Vítimas de abuso sexual queixam-se ao Vaticano contra o núncio apostólico em França

| 12 Jul 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Newsletter, Últimas, Vaticano/Santa Sé

As queixas de dois franceses chegaram ao Vaticano, que levantou a imunidade diplomática do núncio apostólico em Paris. Foto © AntónIo Marujo

 

Dois homens apresentaram denúncias no sistema judicial do Estado do Vaticano acusando o arcebispo e núncio apostólico em França, Luigi Ventura, de agressão sexual. Este facto levou a Santa Sé a decidir levantar a imunidade diplomática ao arcebispo. Juntamente com outra vítima, Mathieu de la Souchère, um funcionário da prefeitura de Paris acusou Ventura de comportamento inadequado e repetido durante uma recepção de Ano Novo, em Janeiro deste ano.

O incidente foi relatado à presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo, e o núncio Ventura foi posteriormente proibido de estar presente em qualquer iniciativa da autarquia, noticiou o La Croix International.

De acordo com esta fonte, o queixoso diz que Ventura o tocou de forma imprópria, repetidamente. As autoridades locais tinham aberto uma averiguação ao caso em Janeiro, mas não tinham ainda questionado o arcebispo até aqui.

A queixa foi apresentada directamente ao padre Hans Zollner, presidente do Centro para a Proteção de Crianças, na Universidade Pontifícia Gregoriana. “Ele foi muito atencioso”, afirmou De la Souchère. “Embora nos recordasse que está a trabalhar principalmente no abuso de crianças, disse que não queria minimizar o que tinha acontecido.”

O núncio argumenta com uma “conspiração”, alegando que, por causa das nomeações de bispos que tem feito, haverá quem queira vingar-se dele.

 

Um padre excomungado em Lyon

A Igreja Católica tem sido, em França, afectada nos últimos anos por diversos casos de abusos sexuais e conduta inapropriada de membros do clero. No fim-de-semana passado, o padre Bernard Preynat, condenado por abuso sexual de menores sobre mais de sete dezenas de escuteiros nas décadas de 1970 e 80, foi excomungado pela arquidiocese de Lyon, na sequência do veredicto de 4 de Julho emitido pelo seu tribunal eclesiástico.

Esta é “apena máxima prevista pela lei da Igreja em tal caso”, disse o tribunal eclesiástico (composto de três padres e responsável pelo estudo do caso criminal), citado numa outra notícia do La Croix International.

A sanção justifica-se, acrescenta a declaração, “em vista dos factos e sua recorrência, o grande número de vítimas, o facto de o padre Bernard Preynat ter abusado da autoridade que lhe é conferida a ele pela sua posição dentro do grupo de escuteiros que ele fundou e liderou desde a sua criação”.

Preynat, 74 anos, encontrava-se já suspenso de exercer o ministério presbiteral. Tem agora cerca de um mês para recorrer da decisão para o tribunal da Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, no final de um processo que dura há já mais de um ano.

O julgamento civil deve começar em meados do próximo ano civil e cada vítima deve vir a pretender uma indemnização de 10 mil euros, segundo testemunhos recolhidos pelo Mediapart e que, segundo uma das vítimas, deve ser destinado a associações católicas de apoio social.

Em Março, na sequência da condenação a que o tribunal o sujeitou por encobrimento das acções de Bernard Preynat, o cardeal Philippe Barbarin, na altura arcebispo de Lyon, pediu ao Papa a resignação do cargo, em consequência da condenação por encobrimento.

Outro bispo francês, Hervé Gaschignard, resignara em 2017 do lugar de bispo de Dax (sudoeste do país) devido a “atitudes pastorais inapropriadas” em relação a menores, exercendo actualmente funções de serviço na diocese de Grenoble.

Os relatos de situações relativas a agressões sexuais têm abrangido várias comunidades católicas em França. Na comunidade monástica de Taizé, como o 7MARGENS noticiou, o prior foi comunicar às autoridade a existência de casos antigos e houve mesmo situações em que o sucedido motivou o suicídio de vários padres.

O Papa Francisco presidiu em Fevereiro a um encontro extraordinário de bispos em Roma, para discutir a forma como a Igreja Católica deve abordar e posicionar-se perante os casos de abusos sexuais em todo o Mundo, pouco depois de ter sido tomado conhecimento de uma ordem religiosa em França que fazia das freiras “escravas sexuais”.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco