessoas em todo o país, mas a OMS alerta que o aparecimento da cólera está a ser agravado por “eventos climáticos extremos e conflitos que aumentaram as vulnerabilidades, já que as pessoas são forçadas a fugir das suas casas e enfrentar condições de vida precárias”.

 

Uma Via-Sacra especial em Guimarães

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre novidade

Georgina perguntou-se sobre como explicar a dificuldade de relação dos bispos africanos com o mundo LGBTI+, Helena congratulou-se pela presença de leigos na aula sinodal, Serena sublinhou que a participação não se limita a “fazer parte”, inclui “tomar parte”. Aconteceu no Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTI+, no qual participou Ana Carvalho.

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica

Os primórdios do movimento cinematográfico no seio da Igreja em Portugal

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica novidade

Este é o breve historial de uma publicação simples na sua forma de apresentação, mas que, ao durar persistentemente cerca de cinco décadas, prestou à cultura cinematográfica e à Igreja Católica em Portugal um serviço inestimável e indelevelmente ligado ao nome de Francisco Perestrello, agora falecido.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This